sexta-feira

2

abril 2004

0

COMMENTS

O Globo, 02/04/2004

Written by , Posted in Imprensa

Entrevista com o diretor de filmes de surfe Taylor Steele que fiz para o Rio Fanzine (O Globo).

—-

5 minutos

Os filmes de surfe do diretor Taylor Steele, além de terem revolucionado o gênero no anos 90, têm outra característica marcante: quase todos serviram como base de lançamento de bandas que dominaram a cena nos anos seguintes. Foi em filmes como Focus e Momentum que muita gente descobriu bandas como Sublime, Nofx, No Fun at All, Blink 182 e Ben Harper, entre outros.

De passagem pelo Brasil, onde rodou o episódio latino-americano da série “Drive Thru”, Taylor falou com exclusividade ao Rio Fanzine sobre seu papel de divulgador de talentos.

Seus filmes sempre lançaram bandas que depois estouraram no mundo todo. Como acontece isso?

Cada caso é um caso. Tem vezes que vou a um show, gosto da banda e peço para usar suas músicas nos vídeos. Foi assim com Sublime, Pennywise e Ben Harper, por exemplo. De vez em quando, artistas que estão se lançando me mandam material. Blink 182 e Jack Johnson fizeram isso.

As bandas liberam as músicas numa boa?

Nem sempre. Algumas bandas não ligam para filmes de surfe e preferem ganhar mais dinheiro licenciando músicas para comerciais de carros e grandes marcas, enquanto outras entendem o valor de colocar seu trabalho num produto direcionado para seu público alvo e fazem questão de participar.

Quais bandas já te deixaram na mão?

O Tool vetou uma música falando que não queria se associar a nenhum esporte e tempos depois a mesma canção serviu de trilha num vídeo de uma gigante do surfwear. No filme “Loose Change” editei uma seqüência inteira do Bruce Irons em cima de “Guerrilla Radio”, do Rage Against the Machine, e eles não liberaram o uso e eu tive que alterar tudo.

E teve uma briga com o Offspring também, né?

Eles falaram numa entrevista para revista Surfing que ter aparecido nos meus vídeos não fez a menor diferença na carreira deles. Não tenho a pretensão de achar que sou responsável por explosão de banda nenhuma, mas fiquei chateado com essa declaração.

Qual a importância da trilha num filme de surfe?

Total. Uma música é metade de uma cena, melhora o surfe até. E vice-versa. Depois de ouvir uma música num filme, parece que ela fica associada as imagens daquela seqüência.

Anúncios

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: