domingo

13

maio 2007

0

COMMENTS

Controle

Written by , Posted in Uncategorized

O holandês Anton Corbijn ficou famoso pelos cliques de bandas de rock, entre eles boa parte das imagens mais conhecidas do ínicio da carreira do U2 e capas e mais capas da NME. No entanto, o grupo que fez o fotógrafo atravessar a poça e se instalar na Inglaterra foi o Joy Division.

Fixado com a idéia de fotografar a banda que, por estranhas curvas do destino, viria a se tornar o New Order, Anton mudou de país, conseguiu realizar seu desejo e se transformou num dos principais “fotógrafo de rock”, título que rejeita e desgosta, como ressalta em entrevistas.

Faz sentido, portanto, que sua estréia em longa-metragens (após dirigir muitos videoclipes) tenha sido com esse excelente “Control”, filme sobre a vida e morte do vocalista do Joy Division, Ian Curtis, que se suicidou com apenas 23 anos.

O fato de o diretor e produtor ser um fã e próximo da banda, alguém que conheceu a cena e o contexto em que o Joy Division surgiu, trouxe a sensibilidade necessária para transpor para tela o roteiro (baseado num livro escrito pela viúva de Ian) sem resvalar nas pieguices normalmente presentes nesse tipo de filme.

A história é contada de maneira direta, natural, sem preocupação em sublinhar momentos chave ou incluir toda e qualquer referência pop imaginável relacionada a banda — o seminal show do Sex Pistols onde a idéia da banda “nasceu” está lá, retratado de maneira sútil.

A atuação de Sam Riley é impecável, embora fisicamente seja bem menos freak do que o Ian verdadeiro e também aparente mais idade. A fotografia, linda, é outro presente.

Sucídio é um tema delicado e o filme, acertadamente, não tenta explicar os motivos que levaram Ian Curtis ao suicídio. Em vez disso, apresenta e o contexto em que isso aconteceu. Entrega a linha, agulha e o pano. Costurar é com o espectador.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: