quinta-feira

6

abril 2006

4

COMMENTS

Na amizade

Written by , Posted in Resenhas

canastra_nervoso_2006.JPG
Renatinho, Nervoso e Edu Vilamaior
foto: André Nazareth

O denominador comum, pra variar, é o Acabou la Tequila, mas a amizade de Nervoso e Renato Martins transcende a banda em que tocaram juntos. A noite de quarta, no Sergio Porto, mostrou isso. Foram dois shows, de dois amigos, lançando dois clipes, um deles como parte de um contrato com uma gravadora.

Cada um à frente de um banda — Renatinho no Canastra, Nervoso em carreira solo — ambos trilham caminhos parecidos, cavando seu lugar e tentando viver de música.

Foi show pra pouca gente, algumas testemunhas presenciando dois nomes que merecem mais destaque. E quando esse destaque finalmente chega, como já aconteceu com outras bandas, entre os presentes fica a memória “daquele show meio vazio, antes da banda estourar” e o lembrete de porque é tão bom frequentar a cena independente e ver, antes da maioria, com todo conforto e sem empurra empurra, gente que ainda vai dar o que falar. Sem falar nas boas bandas que se perdem antes de acontecer e só alguns poucos tiveram sorte de ver.

Nervoso tocou primeiro . O bom show — que várias vezes, dividindo o palco com outras bandas, acaba sendo muito curto — teve duração suficiente para Nervoso mostrar músicas do seu disco de estréia, “Saudades das minhas lembranças”, e adiantar algumas que estarão no próximo, como “Kit homem”, “Um sonho de transatlântico” (essa com clima mais pop, tipo de música pra puxar o disco) e “Candidato a amigo”.

Embora algumas músicas estejam com arranjos diferentes, algumas mais lentas, outras ressaltando mais levadas de samba, o show continua parecido com o do lançamento do disco. Houve também distribuição do primeiro “Nervozine”, um fanzine no estrito significado do termo, ou seja, um informativo sobre a banda, feito por um fã, em papel xerox e distribuído gratuitamente. Fazia tempo que não se via um desses.

O Canastra, de contrato assinado com a Sony/BMG, por outro lado, mostrou um show bem diferente do que se via no ínicio da banda, mais bem amarrado e potente. Em clima de big band, o Canastra mistura rockabilly, country, rock sem perder a mão, alguns integrantes fazem cena quando não estão tocando, como os músicos responsáveis pelos metais, jogando baralho entre uma canção e outra.

No final do show, Renatinho convidou Nervoso para cantarem juntos “Bom veneno”, gravada por Nervoso e com letra de Renatinho, seguida de uma versão de “Back in black” countrycore. Nervoso se jogou no palco, arrancando risos da filha de Renatinho, que assistia ao pai pela primeira vez.

“O tio Nervoso é muito louco, né filha?” , disse Renatinho. Na amizade, claro, na amizade.

Anúncios

Deixe uma resposta

4 Comments

  1. LTT
  2. Joca
  3. Marcia
  4. Letícia Azevedo

Deixe uma resposta

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: