Uncategorized Archive

segunda-feira

9

março 2015

0

COMMENTS

Transcultura #160: Pete Herbet // Natalie Prass

Written by , Posted in Uncategorized

minimoo_pestana_2015
A festa já foi, mas o papo com Pete Herbert continua valendo.

Texto da semana passada para “Transcultura”, coluna que publico todas as sextas no jornal O Globo.

DJs britânicos são atração da versão ‘mini’ da Moo
Festa acontece hoje no hotel Pestana, com Pete Herbert e Dicky Trisco
por Bruno Natal

Ainda uma das festas mais bacanas da cidade, a Moo tem realizado edições num formato reduzido, as (mini) Moo. Hoje acontece mais uma, na cobertura do hotel Pestana, em Copacabana. Mantendo a tradição de receber atrações internacionais, são os DJs e produtores britânicos Pete Herbert e Dicky Trisco que fazem o som da noite, ao lado dos residentes Diogo Reis, Badenov e Vitor Kurc.

A edição celebra também o lançamento do primeiro EP do selo Mareh Music, sediado em São Paulo. “Mareh 001” inclui a faixa “Disco chocolate”, da dupla que se apresenta na noite, além de “Nerve control”, do nova-iorquino Eric Duncan, atração de uma edição anterior da festa.

Além de disponível para download, o EP foi lançado em vinil, com distribuição na Europa, EUA e Japão. Sócio da Mareh, que organiza também festas disputadas pelo litoral brasileiro, Guga Roselli conta que o selo lançará produções de artistas nacionais.

— Os próximos nomes incluem a dupla Selvagem, formada por Millos Kaiser e Augusto Olivani, e Vitor Kurc — revela Roselli.

Herbert volta ao Rio depois de ter tocado aqui em 2009, numa outra edição da Moo.

— Só toquei no Rio naquela vez e foi um festão, gente legal e uma atmosfera ótima. Vamos fazer um set nos revezando a cada música. A ideia é tocar disco, house, balearic, techno e qualquer outra coisa que der vontade conforme a noite avançar. Assim que é divertido — garante ele.

Segundo Herbert, a faixa lançada pela Mareh reflete boa parte de suas experiências nas pistas.

— Começamos a trabalhar nessa faixa em meio às festas de fim de ano organizadas pela Mareh, em 2013, então a produção é completamente influenciada pela experiência nesses eventos. Nós também começamos nosso próprio selo, Paradise Row, com músicas que tentam capturar essa mistura de pessoas e diferentes estilos num lugar só.

Tchequirau

Com 19 anos e apenas um disco recém lançado, “Natalie Prass”, produzido por Matthew E. White, Natalie Prass já começa a figurar alto nas críticas. Olho nela. Ouça “Bird of Prey”.

Anúncios

terça-feira

11

novembro 2014

1

COMMENTS

terça-feira

11

novembro 2014

0

COMMENTS

Trancultura #150: We Are Shining // J Mascis

Written by , Posted in Imprensa, Música, Uncategorized

OGLobo_WeAreShining_2014

Texto na da semana passada da “Transcultura”, coluna que publico todas as sextas no jornal O Globo:

Viagem delirante
Uma volta pelas 12 faixas de ‘Kara’, que a banda diz ser ‘uma trilha para um filme mental’
por Bruno Natal

A dificuldade de se rotular música de acordo com estilos é uma das grandes dádivas da recente geração de bandas. Cada vez mais mistura-se de tudo sem a intenção explícita de sequer criar um novo gênero. É justamente a ideia de fazer com que esses sons convivam, sem que um vire o outro, que rende os melhores resultados. Nesse quesito, ao menos em 2014, tem pouca banda para bater de frente com We Are Shining.

O grupo é formado pelos ingleses Morgan Zarate e DJ Acyde, ambos com alguma experiência na música. Zarate foi parte do trio de trip-hop, soul e r&b Spacek e lançou três discos pelo selo Hyperdub, do Kode9. A dupla já esteve em estúdio com Kanye West e se apresentou duas vezes na série Boiler Room.

Uma volta pelas 12 faixas do disco de estreia, “Kara”, dá um nó na cabeça de qualquer um: guitarras africanas duelam com blues tuaregue, viradas afrobeat colidem com riffs de rock, climas atmosféricos emprestados do reggae se encaixam em vocais soul, Jimi Hendrix passeia por um groove de hip-hop. É um disco retrô e referencial, sem deixar de ser extremamente avançado, sendo ao mesmo tempo sujo, gasto e barulhento, polido e bem-acabado.

“Trilha para um filme mental”

Essas são as referências imediatamente identificáveis — a dupla ainda cita psicodelia turca, experimentos eletrônicos dos anos 1960, afro rock setentista, hip-hop do final dos anos 1990 e Moombahton. Tanta mistura costuma ser receita para o desastre; ou sai um bololô sonoro pretensioso ou uma coleção de faixas, cada uma atirando para um lado. O We Are Shining consegue cumprir a difícil tarefa de escapar dos dois riscos. “Kara” mantém sua unidade e faz dessas múltiplas vias um só caminho, coeso. Uma viagem delirante tornada ainda mais intensa com a ajuda de fones de ouvido.

A mistura cosmopolita de Londres, onde há de tudo de toda parte do mundo, num choque cultural de múltiplos efeitos, se reflete no som. A lista de vocalistas convidadas dá conta da quantidade de influências: o art-rock da mexicana-francesa Andrea Balency, o r&b futurista de Roses Gabor, o pop de Mallie, o soul pop de Eliza Doolittle, o folk e o jazz de Eska, e o soul pós-punk de Shingai Shoniwa (do Noisettes).

A badalada cantora FKA Twigs compôs “Breaks”, e a modelo Adwoa Aboah estrela o clipe de “Hot love”. A capa de “Kara” foi feita pelo australiano Leif Podhajsky, que vem empilhando obras-primas com suas artes psicodélicas feitas para discos e singles de Tame Impala, Mount Kimbie, Lykke Li, Bonobo, Shabazz Palaces, Miami Horror e Sun Araw.

Em uma entrevista recente, Acyde disse que o disco era “a trilha para um filme mental. Fique bêbado, fique chapado e assista ao pôr-do-sol enquanto ouve o disco”. Pode seguir a dica sem medo, vai brilhar.

Tchequirau

Mazzy Star pode ser considerada uma artista de um só hit (mesmo que tenha outras boas músicas). Tudo bem, porque o hit que ela tem não é pouca coisa. Ainda assim, em 2013 J Mascis, do Dinosaur Jr, achou de enfiar a mão na clássica (tem 20 anos, já pode chamar de clássica, né) “Fade Into You”. Ficou legal.

sexta-feira

7

novembro 2014

0

COMMENTS

quarta-feira

17

setembro 2014

0

COMMENTS

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: