terça-feira

24

março 2015

0

COMMENTS

Transcultura #161: Natalie Prass // Jungle

Written by , Posted in Imprensa, Música

NataliePrass_OGlobo_Transcultura_2015

Texto da semana passada para “Transcultura”, coluna que publico todas as sextas no jornal O Globo.

Fossa indie
Arranjos grandiosos e letras sobre desilusões amorosas marcam a estreia da cantora americana
por Bruno Natal

Normalmente, o disco de uma cantora é dominado pela voz da mesma, ainda mais um que carrega o nome da própria no título. Embora as composições e o canto da americana Natalie Prass sejam o centro das atenções, são as luxuosas cordas e os metais que roubam a cena em seu homônimo disco de estreia. Os arranjos amplificam a voz delicada, quase vulnerável, complementando a interpretação.

Grandiosos, eles foram executados por mais de 30 músicos no estúdio do selo Spacebomb, na Virgínia, onde o disco foi gravado. Ao vivo, como nos shows que ela fez nesta semana no festival SxSW, em Austin, no Texas, a formação da banda tem bateria, baixo e guitarras, uma delas tocada por Natalie.

— Foi um desafio não ter as cordas quando montamos o quarteto, porque definitivamente não havia orçamento para trazer uma orquestra pro palco — explica Natalie, após a primeira dessas apresentações, no pequenino e abarrotado Cheer Up Charlies. — Os arranjos se tornaram uma parte central das músicas, então foi divertido transferir as partes do cello para o baixo e dos metais para guitarra.

Outro destaque importante na sonoridade do disco, o teclado Wurlitzer deu defeito na passagem de som e não pôde ser utilizado, tornando o show mais curto. Ainda assim, se tivesse funcionado, teria sido tocado pela própria Natalie, se revezando entre as teclas e a guitarra.

— Um dia espero ter um tecladista fixo na banda. Estávamos em turnê com o Ryan Adams por um mês e o tecladista dele, que também gravou no disco, tocou nos shows, e fez muita diferença.

A voz de Natalie já gerou comparações com Janet Jackson, por conta da versão de “Any time, any place” (gravada pela irmã de Michael Jackson no álbum “Janet”, de 1993). Outra versão curiosa no show foi “She’s like the wind”, originalmente interpretada por Patrick Swayze no filme “Dirty dancing”.

Com influências de soul, r&b e country, o independente “Natalie Prass” traz letras sobre os dramas do amor, dores de cotovelo, corações partidos etc. Da desilusão da abertura com “My baby don’t understand me” ao encerramento no estilo princesa da Disney de “It is you”, Natalie fala de triângulos amorosos (“Christy”), falta de confiança (“Why don’t you believe in me”) e de paixões inescusáveis (“Bird of prey”).

Produzido por Matthew E. White, que também assina os arranjos, e Trey Pollard , o disco estava pronto desde 2012 e só agora a autora, de 28 anos, pôde ver o trabalho lançado. O motivo do atraso foi o inesperado sucesso, naquele ano, do primeiro lançamento do selo, o disco “Big inner”, de White, que consumiu boa parte do tempo do Spacebomb, do qual ele é dono.

Natalie e White se conhecem desde os tempos de colégio, nas praias de Virginia Beach, quando tocaram em algumas bandas de rock juntos. O reencontro se deu em Nashville, para onde Natalie se mudou após não conseguir se adaptar a Boston, onde passou um ano estudando no Berklee College of Music. Enquanto seu disco não ia para a rua, ela excursionou com a compositora e atriz Jenny Lewis e gravou mais dois discos, ainda sem previsão de lançamento.

— Não sei vou lançar esses discos, talvez algumas músicas avulsas. Duke Ellington queimava suas partituras. Não sei se essas músicas têm um lugar no mundo, mas fico feliz de tê-las composto — diz ela.

Tchequirau

Uma das bandas mais elogiadas da atual temporada de shows, o Jungle fez uma versão do hit do Mark Ronson com participação de Bruno Mars, “Uptown Funk”.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: