passe livre Archive

terça-feira

17

setembro 2019

0

COMMENTS

RESUMIDO #31 — Minimalismo digital

Written by , Posted in Música, Urbanidades

No RESUMIDO #31: passe livre, Brasil deprê, horário de verão, Microsoft, anúncios, curadoria humana, Snowden, roupas conectadas, telefones burros, minimalismo e dieta digital, cultura do live, 1619, Daniel Johnston, skate resistência e muito mais.

Abaixo, todos os links comentados nessa edição. O podcast está disponível em todas as plataformas, incluindo Spotify e Apple Podcasts.

Colabore com o RESUMIDO

RESUMIDO
Link to RESUMIDO

RESUMIDO

Assine e colabore diretamente para realização do RESUMIDO!

BRASIL

Brasileiros estão menos felizes em 2019, diz pesquisa da Ipsos
Link to Brasileiros estão menos felizes em 2019, diz pesquisa da Ipsos

Brasileiros estão menos felizes em 2019, diz pesquisa da Ipsos

Índice de felicidade do brasileiro caiu de 73% para 61% de um ano para o outro, diz o instituto de pesquisa.

French city makes its buses free, spurring new ridership and decreasing car use
Link to French city makes its buses free, spurring new ridership and decreasing car use

French city makes its buses free, spurring new ridership and decreasing car use

A year ago, the city of Dunkirk in France made its bus system entirely free — causing a boom in ridership, as well as a drop in car usage. In the year since, as France 24 notes, an academic s…

Felipe Neto, o empresário e youtuber que incomoda Bolsonaro
Link to Felipe Neto, o empresário e youtuber que incomoda Bolsonaro

Felipe Neto, o empresário e youtuber que incomoda Bolsonaro

Política Entrar Política Acesse sua conta ou cadastre-se grátis sair Home Valor Data Valor Econômico Valor Data Home Bolsas Moedas Commodities Índices Macroeconômicos Aplicações Taxas referenciais Tributos Finanças públicas Crédito Títulos privados Juros Externos Carteira Valor Fundos Ranking Dealogic Valor Data Ranking Dealogic Banco de Investimento Fusões e Aquisições Renda Variável Renda Fixa Tendências — Últimas Notícias Brasil Política Empresas Finanças Eu & Opinião Agronegócios Mundo Legislação Carreira Especiais — Valor RI Valor Econômico Valor RI Home Valor Investe edição impressa blogs e colunas revistas e anuários newsletter valor international fale conosco Group CopyGroup 5 CopyGroup 13 CopyGroup 5 Copy 2Group 6 Copy Felipe Neto, o empresário e youtuber que incomoda Bolsonaro Por Cristian Klein — Rio

A CPI que preocupa o PSL | Bernardo Mello Franco - O Globo
Link to A CPI que preocupa o PSL | Bernardo Mello Franco – O Globo

A CPI que preocupa o PSL | Bernardo Mello Franco – O Globo

Nos últimos dias, o senador Angelo Coronel (PSD-BA) conheceu a fúria das milícias virtuais. Presidente da recém-instalada CPI Mista das Fake News,…

Bolsonaro sinaliza que pode voltar com horário de verão
Link to Bolsonaro sinaliza que pode voltar com horário de verão

Bolsonaro sinaliza que pode voltar com horário de verão

Presidente comentou o assunto durante pronunciamento nas redes sociais que faz todas as quintas-feiras

DIGITAL

Microsoft president: Cambridge Analytica was 'the Three Mile Island for the tech sector'
Link to Microsoft president: Cambridge Analytica was ‘the Three Mile Island for the tech sector’

Microsoft president: Cambridge Analytica was ‘the Three Mile Island for the tech sector’

As the longest serving executive at Microsoft, Former General Counsel Brad Smith knows a thing or two about the scrutiny that comes with being a global tech company.

Link to

NRA Ramped Up Facebook Advertising Immediately After Mass Shootings in El Paso and Dayton
Link to NRA Ramped Up Facebook Advertising Immediately After Mass Shootings in El Paso and Dayton

NRA Ramped Up Facebook Advertising Immediately After Mass Shootings in El Paso and Dayton

After massacres at El Paso and Dayton, NRA urged gun owners to “show that you won’t be intimidated” by calls for reform.

Facebook argues it can't invade your privacy because you don't have any
Link to Facebook argues it can’t invade your privacy because you don’t have any

Facebook argues it can’t invade your privacy because you don’t have any

A lawyer defending Facebook argued in court this week that the social media site’s users “have no expectation of privacy.”

Link to Bloomberg – Are you a robot?

Bloomberg – Are you a robot?

Please make sure your browser supports JavaScript and cookies and that you are not blocking them from loading. For more information you can review our Terms of Service and Cookie Policy.

Seven things we learned from Edward Snowden's new book
Link to Seven things we learned from Edward Snowden’s new book

Seven things we learned from Edward Snowden’s new book

Edward Snowden has published his memoir, Permanent Record. Here are some key takeaways from the title

The real reason America is scared of Huawei: internet-connected everything
Link to The real reason America is scared of Huawei: internet-connected everything

The real reason America is scared of Huawei: internet-connected everything

Five things you need to know about 5G, the next generation of wireless tech that’s fueling tensions between the US and China.

Jacquard by Google - Saint Laurent
Link to Jacquard by Google – Saint Laurent

Jacquard by Google – Saint Laurent

Simple, seamless connectivity woven into your everyday essentials.

Google Jacquard 2.0 leads new wave of connected clothes
Link to Google Jacquard 2.0 leads new wave of connected clothes

Google Jacquard 2.0 leads new wave of connected clothes

A smart backpack is the first in a series of smart fashion products from Google in 2019.

The best smart clothing: From biometric shirts to contactless payment jackets
Link to The best smart clothing: From biometric shirts to contactless payment jackets

The best smart clothing: From biometric shirts to contactless payment jackets

Smart clothing is still to go mainstream after first popping to the surface in 2015, but we’re slowly seeing more companies play around with the concept of …

Pagers, Pay Phones, and Dialup: How We Communicated on 9/11
Link to Pagers, Pay Phones, and Dialup: How We Communicated on 9/11

Pagers, Pay Phones, and Dialup: How We Communicated on 9/11

The world was a different place when the 9/11 attacks happened 18 years ago. Imagine how social media would fuel—and befoul—the reaction to a similar event today.

The Light Phone
Link to The Light Phone

The Light Phone

Light is a radically different technology company. We design beautiful tools that respect and empower our users and our first product is The Light Phone.

Designer Consumer Electronics - Interactive Design Technology on Work | Punkt.
Link to Designer Consumer Electronics – Interactive Design Technology on Work | Punkt.

Designer Consumer Electronics – Interactive Design Technology on Work | Punkt.

Punkt. offer designer consumer electronics products combine beautiful design with simplicity. Understand the Impact of balance technology on work, it’s what we do. Visit now!

Tim Cook Will Have To Pry My iPhone SE From My Cold, Tiny Hands
Link to Tim Cook Will Have To Pry My iPhone SE From My Cold, Tiny Hands

Tim Cook Will Have To Pry My iPhone SE From My Cold, Tiny Hands

New iPhone season is here. But don’t give in to FOMO — the iPhone 7 is still the most-used phone in the United States.

'Digital Minimalism' | All Of It | WNYC
Link to ‘Digital Minimalism’ | All Of It | WNYC

‘Digital Minimalism’ | All Of It | WNYC

Cal Newport on Digital Minimalism: Choosing a Focused Life in a Noisy World.

They told us DRM would give us more for less, but they lied
Link to They told us DRM would give us more for less, but they lied

They told us DRM would give us more for less, but they lied

My latest Locus Magazine column is DRM Broke Its Promise, which recalls the days when digital rights management was pitched to us as a way to enable exciting new markets where we’d all save b…

A Decade of Music Is Lost on Your iPod. These Are The Deleted Years. Now Let Us Praise Them.
Link to A Decade of Music Is Lost on Your iPod. These Are The Deleted Years. Now Let Us Praise Them.

A Decade of Music Is Lost on Your iPod. These Are The Deleted Years. Now Let Us Praise Them.

From 2003 to 2012, music was disposable and nothing survived.

Forget endless playlists, CD binders were real curation
Link to Forget endless playlists, CD binders were real curation

Forget endless playlists, CD binders were real curation

Hmmm, where to put that Modest Mouse CD?

VARIADAS

Daniel Johnston Dead at 58 | Pitchfork
Link to Daniel Johnston Dead at 58 | Pitchfork

Daniel Johnston Dead at 58 | Pitchfork

The influential cult singer-songwriter and visual artist reportedly died from a heart attack

The 100 best albums of the 21st century
Link to The 100 best albums of the 21st century

The 100 best albums of the 21st century

We polled 45 music writers to rank the definitive LPs of the 21st century so far. Read our countdown of passionate pop, electrifying rock and anthemic rap – and see if you agree

Céu - Coreto (Clipe Oficial)
Link to Céu – Coreto (Clipe Oficial)

Céu – Coreto (Clipe Oficial)

Essa é uma faixa do álbum “APKÁ!”, da Céu. Ouça nos aplicativos de música clicando aqui: https://slap.lnk.to/Apka Veja mais sobre a Céu no site da Som Livre:…

The 1619 Project
Link to The 1619 Project

The 1619 Project

American slavery began 400 years ago this month. This is referred to as the country’s original sin, but it is more than that: It is the country’s true origin.

Why Is Everyone Always Stealing Black Music?
Link to Why Is Everyone Always Stealing Black Music?

Why Is Everyone Always Stealing Black Music?

Because it’s the sound of complete artistic freedom.

RESUMIDO Tracks

Playlist semanal do RESUMIDO, atualizada a cada edição (se gostou muito de alguma música, salva!)

quinta-feira

20

junho 2013

8

COMMENTS

Os protestos no Rio (nessa quinta tem mais e é crucial) #meus20centavos

Written by , Posted in Destaque, Urbanidades


foto: Fabio Motta/Estadão

Caraca, esse texto deu trabalho pra sair. Antes de mais nada, já aviso: não há nenhuma tentativa de explicar nada aqui. É cedo pra entender qualquer coisa com clareza ainda. O que consegui fazer foi reunir pensamentos e questionamentos surgidos nos últimos dias, principalmente durante a passeata no Centro do Rio. E não está finalizado, vou voltar, editar, corrigir, acrescentar.

A cada tentativa de sentar e escrever alguma reviravolta freava tudo. E elas não param de acontecer, a maior delas sendo a revogação do aumento das tarifas de ônibus.

Trata-se de uma bela duma manobra política, visto que o dinheiro continuará saindo do nosso bolso, mais precisamente da área da saúde, não do lucro dos empresários. Continuamos não tendo voz nos caminhos do orçamento da prefeitura. Ainda assim, uma vitória. Nosso políticos foram obrigados a nos ouvir e a agir de alguma forma, ainda que tentem proteger seus interesses. Isso também vai mudar.

Com tanto subsídio e um serviço tão pouco, talvez – prepare-se para a palavra maldita – estatizar o serviço, mesmo que temporariamente, seja uma maneira de desmanchar o cartel das empresas de ônibus. Transporte público não pode ser pautado pelo lucro, não é assim que funciona e para comprovar basta olhar a sua volta e ver o estado do que nos é oferecido. A discussão é muito maior que os R$ 0,20 até mesmo quando se fala especificamente deles.

Nessa quinta tem mais uma manifestação e essa pode ser atee mais importante do que as outras. É um momento muito delicado, de virada. Após a reviravolta no aumento é muito fácil pensar que tivemos uma conclusão, que o mais difícil já passou. Pelo contrário, está apenas começando. Agora que (re)aprendemos que podemos ser ouvidos é que terão início as grandes batalhas. Mesmo que ainda não saibamos exatamente quais são elas.

A ausência de liderança, a falta de uma agenda definida ou interlocutores, que vem sendo criticada por alguns analistas, é a maior força desse movimento, que são vários dentro de um só. Há uma grande dificuldade em compreender essa nova dinâmica, em todo espectro. Estamos aprendendo, todos nós. Não é muito diferente do que acontece na rede, ainda jovem, ainda formando significados, mudando todo dia.

Contrariando meu próprio medo (e o de tantos) de ir a manifestação e me tornar mais uma vítima da violência policial, fui ao Centro do Rio na segunda. Minha preocupação principal é que sou pai, não respondo mais apenas por mim. Mas foi exatamente pelo meu filho que fui.

A saída do metrô na Uruguaina parecia uma cena de “Tempos Modernos”, desembocando imediatamente no meio da passeata. A eletricidade no ar era perceptível, a Presidente Vargas lotada, helicópteros sobrevoando, pessoas e mais pessoas cantando, olhos cheios d’água.

O clima era tranquilo, embora todos estivessem visivelmente sensíveis aos menores movimentos, atentos a qualquer coisa que se assemelha-se a um início de confusão. De alguns prédios chovia papel picado, ligando os que estavam nas janelas com os que estavam na rua, convidando todos para descer.

A PM passou a vergonha de dizer num primeiro momento que a manifestação reunia apenas 10 mil pessoas. Uma recontagem oficial cravou em 100 mil. Devia ter muito mais. As imagens correram o mundo.

Como se sabe, as reinvidicações não eram apenas relacionadas aos R$ 0,20. Cansados de tanta coisa, ouvia-se de tudo nos gritos, cantos, nas converas, lia-se de tudo nos cartazes: de temas inócuos como “abaixo a corrupção” (e alguém é a favor, fora os corruptos?) a pedidos por melhorias na rede de saúde, transparência nos gastos da Copa, o fim da brutalidade policial e da própria PM.

A dificuldade de se definir até mesmo uma hashtag que pudesse amarrar as manifestações acontecendo em tantas cidades já sinalizava essa difusão. Muito provavelmente esses dias serão lembrados no futuro pelos 20 centavos, “os manifestos contra o aumento das passagens”, pois foi o início de tudo.

No trajeto da Presidente Vargas à Cinelândia pela Rio Branco a passeata transcorreu em paz, com os poucos policiais apenas observando a distância, sem serem vaiados e sem tentar impedir o avanço. Cabral era xingado repetidas vezes, Paes não foi (ou foi muito pouco) citado. Os gritos se alternavam basicamente entre “Vem pra rua vem”, “Se a passagem não abaixar o Rio vai parar”, “Quem não pula quer aumento”, “Sem violência”, o terror dos estádios “Sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor” e “Não tenho partido”.

A massa de pessoas era tão heterogênea quanto o próprio mural do Facebook onde os detalhes do protesto foram combinados, com todas suas certezas, diferenças, incertezas e equívocos. E entre eles estavam os que promoveram o quebra quebra na Alerj e confrontos com a polícia, respondidos com tiros de fuzil. Enfim, uma cagada fenomenal. Estavam também os que tentavam conter os ânimos e proteger os policiais.

Entre as muitas desconfianças sobre os responsáveis pelos atos de vandalismo estava a de ser obra de pessoas infiltradas na manifestação com o intuito de causar tumultos para atender a outros interesses. Se no dia anterior no entorno do Maracanã a PM desceu a borracha nos manifestantes, na segunda os poucos policiais pouco fizeram para impedir a confusão – propositalmente, segundo alguns, para gerar o pedido e a necessidade de uma intervenção mais forte numa próxima vez.

A maior parte condenou os atos de uma minoria. Ainda assim, para alguns a violência é um preço a se pagar para conseguir atenção. Outros defendem o simbolismo dessas ações. Entretanto, se é fácil entender a relação entre revolta e bancos, é mais difícil compreender a Alerj como alvo. E tem também os que veem a violência como caminho e se referem ao ludismo.

Há uma semana o Facebook tornou-se monotemático e, ao contrário do que acontece quando assuntos como futebol, novela ou BBB dominam o timeline, dessa vez pouquíssima gente reclamou. Porém, se no início havia uma ilusória unidade, bastou alguns dias para que surgissem as dissidências. Pessoas criticando a maneira dos outros se manifestarem, disputas ideológica e até mesmo de que foco isso tudo deveria ser. O debate é saudável, desde que se lembre que a distância para censura de outras idéias é um pulo. Diversidade de pensamento é o fardo e alívio do que estamos assistindo.

A ficha tá caindo, há de se ter paciência. Para o bem e para o mal, a vida longe do teclado não se move na mesma velocidade que as redes digitais. É importante encontrar os próximos passos e para isso é fundamental que não nos percamos em nós mesmos e saibamos respeitar as diferenças. Não podemos ficar olhando manifestantes expulsando repórter de uma passeata (e isso porque era o Caco Barcellos) nem a polícia atirando na imprensa..

Nessa batalha de significados, o que não vai faltar é grupos e pessoas tentando se apropriar de discursos ou criar seus próprios para atender sabe-se lá quais interesses. Nessa, mensagens rasas disfarçadas de profundas (ontem caí nessa e voltei atrás) e muitas certezas virão em nossa direção. Não caia nessa. Estamos apenas começando, não esqueça.

O caminho é longo e o processo é lento. Não pense você que o jogo está ganho ou que sua participação não será mais necessária. Haverá ainda muitas passeatas e manifestações. Nessa quinta tem mais uma e, como foi dito, o momento é crítico. Precisamos mostrar que não nos contentamos com migalhas. O recuo do aumento das passagens não pode ser um cala a boca.

Ainda tem muito, muito o que se falar. Não é?

domingo

16

junho 2013

6

COMMENTS

#meus20centavos: "O que eu sei e o que não sei sobre as manifestações pelo passe livre" (por Luiz Eduardo Soares)

Written by , Posted in Destaque, Digital, Urbanidades

Não tá fácil.

Hoje os protestos nos arredores do Maracanã, antes do jogo entre Itália x México, foram brutalmente combatidos pela PM.

Sitiaram manifestantes na Quinta da Boa Vista (com direito a negociação coma polícia a saída do parque), a imprensa foi mais uma vez atacada frontalmente pela polícia, a rádio Band foi tirada do ar e jornalistas se auto censurando. Segundo relatos, hoje policiais confiscavam celulares e até as câmeras da CET Rio foram DESLIGADAS para não haver registros da violência.

Enquanto isso, do outro lado da poça, Niterói ferve. Reflexo da saturação do povo com tanta balela, o infeliz comentário do Jabor foi cornetado “por Caetano”, reeditado e corrigido e respondido pelo Anonymous.

Por essas e por outras, nessa segunda-feira seu lugar é na rua, engrossando a manifestação. Antes disso, é indispensável a leitura do texto que Luiz Eduardo Soares publicou em sua página, reproduzido abaixo:

O que eu sei e o que não sei sobre as manifestações pelo passe livre, por Luiz Eduardo Soares

Diante de um fenômeno que rompe a rotina e surpreende a expectativa de estabilidade, as reações individuais são as mais variadas. Entretanto, de um modo geral, o primeiro impulso é defensivo e visa a auto-conservação. Qualquer mudança nos ameaça porque traz consigo a fantasia de que nosso mundo pessoal tão precário e incerto está em risco e pode ruir a qualquer momento. Essa fantasia provém da radical insegurança que nos é constitutiva, seres mortais que somos. Não apenas a vida humana é frágil como aquilo que chamamos “realidade” é débil e movediço. Para sustentar-se, nossa “realidade” precisa dos outros, do olhar alheio, de seu reconhecimento, de sua confiança, da reiteração de manifestações de amor, amizade e respeito. A “realidade” depende das redes sociais que tecem afetos, valores, símbolos e ideias, tudo isso embrulhado em narrativas cotidianas verossímeis para o conjunto dos interlocutores.

Por isso, a ruptura do movimento contínuo e previsível da vida –que só é contínuo e previsível em nossa fabulação amedrontada, insegura e defensiva—suscita em nós respostas que negam ou exorcizam a mudança. Nesse sentido, há um complô conservador em cada um de nós –e entre nós– contra a mudança, ocorra ela em nós, nos outros ou na sociedade –como escrevi em um capítulo conhecido do Cabeça de Porco.

O que significam, nesse contexto, negar e exorcizar? Negar não significa recusar-se a admitir a existência de fatos, mas sua novidade, sua diferença. Exorcizar quer dizer livrar-se do embaraço que assusta e ameaça nossas crenças, nossa estabilidade, interior e exterior. Qual a melhor maneira de fazer ao mesmo tempo as duas coisas, negar e exorcizar? Explicando. Sobretudo, explicando com as categorias já conhecidas, disponíveis em nosso repertório de crenças e teorias. Quando eu explico um fenômeno novo, o teor de novidade deixa de perturbar meus esquemas cognitivos e valorativos, e as ideias que me ligam aos outros e àquilo que considero a realidade. Minha sanidade, a solidez de minhas verdades, principalmente a solidez de mim mesmo como sujeito, tudo isso salva-se com a explicação, quando, insisto, e apenas quando ela não coloca em dúvida seus próprios pressupostos ou métodos, seu próprio estoque de ideias prontas. O evento, em sua novidade, infiltra um excedente em nossa sensibilidade, em nossas ideias, em nossas emoções e percepções. Por outro lado, prestando um serviço a nosso aparato de autodefesa, a explicação domestica a diferença, circunscreve seu potencial subversivo e sua força quationadora. Meu argumento é simples: se um evento coloca um problema para meus esquemas mentais e práticos, deixa de fazê-lo quando estes últimos demonstram a capacidade de descrevê-lo (e integrá-lo) sem que haja resíduos, sem que seja necessária a invenção de novas estratégias descritivas e práticas, novas categorias e procedimentos. Na verdade, em vez de conhecimento, estaria em jogo apenas a confirmação de meu repertório prático, moral, ideológico e cognitivo.

Estas reflexões não pretendem ser o elogio à ignorância ou a crítica obscurantista ao conhecimento. Pelo contrário, visam distinguir a tarefa do conhecimento do comodismo classificatório reassegurador, que nos impedem de olhar com os olhos de ver, de escutar para ouvir, projetando menos o que já sabemos ou supomos fazer, e nos abrindo à positividade desafiadora do evento em sua contingência: ação, protagonismos reconfigurando arenas e relações. O ponto a destacar é o seguinte: explicações que funcionam como meras consagrações do que já se sabe –ou se supõe saber—não produzem conhecimento. Se o propósito é conhecer, devemos buscar a compreensão autorreflexiva, a desnaturalização das imagens já constituídas e das descrições correntes. Até porque, nesse campo, todo esforço de entendimento, toda interpretação é também intervenção, é também ação social, uma vez que os intérpretes participamos da atribuição de significado aos fatos. Portanto, a atitude amiga do conhecimento deve exercitar os limites do saber e onde há limites, há pelo menos dois espaços, ou seja, para abordar o que ignoro, devo afirmar o que sei, ou julgo saber.

Contemplemos o objeto que nos interroga, tanto quanto o interrogamos: os eventos em que milhares ocupam as ruas de várias cidades brasileiras, protestando contra o aumento de tarifa do transporte coletivo. O que ousaria dizer que sei a seu respeito? O que não sei?, ou melhor, que boas perguntas posso formular para as quais não disponho de respostas?

I. Sobre o universo temático das manifestações:

Sei que o aumento de tarifas afeta a maioria e que atinge o bolso dos trabalhadores em um momento marcado pelo aumento da inflação. Sei que o poder executivo, nas três esferas (municipal, estadual e federal), adotou mecanismos de proteção aos interesses populares, postergando uma medida que dificilmente seria evitável. Esse fato tornou a elevação dessas tarifas um fato raro, especial, destacado, descolando-o da expectativa internalizada relativa à dinâmica geral dos preços de alimentos e serviços. Sei que o valor do transporte é apenas a cabeça de um imenso iceberg, formado por sua qualidade e pelo verdadeiro drama em que se converteu a mobilidade urbana –e não só em São Paulo e no Rio de Janeiro. Sei, portanto, que a cadeia metonímica no imaginário individual e coletivo transporta os significados do preço da tarifa às jornadas desumanas a que os trabalhadores têm sido submetidos, estendendo-se daí a outros aspectos negativos da experiência popular nas cidades: a precariedade do emprego ou do trabalho, as condições desiguais de moradia, saúde, educação, segurança e acesso à Justiça.

Os elos de contiguidade simbólica e política conectam problemas entre si, acentuando sua marca permanente: a desigualdade. E o fazem em um contexto normativo e institucional, o Estado democrático de direito, no qual o princípio cantado em prosa e verso é a equidade. Por isso, os significados negativos se agravam, acentuando a intensidade emocional em que são apreendidos e comunicados: eles se destacam porque remetem à desigualdade, a qual contrasta fortemento com as expectativas geradas pelo pacto constitucional. Afinal, a conversa sobre cidadania é ou não para valer?

Há ainda cinco tópicos conectados na teia metonímica: (a) os chamados grandes eventos esportivos, e um religioso, que dominam o calendário oficial e governam as agendas dos governos, sinalizando prosperidade e abundância, uma vez que bilhões são investidos, em descompasso com demandas por equidade e qualidade de vida. (b) O modelo econômico parece ter feito o desenvolvimento refém da indústria automobilística, na contramão do que seria racional para reduzir o caos urbano, que obstrui a mobilidade, afetando os interesses de todos, em especial os que dispõem de menos recursos e alternativas. (c) A reputação dos políticos permanece negativa e o ceticismo popular esvazia a legitimidade do instituto da representação, sem que as lideranças dêem mostras de compreender a magnitude do abismo que se abriu –e aprofunda-se, celeremente– entre a institucionalidade política e a opinião da maioria. As denúncias de corrupção se sucedem, endossando a visão negativa que, injustamente, mas compreensivelmente, generaliza-se. (d) O executivo prestigiado, em contexto de dinamismo econômico, pleno emprego e redução de desigualdades, sob a aura carismática de Lula, freiou o desgaste do Estado, já avançado em sua face parlamentar. Quando o modelo começa a dar sinais de que está claudicando, a corrosão contamina a legitimidade (a credibilidade) de todas as áreas do Estado. (e) Tocqueville nos ensinou que os grupos sociais mais dispostos a agir e reagir não são os mais pobres e impotentes, mas aqueles que têm o que perder. Isso significa que os avanços sociais das últimas duas décadas ampliaram a faixa da população potencialmente disposta a resistir ante o risco de perda. Aqueles que ascenderam não entregarão sem luta suas conquistas.

Outro aspecto que me parece decisivo é o acesso à internet, a participação em redes e a fixação de um modelo globalizado de tomada dos espaços públicos como método de democracia direta ou de ação política não mediada por instituições, partidos e representantes. Evidentemente, o modelo remete à ideia clássica da democracia direta como tipo ideal, sem cumpri-lo inteiramente, uma vez que as mediações nunca deixam de atuar, conectando diferentes procedimentos à energia da massa nas praças. O que conta, neste cenário dramatúrgico, são a memória idealizada e a linguagem comum, como se os eventos se citassem mutuamente, construindo uma constelação virtual de hiperlinks. Nesse contexto, tornam-se possíveis o orgulho, a vaidade, a máscara do heroi cívico, a política vivida em grupo como entretenimento cult antipolítico (mas também risco iminente de morte), a experiência gregária fraterna (ante um inimigo tão abstrato e fantasmático quanto óbvio e imediato, com o rosto policial e o sentido da tragédia), experiência que enche o coração de júbilo, exaltando os sentimentos e os elevando a uma escala quase espiritual, a convicção de que se pode prescindir de propostas e metas, ou da negociação de métodos para inscrever o curso da prática na vida da cidade, não só no chão das ruas.

II. Sobre os manifestantes:

São muitos e diversos, e seus propósitos são múltiplos. São grupos semi-organizados que debatem as opções nas redes sociais, são aqueles atraídos para a praça por solidariedade, a qual se fortalece não porque o tema principal, o preço da tarifa, mobilize intensamente, mas porque a brutalidade policial, isto é, a violência do Estado suscita a coesão dos que a repudiam –e, de novo, nesse repúdio estende-se toda a cadeia metonímica referida. Há, é claro, como é natural e inevitável, militantes políticos que percebem a oportunidade de enfraquecer os adversários que estão no poder, considerando-se a visibilidade do país e dos governos estaduais e municipais, na conjuntura em que transcorrem os grandes eventos esportivos e religioso. Há o cidadão comum, revoltado com a tarifa, a (i)mobilidade urbana, a qualidade dos serviços públicos e o rosários de problemas já elencados. Haverá sempre alguns provocadores, animados pelas mais variadas motivações, em um ambiente caracterizado pela falta de lideranças claramente reconhecidas ou consensuais e pela falta de experiência ou de expertise nessa modalidade de ação coletiva, o que favorece a ação de provocadores ou daqueles dispostos a ações violentas, obviamente minoritários e deslocados. Neste ponto, sublinhe-se a falta que faz o PT na oposição, ou a falta que faz qualquer partido popular não cooptado. Por mais que sejamos críticos da forma partido, é indiscutível sua importância na transmissão de experiências acumuladas e na formação da militância. Até a linguagem das massas nas ruas tem sua gramática. A espontaneidade é a energia, mas a organização a potencializa e canaliza.

III. Sobre o Estado, em suas diversas instâncias, em especial, as polícias:

Sei que as polícias militares agiram, sobretudo em São Paulo, com brutalidade criminosa e, desafortunadamente, como é de praxe, seu comportamento foi defendido pelo governador, reproduzindo a postura que tem promovido a impunidade dos policiais que cometem execuções extra-judiciais. Sei também que a polícia militar organizada como exército está condenada a inviabilizar-se como instrumento a serviço da cidadania e da garantia de direitos. Sei que é injusto acusar os policiais, individualmente, ainda que cada indivíduo deva ser responsabilizado por seus atos. Seus atos exprimem a orientação que recebem e a educação corporativa, o que amplia o espectro da responsabilidade por ações criminosas, incluindo as instituições policiais e os governos.

IV. O que não sei:

Este é o tópico decisivo. Não sei o que há a mais nas manifestações (mas sei que há), além do que pude ver, apoiado no que o meu esquema cognitivo me permite ver. Ou seja, não sei o que esse movimento, em sua heterogeneidade, está inventando e nos está dizendo, e está dizendo a si mesmo, ao constituir-se. Não sei que narrativa nova produzirá, ou melhor, já produziu. E aqui estão as perguntas que me parecem chave: por que, no marasmo gerado pelo ceticismo político, tantos vão às ruas, apaixonando-se pela ação coletiva, correndo risco de ferir-se, ou mesmo morrer, ou de ser preso? Qual o novo sentido de um grupo que se forja nas redes e nas ruas, tecendo sua unidade na diferença, caminhando lado a lado, experimentando uma solidariedade de outro tipo, uma fraternidade sem bandeiras, a despeito da (e por causa da) multiplicidade de desejos provavelmente muito diferentes e objetivos difusos?

A força da multidão foi reencontrada pelos jovens e pelos cidadãos que passam perto e se deixam atrair pelo magnetismo de um pertencimento precário, provisório, sem rosto, mas com alma. Que alma tem o movimento? Sim, intuo, suponho, sinto que ele tem alma, isto é, uma unidade toda sua –não verbalizada– e uma personalidade. Intuo que esta alma não seja aquela que se derivaria – como o negativo ou o avesso – de uma comparação com o que sabemos: não sendo, o movimento, organizado ao modo antigo, deduzir-se-ia que seria inorgânico; não tendo uma plataforma clara e uma visão compartilhada que incorporasse as mediações, deduzir-se-ia que seria irracional, despolitizado, quando não selvagem. As visões negativas correspondem ao preenchimento das lacunas de nossa ignorância com as figuras do que já sabemos. Creio que nos conviria optar pela humildade, em vez de precipitarmo-nos em julgamentos e análises

Não me parece razoável dizer o que o movimento não é tomando as gerações passadas por molde e vendo como irrealização e incompletude aquilo que é simplesmente diferente e ainda não conseguimos compreender. Há no movimento magnetismo, há conexão metonímica com questões centrais para o Brasil e o mundo, há um diálogo tácito, consciente e inconsciente, com a humanidade em escala planetária, com nossa memória social e com a tradição de nossa cultura política. Há coragem de perder o medo e de renunciar à apatia. Há, nesses eventos, no movimento pelo passe livre, ou dê-se a ele o nome que se queira, a disposição de aprender, fazendo. Há coragem para criar e, portanto, para errar.

De nossa parte, os anciãos e os governantes, autorreferidos e inseguros, ameaçados em nossos esquemas cognitivos e práticos, caberia escutar, acompanhar, respeitar, repelir a violência policial (e qualquer outra), admitir nossa ignorância, e considerar a hipótese de que algo novo esteja surgindo e essa novidade talvez seja virtuosa e republicana, quem sabe a reivenção da política democrática. Talvez a melhor forma de escutar seja tentar unir-se ao coro, na rua. Para (re)aprender a falar.

Amanhã tem mais uma manifestação. É uma boa chance para botar isso em prática.

%d blogueiros gostam disto: