bloom Archive

quarta-feira

2

março 2016

0

COMMENTS

Ouça dois discos do Beach House na íntegra no YouTube

Written by , Posted in Música

Beach House Discos YouTube URBe

Enquanto a discografia completa do Beach House não dá as caras no Spotify, a Sub Pop (selo na qual pertence a dupla) disponibilizou na íntegra em seu canal no YouTube os 4 discos do duo que ainda não estão presentes na plataforma de streaming.

Entre os álbuns, estão o excelente “Teen Dream”, o bom “Bloom” e os dois últimos, apenas OK, “Depression Cherry” e “Thank Your Lucky Stars”, ambos de 2015.

Ouça na íntegra:

Bloom“, 2012

Depression Cherry“, 2015

Thank Your Lucky Stars“, 2015

terça-feira

5

fevereiro 2013

0

COMMENTS

O brotar do Coachella

Written by , Posted in Uncategorized

É assim mesmo.

Pena que o festival explore tão mal suas possibilidades áudio-visuais, com apenas um DVD em suas 12 edições e quase nenhum material relevante gerado antes ou depois do festival.

segunda-feira

26

março 2012

2

COMMENTS

Beach House, “Bloom” (2012)

Written by , Posted in Destaque, Música, Resenhas

Previsto para maio pela Sub-Pop, “Bloom”, quarto disco do Beach House – adivinha – chegou antes da hora. Sucessor do excelente “Teen Dream” (que deveria ter encabeçado a lista de melhores de 2010), a bolacha foi novamente produzida por Chris Coady (TV On The Radio, Yeah Yeah Yeahs).

Alex Scally e Victoria Legrand seguem seu atmosférico dream pop, de texturas etéreas e psicodélicas, um pouco menos nebuloso, quase – até onde o Beach House se permite – pra cima. Se não é melhor que “Teen Dream”, está ao menos no mesmo nível. O que é bastante coisa.

quarta-feira

2

março 2011

0

COMMENTS

Transcultura #036 (O Globo): Apps, Línguas

Written by , Posted in Imprensa

Texto da semana re-retrasada da coluna “Transcultura”, que publico todas as sextas no jornal O Globo:

Dez aplicativos da vez para celular
por Bruno Natal

O telefone já era. Há pouco tempo, esses aparelhos serviam para fazer ligações. Do jeito que a coisa vai, essa deve se tornar a última utilidade de um celular e não demora o dia em que as operadoras de telefonia se tornarão provedoras de acesso à rede. Afinal, aparelhos modernos, como o iPhone, se assemelham mais a computadores de bolso do que a telefones, cada um deles carregando os mais variados aplicativos. Demos uma vasculhada geral e selecionamos dez dos programas mais legais para quem não quer ficar fora do ar.

1) Instagram: Uma rede social de fotos, uma espécie de Twitter no qual as pessoas se comunicam por imagens, sem palavras. Mas não é qualquer imagem. Apenas aquelas geradas através do aplicativo, que conta com diversos filtros para dar um visual analógico às fotos. Com quatro meses de existência, a rede (exclusiva no iPhone) só cresce.

2) Hipstamatic: Os rápidos avanços tecnológicos às vezes assustam, fazendo algumas pessoas olharem para trás com saudade, motivo do sucesso de brinquedinhos analógicos como as câmeras Lomo (porém, estranhamente, poucos querem trocar o computador por uma máquina de escrever). Totalmente digital, o Hipstamatic traz lentes, filtros e flashes para produzir imagens com cara de antigamente.

3) 8mm: Resumindo bastante, o 8mm é o Hipstamatic dos vídeos, aplicando efeitos como saturação, desgaste, grãos e lentes que fazem suas imagens parecerem geradas com uma câmera super-8. O problema é que, como se tratam de imagens em movimento e os smartphones não têm estabilizadores de imagem, o resultado é quase sempre tremido.

4) Tilt Shift: Sabe essas fotos e vídeos que têm pintado em tudo quanto é publicidade, em que as pessoas parecem formigas e os cenários, maquetes? Pois então, é tudo cascata, claro, resultado de um efeito conhecido como tilt shift. Crie o seu próprio mundo em miniatura.

5) DJ Mixer: Antes, o DJ tinha que carregar uma pesada sacola de vinis para ir trabalhar. Vieram os programas como o Final Scratch, que fazem a interação entre o laptop e os toca-discos. O DJ Mixer, desenvolvido pelo DJ Spooky, faz até o laptop parecer trombolhudo quando comparado a um iPad, fazendo as vezes de tocador, mixer e discoteca. Só não pode se embaralhar com os botões pequeninos.

6) Beatwave: Se o seu conhecimento musical é nulo e ainda assim você acha que deveria ter o direito de compor suas próprias faixas, corra já pro Beatwave. O sequenciador tem uma interface simplificada e intuitiva, com um banco de sons pré-gravados, controles de tempo e tom. Você só precisa apertar os botões pra achar que sabe fazer música.

7) Bloom: Desenvolvido pelo mestre da ambiência Brian Eno, em parceria com Peter Chilvers, o Bloom é como o Beatwave, só que mais viajante. Em vez de um sequenciador, o usuário simplesmente toca a tela, gerando melodias espaciais, acompanhadas por imagens, que vão se alterando de acordo com a interação.

8) Osmos: No jogo que foi considerado o melhor aplicativo de 2010, um ser unicelular fagocita outras células ao som de uma trilha eletrônica minimalista, enquanto usa a própria massa como forma de propulsão. O objetivo é crescer e dominar o espaço. Tudo bem lentamente, pra contemplar e pensar na vida. Viciante demais.

9) Whatsapp: Por algum motivo inexplicável, diferentemente da Europa e dos EUA, mensagens de texto custam uma fortuna no Brasil. Uma pena, já que essa é a melhor forma de comunicação móvel jamais criada. Ou melhor, era. O Whatsapp faz tudo que um SMS faz, e ainda envia fotos, vídeo e áudio, em tempo real, entre múltiplas plataformas (de iPhone para Blackberry, por exemplo). E de graça.

10) Viber: Pra quem tem a língua solta, este é o paraíso. Similar ao Skype, através do pacote de dados contratado (o ilimitado é o ideal), esse aplicativo conecta os usuários em ligações telefônicas gratuitas, ajudando a manter a conta o mais perto possível do zero.

Tchequirau

A série de vídeos de divulgação de um curso de línguas na França, Espanha, Inglaterra e China é de uma simplicidade e eficiência invejável. Assista o de Barcelona e diz se não quer sair correndo pra lá.

%d blogueiros gostam disto: