lancamento 2013 Archive

segunda-feira

18

novembro 2013

0

COMMENTS

Lançamento: Strausz, "Habitat" (feat. Mahmundi)

Written by , Posted in Destaque, Música

habitat

Como de costume nos lançamentos do URBe, o próprio Strausz apresenta a faixa:

Estou tentando fazer um disco há mais de 1 ano mas apesar dos 500 rascunhos que tenho no computador nenhuma das músicas me animou tanto quanto essa. Tinha essa melodia em mente desde os tempos do R.Sigma e quando esse arranjo meio garage saiu (em agosto do ano passado) pensei na hora voz da Marcela. A música não tinha letra e eu precisava de uma 4a faixa para tocar no Experimente, então a convidei e ela, mesmo com a agenda apertada foi super bacana e topou se encontrar comigo para finalizarmos a faixa. Depois disso gravamos o Experimente mas ela ficou ocupada com a produção do seu próprio álbum, eu posteriormente com a produção do álbum do Castello Branco e só 1 ano depois (em julho desse ano) conseguimos nos encontrar para terminarmos as gravações. Se continuar nesse ritmo, meu álbum só sairá depois das Olimpíadas…

Ouça:

Anúncios

quinta-feira

10

outubro 2013

2

COMMENTS

Lançamento: Rio Shock, "Rio Shock EP" (2013)

Written by , Posted in Destaque, Música

RIO SHOCK EP COVER

A lista de lançamentos feitos através do URBe esse ano só faz crescer. Já passaram por aqui Do Amor, Opala, Gabriel Muzak, Mahmundi, Maga Bo, Lucas Santtana, Trio Eterno e Ylana.

Hoje João Brasil apresenta seu novo projeto, Rio Shock, com referências da música eletrônica dos anos 90, funk, mashup, humor e sacanagem. Ele mesmo detalha a história:

“Quando voltei de Londres estava com a ideia fixa de montar uma banda, uma banda que tocasse funk carioca.

“Encontrei o Junior Teixeira, percussionista do Monobloco, em um show no Circo Voador que fiz com a Gaby Amarantos e falei com ele sobre o projeto.

“Ele se animou, o grupo então já tinha um percussionista. Precisava ainda de uma cantora e um MC. Mandei um email para o Mãozinha, produtor musical da Anitta, pedindo uma indicação de cantora, ele nem pensou duas vezes, falou que a Dannie era ótima, funcionava super bem em estúdio e tinha segurado um reveillon de Copacabana no peito com a banda do Marlboro. Não tive dúvidas, fiz o convite e ela adorou a ideia.

“A Dannie me apresentou o MC Sabará. Estava formado o corpo musical. Nós nos entrosamos muito bem, a energia rolou de cara, a gente se diverte muito juntos, o que para mim é fundamental para qualquer projeto.

“Recém-chegado de Londres, queria fazer um lance ‘Rio’, com a cara da cidade, algo que me representasse, representasse minha rua, minha cidade, minha história.

“Queria produzir um som que sintetizasse um momento muito feliz musical da minha geração, mas com um olhar para o futuro. Ouvi o disco o Disclosure e a resposta estava ali. Tudo fez sentido.

“Precisava misturar os anos 90, o som das matinês do Resumo da Ópera, boate que tanto dancei. Minha cabeça de ‘mashupeiro’ logo fez a conexão com o funk.

“Nesse processo, meu amigo Filipe Raposo, recém-saído da DPZ, Calzone Crew, veio trabalhar no mesmo local que eu. Ele adorou o projeto e começou a canetar, junto com a Raquel Alvarez, imediatamente, toda a referência visual.

“Um amante da cena eletrônica UK dos anos 90, como eu, ele ajudou a lapidar musicalmente o que seria esse som. BPM cento e vinte poucos e muitos, som boladão, divertido, dançante. Deep Baile. Shock.

“Sensualizar foi a primeira faixa. Eu escrevi a letra, gravamos e funcionou muito bem para todos nós.

“Tínhamos um caminho. A partir daí tudo fluiu. Fiz a letra e produzi ‘Quebrete’, dividi a letra de ‘Moleque Transante’ com a Dannie e o Sabará, que trouxe a gíria do Lins e fizemos uma ‘doidêra pura’ em Surreal.

“Tínhamos o EP, mandei para a Alemanha e masterizei com o Andreas que masteriza os albums da Man Recordings. Adorei o resultado. Levei para Som Livre, eles adoraram também e toparam lançar o projeto, inclusive em vinil.

“Estamos todos muito felizes e orgulhosos com o trabalho. Para mim isso é o mais importante. Já estamos ensaiando e possivelmente, nossa primeira aparição ‘ao vivo’ será na próxima festa Fodasse ou na festa do URBe, a que vier primeiro, rsrs. Estamos produzindo nosso primeiro vídeo, que será de ‘Quebrete’.

“Ah, Shock vem de ‘Shock de Monstro’.”

Ouça o “Rio Shock EP” abaixo:

terça-feira

8

outubro 2013

0

COMMENTS

Lançamento: Ylana, "Ylana" (2013)

Written by , Posted in Destaque, Música

YlanaQueiroga_Ylana_2013

Produzido pelo irmão, Yuri, “Ylana” é a estreia de Ylana Queiroga, filha do Maestro Spok (da Spok Frevo Orquestra) e Nena Queiroga, sobrinha de Lula Queiroga. Nele, a cantora reinterpreta composições de autores pernambucanos como Felipe. S (Mombojó), China, Alceu Valença, Ortinho, Junio Barreto, Siba, Mestre Capiba e, claro, Lula.

É mais um disco a engordar a lista de lançamentos feitos através do URBe esse ano. Os outros foram: Do Amor, Opala, Gabriel Muzak, Mahmundi, Maga Bo, Lucas Santtana e Trio Eterno (vou abrir um selo).

A própria Ylana apresenta a bolacha:

“Passamos seis anos preparando este meu primeiro disco. Chamo de “meu” apenas por trazer o meu nome estampado na capa, mas na verdade, trata-se de um trabalho feito em dupla.

“Eu e o meu irmão Yuri Queiroga, produtor do disco, Pensamos em tudo juntos,desde a primeira música que iria compor o repertório até a fábrica onde seria prensado. Essa cumplicidade que partilhamos desde que nascemos influenciou muito no resultado final do álbum. Foi um processo longo, porém, cada segundo investido, carregou uma importância grandiosa.

“Aprendemos muito e tivemos a oportunidade de testar intensamente a nossa sintonia artística. Um seguia completando a arte do outro e tudo naturalmente começava a se encaixar. Quando estávamos iniciando a pesquisa das músicas que iríamos gravar, percebemos que o ‘som’ do nosso estado estava bem presente nas nossas escolhas e isso nos levou à um repertório exclusivamente pernambucano.

“O disco traz a singela genialidade do mestre Capiba de mãos dadas com a riqueza poética de Siba ; A mistura da originalidade da nação zumbi com a inconfundível ‘brasilidade’ de Junio Barreto bem do ladinho da essência libertária de Manuca Bandini e da sensibilidade ímpar de Yuri Queiroga. Também conta com o lado mais doce de Ortinho e o romantismo refinado de China e Felipe, com a singularidade inspiradora de Isaar e a imensidão criativa do nosso gênio Alceu Valença. Com a intelectualidade sublime de Lula Queiroga ligada à musicalidade de Jam da Silva e Lulu Oliveira e por fim, com a intensa entrega de Guilherme Almeida

“É incrível e gratificante perceber que conseguimos reunir as diferentes gerações e linguagens destes compositores em um único disco, que também conta com a participação de mais 25 luxuosos artistas do atual cenário pernambucano.

“Foi ficando tudo tão bonito que eu até cheguei a pensar que a minha interpretação não ficaria à altura , na verdade, ainda não sei dizer se isso aconteceu, mas sei que foi uma deliciosa experiência de aprendizado e entrega. Foi emocionante perceber a transformação da minha voz com o passar do tempo , gravei as vozes do disco entre 2007 e 2011 e dá pra identificar a diferença vocal entre algumas musicas.

“A Produção de Yuri Queiroga tornou o disco contemporâneo e eternamente original, ele soube harmonizar com maestria todos os diversos sons captados colocando-os em perfeita sintonia e gerando um resultado de cair o queixo. Sou fã dele e não nego, já disse e repito com muito orgulho: esse disco é nosso!”

Ouça o disco abaixo:

sexta-feira

4

outubro 2013

2

COMMENTS

Baleia, "Quebra Azul" (2013)

Written by , Posted in Música

Baleia_QuebraAzul

Numa semana cheia de lançamentos (EP da Mahmundi, disco do Castello Branco, Black Alien captando para sua segunda vinda) a Baleia finalmente estreia em “Quebra Azul” (só baixar).

Sem Luiza Jobim no nos vocais (agora no Opala) e abandonando as interpretações jazz que caracterizaram o início da banda, a Baleia nada por um folk indie a la Lumineers, com mais elementos, destaque pro violino, mais contido e, importante, menos chato e bobão. Tem muitos bons momentos – a guitarra suingada de “Furo” sobre tempos e divisões tortas, a parte final de “Breu”, o início dos ousados 10 minutos de “Despertador” – que por ter muito mais personalidade, bem poderiam ser a maior parte do som da banda.

Ouça por conta própria atendendo o apelo da banda: “por favor, baixe nossa música de graça”.

terça-feira

1

outubro 2013

1

COMMENTS

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: