quarta-feira

11

setembro 2013

0

COMMENTS

Numa Gamboa

Written by , Posted in Destaque, Música

BotaNaRoda_Gamboa_2013_1.jpg
Bota na roda

Transitando pela Gamboa, do avesso há anos com tanta obra, você fica na dúvida se o Estado está muito ausente ou muito presente (mentira, basta olhar o abandona dos casarios e a falta de condições de quem mora lá para saber a resposta).

As redondezas andaram agitadas nesse final de semana por conta da movimentação trazida pelo Art Rio e o Art Rua (ouvi que extenderam a programação) e domingo estive lá pra conferir o Antimatéria, evento com o melhor da música experimental carioca realizado na sede da Super Uber.

De lá fui parar sétima edicão da festa Bota na Roda, num lugar inusitado que por si só valeu a visita.

Ceticencias_Antimateria_2013
Ceticências

No Antimatéria consegui chegar a tempo apenas de três shows: Dorgas, Ceticências e Epicentro do Bloquinho – perdi o Bemônio, sobre o qual quem viu falou muito bem. Vi apenas parte do Dorgas, o suficiente para comprovar que ao vivo soam tremendamente melhor do que no disco homônimo recém lançado, ainda que as viagens as vezes tornem a experiência um tanto hermética.

Para apresentar as experiências eletrônicas, glitch industriais do seu Ceticências, Cadu Tenório juntou-se a Sávio de Queiroz. Apesar de contar muito com a improvisação e a reação em tempo real a sons inesperados, é tudo bem controlado e resolvido, há uma direção compreensível dentro do caos. O resultado é uma narrativa que não aliena o ouvinte, pelo contrário, hipnotiza.

O mesmo não se pode dizer ainda do Epicentro do Bloquinho. Vítimas do próprio talento, o excesso de ideias – Lucas de Paiva (People I Know, Opala, Mahmundi, SILVA), Gabriel Guerra (DJ Guerrinha, Dorgas) e Sávio de Queiroz – polui a audição e a coisa toda fica com pinta de ensaio ou composição ao vivo. Coisa que não acontece nas produções gravadas do trio.

Esse espírito free jazz é parte da proposta, sem dúvida, porém essa seria uma justificativa fácil demais para a falta de uma ordenação mínima nos sons. Fica difícil acompanhar ou mesmo dançar – e é som pra pista, 4×4 boa parte do tempo – quando as programações estão sendo constantemente ajustadas na metade dos compassos.

Um “problema” dessa nova geração é uma certa aversão aso graves. Ah, como uma linha de baixo iria bem naquilo… O Epicentro do Bloquinho ainda é novo, boto fé que vai encontrar seu caminho. Pode ficar de olho.

BotaNaRoda_Gamboa_2013_3

De lá fui parar na Bota na Roda, festa que começou na Comuna e encontrou num galpão abandonado, as vésperas de ser demolido, um bom motivo para fazer uma edição especial. A quantidade de desvios, ruas fechadas e desencontros tornavam chegar no local uma vitória por si só.

Bota Na Roda 7 from Daniel Santos on Vimeo.

O lugar (e a produção feita pela festa) era de fato a grande atração. Caindo aos pedaços, com partes ao ar livre devido a simples ausência de telhas, a atmosfera rústica dava o tom de rave dos anos 90 – é, eles estão voltando.

Entre o bar, pistas de dança, a bancada servindo caldinhos vegan de feijão e ervilha, havia também instalações, projeções e obras de arte interativas (a com quatro ventiladores montados acima de um canhão de luz estroboscópica apontando para o alto, em que era possível controlar a velocidade e direção das pás, assim como o bpm da luz, era divertida demais). O público que não parecia mto empolgado.

Saturada por festa temáticas, a noite alternativa do Rio borbulha novamente. Ótima notícia.

Dancing_BotaNaRoda_2013

BotaNaRoda_Gamboa_2013_4

BotaNaRoda_Gamboa_2013_2

BotaNaRoda_Gamboa_2013_5

 

BotaNaRoda_Gamboa_2013_7

BotaNaRoda_Gamboa_2013_8

Anúncios

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: