sou Archive

terça-feira

16

dezembro 2008

2

COMMENTS

O passo do Camelo

Written by , Posted in Uncategorized

O show começa com Marcelo Camelo sozinho no palco, dedilhando um tema ao violão, sem nenhum outro acompanhamento. A intimidade revela um violão sujo, com mais vontade do que técnica. Mais rock do que samba.

Esse deve ser o maior defeito de “Sou”, primeiro trabalho solo do ex-Los Hermanos: ao se levar a sério demais, Camelo perde um pouco da leveza que marca suas composições (mesmo quando letras sérias mascaram isso), atraindo análises mais críticas de suas virtudes como cantor e músico.

Ao vivo, sua banda de apoio (os paulistanos do Hurtmold) ganha espaço e o show cresce. Misturado aos outros músicos, o talento de compositor conta mais que as limitações técnicas de Camelo, transformadas em um elemento — como acontece (acontecia?) no Los Hermanos.

Solto no palco, Camelo interagiu com a platéia (a pedido do seu pai, como explicou), mesmo sem saber exatamente como fazer isso.

Com um sorriso no canto da boca, Marcelo cantou “Janta” e sua letra escancarada (composta com a atual namorada, a cantora Mallu Magalhães, de 16 anos, uma das relações mais patrulhadas da atualidade), falando de um amor que é um “eterno não dá”.

Durante a introdução da música seguinte, “Doce solidão” e após gritos da platéia, Marcelo comentou que “o melhor é que pode tudo, pode tudo”. Herança dos tempos de LH, o coro de roda de violão que se segue é desafinado que só, dificultado por músicas de letras e melodias difíceis de cantar.

As coisas melhoram quando o coral é abafado pela guitarra de Camelo. Aliás, o som todo melhora com a guitarra, quando apenas um dos pés está na MPB e tanto as composições soam mais criativas e a interação com o Hurtmold sobe bastante.

O septeto paulistano quase rouba o show quando, por uma música, Camelo se arrisca e deixa o grupo tocando sozinho. Marcelo é fã e faz questão que o resto do público tenha esse gostinho, espalhado por outras canções, como a versão reggae de “Morena”.

Para recuperar seu público, Camelo abre o bis com “Casa pré-fabricada” e enfileira algumas outras músicas do Los Hermanos. É infalível.

Ainda que sem dúvidas esteja acima do disco, para um show solo fica faltando mais constância e volume. Com um punhado de ótimas canções, uma coisa é inegável: o Camelo dá seu primeiro passo.

terça-feira

2

setembro 2008

0

COMMENTS

quarta-feira

27

agosto 2008

2

COMMENTS

Camelo

Written by , Posted in Uncategorized


Camelo e a capa

A estréia solo de Marcelo Camelo, “Sou”, sai no dia 08 de setembro, com 10 das 14 faixas caindo oficialmente na rede no dia 28 do mesmo mês.

Chegando a hora do lançamento, cacos do disco começam a pipocar aqui e ali.

No bacana MPB Player (o nome é contraditório, mas contradição as vezes é bom), blogue editado por Leo Lichote e Rodrigo Pinto, apareceram a capa (um poema concreto de Rodrigo Linares) e a primeira música, “Doce solidão”, que já havia circulado em formato demo, num vídeo no YouTube, assim como a instrumental “Téo e a gaivota”.

%d blogueiros gostam disto: