percpan Archive

segunda-feira

11

outubro 2010

12

COMMENTS

Apanhado do PercPan 2010 RJ

Written by , Posted in Música, Resenhas


Buraka Som Sistema

Baseado na única apresentação que havia assistido deles, com um DJ e dois MCs, se alguém me dissesse que o Buraka Som Sistema seria o destaque desse PercPan, ainda mais dividindo a noite com o Hypnotic Brass Ensemble, não apostaria dois tostões.

Só que eles chegaram maiores, com uma formação que inclui uma bateria, percussão e programações. O volume que isso gera visualmente no palco se reflete no som. A apresentação cresce muito. Mesmo já estando tarde e com o público não se empolgando muito, ninguém foi embora. Impacto teve.

Durante todo o show fiquei pensando como é que pode não haver UMA banda de funk (baile funk) nesse formato. O surrado DJ-MC segue sendo a regra, desperdiçando um potencial gigante. Tem a do Catra, mas isso é uma outra história.

Estou falando de um formato feito pra bombar uma pista de dança, um palco ou um clube, independente do público ser iniciado ou não nas batidas. Uma apresentação com um apelo mais pop, sem sentido pejorativo no termo.

Mesmo considerando qualquer limitação financeira, passou da hora do funk dar um passo a frente tanto em sentido de referências (e nesse sentido o Sany puxa o bonde) quanto de formato. Fico pensando no estrago que faria uma banda com bateria, programação, um MC violento e um repertório, de clássicos e/ou inéditas. João Brasil, aproveita que está em Londres e vai que é tua, lenda!


Hypnotic Brass Ensemble

Tocando antes do Buraka, o Hypnotic Brass Ensemble lutou contra a dificuldade de fazer a platéia de fato pular e se empolgar (culpa, talvez, do excesso de convidados). Pediram, falaram, insistiram numa participação do público que nunca veio.

Depois do show, muita gente reclamava do excesso de blá blá blá e da postura “yo, rap” do grupo. Não sei exatamente o que esperavam de um grupo de músicos de rua com forte influência exatamente do hip hop. Um concerto, com todos sentados, certamente fugiria muito da proposta. Pode ter faltado entendimento, ou aceitação, do que a banda tem pra apresentar, porque o show foi bonzaço.


Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou

Duas noites antes, no Teatro Casa Grande, os ritmos africanos da Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou sofreram com o som precário, sem graves e repleto de agudos de furar os tímpanos, além da ausência de um dos guitarristas, que não veio ao Brasil por medo de avião. Ainda assim foi um bom show.

As Tucanas tocaram antes, nuna tentativa bem ingênua de apresentar sons percussivos africanos, soando como uma banda de final de ano de algum colégio alternativo. Fechando a noite, o peruano Novalima também não agradou, com um som e formação meio farofada, esvaziando o lugar antes do final.

Tucanas

quarta-feira

6

outubro 2010

35

COMMENTS

segunda-feira

4

outubro 2010

27

COMMENTS

Hoje tem (até quarta): PercPan

Written by , Posted in Hoje tem

SORTEIO: 10 convites individuais para a Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou, hoje. Vai para os dez primeiros a bater o tambor nos comentários (com o nome completo).

O resumo do PercPan, inteiramente kibado da Dancing Cheetah:

A escalação do festival esse ano talvez seja a melhor de todos os tempos, simplesmente matadora. Nos últimos dias, fizemos um quem é quem no nosso blog, dissecando todas as atrações. Resumindo, são três dias de festival aqui no rio: 04 e 05 de outubro no Oi Casa Grande, e dia 06 de outubro no Canecão.

Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou
Lendário grupo do Bénin, oeste da África, em atividade desde o fim dos anos 60. O som? É como se James Brown e Fela Kuti recém chegados de uma viagem a Cuba fizessem uma jam no meio de uma cerimônia vodu. Ou seja: Absolutamente imperdível

Tucanas
5 meninas de Portugal que tocam percussão tradicional e corporal. Com influências de temas afro-luso-brasileiros e elementos cênicos do teatro e da dança.

Novalima
Conjunto do Perú que faz uma interessantíssima mistura de sons afro-peruanos, tudo bem contemporâno. Excelente cantora.

Nortec Collective
Nortec é uma mistura das corruptelas de norteño (região do norte do México) com techno. Do coletivo formado por vários artistas, quem vem ao Brasil é justamente a sua parte mais interessante: Bostich + Fussible.
Tijuana Sound Machine!

Kocani Orkestar
Diretamente da Macedônia, essa orquestra cigana vai botar todo mundo pra dançar ao som da fanfarra balcã: sons turcos, romenos e búlgaros com ligeiro acento latino.

Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz
Big band é pouco. São simplesmente 19 músicos nesse combo de sopro e percussão que re-interpreta o universo percussivo bahiano (candomblé, Ilê Aiyê, Olodum) sob a batuta do maestro (e fera) Letieres Leite.

Buraka Som Sistema
Já ouviu falar em kuduro? E no kuduro progressivo, com toques de euro-house, climas rave do início dos 90, baixo gordo do grime/ dubstep e até mesmo funk carioca? É dessa maneira que rotulam o som do Buraka, grupo eletrônico português e exportador mundial #1 do som urbano de Angola, o kuduro.

Bloco Cru
Sensação dos últimos carnavais de rua do Rio por misturar samba com clássicos do rock, tipo Stones, Clash, Prince, Nirvana, Tom Waits, Radiohead. É o nosso, digamos, bloco indie.

Hypnotic Brass Ensemble
Formado por (!!!) 8 irmãos de Chicago, esse super grupo de metais é dono absoluto do groove. Influenciados por jazz (são filhos de um trompetista que tocava com Sun Ra!!!), hip-hop e música africana, o Hypnotic tem sido uma das sensações dos últimos grandes festivais internacionais.

Os ingressos para o Perc Pan estão a venda no ingresso.com e nas bilheterias do Teatro Oi Casa Grande e do Canecão. Maiores infos no site do Perc Pan.

Partiu.

%d blogueiros gostam disto: