oscar Archive

quinta-feira

28

fevereiro 2019

0

COMMENTS

Resumido: Boas Notícias

Written by , Posted in Digital, Urbanidades

No segundo episódio do RESUMIDO (versão em áudio do URBe), falei sobre Google good news, a gula do Facebook, a polêmica do hino, bruxa, menstruação, jeans, China, Nike e Spike Jonze. Só adicionar sal e servir.

O podcast está disponível em todas as plataformas, incluindo Spotify e Apple Podcasts.

Google good news

Em parceria com a Solutions Journalism Network, organização independente que busca melhorar a qualidade do jornalismo (principalmente nas questões de transparência e independência editorial), o Google inaugurou um serviço nos EUA focado em notícias positivas.

Facebook guloso

O gigante das redes sociais adentrou o espaço do financiamento coletivo, invadindo o espaço do Patreon e seguindo a mesma lógica de sempre: oferecer um serviço para depois sequestrar os dados e cobrar pelo acesso.

Hino

O controverso comunicado do MEC orientando a rede pública de escolas a obrigar os alunos a cantar o hino, recitar o slogan do governo e, pra completar, que tudo isso fosse filmado acabou tendo efeito contrário: serviu para mobilizar os estudantes em busca de melhorias e também rendeu memes.

Bruxa

A congressista Dianne Feinstein conseguiu redefinir o conceito de bruxa ao bater boca com crianças sobre a questão do aquecimento global.

Menstruação

“Period. End of sentence” ganhou o Oscar de melhor curta-documentário ao revelar os malefícios do patriarcado através da mobilização de mulheres indianas em cooperativas para conseguir acesso a absorventes. A história de Arunachalam Muruganantham, criador da máquina que possibilitou isso tudo (e que também já foi personagem de um doc), é igualmente impressionante.

Confira onde assistir todos os indicados ao Oscar 2019 nas categorias de documentário e curta documentário.

Jeans

O documentário brasileiro “Estou me guardando para quando o carnaval chegar” entrou na programação oficial do Festival de Berlim e recebeu elogios do New York Times.

China

Os desdobramentos do experimento chinês que editou o material genético de bebês para deixá-los mais resistentes ao HIV e em paralelo alterou a capacidade de aprendizado e memória.

Nike

Semana complicada para Nike por conta da lesão do candidato a astro Zion Williamson, suavizada pelo lançamento de elogiada campanha feminista.

Jonze

Maconha e Apple.

Anúncios

sexta-feira

22

fevereiro 2019

0

COMMENTS

Resumido: Deep fake AI

Written by , Posted in Digital, Urbanidades

Estreei meu próprio podcast, uma versão em áudio do URBe, disponível em todas as plataformas, incluindo Spotify e Apple Podcasts.

O RESUMIDO é um resumo das notícias e artigos mais interessantes da semana no universo da cultura digital, música, entretenimento, jornalismo, com dicas de som e agenda. Tudo RESUMIDO em menos de 20 minutos para escutar escovando os dentes de manhã.

E sim, trará convidados 🙂

Toda edição gerará um post como esse, com todos os links comentados no programa para quem quiser se aprofundar nos assuntos.

Abaixo, os assuntos do primeiro episódio:

Oscar

Após protestos, Academia recua e reinsere as categorias de fotografia e edição no programa principal da transmissão.

Black sheep

Confira a página especial do doc-curta no Guardian.

Deep fake
Nova ferramenta promete proteger vídeos de deep fakes

Amazon bots

Quem são as pessoas que compram artigos em promoção para revender a preço cheio na Amazon, disputando espaço com robôs.

Finlândia

Porquê bebês finlandeses dormem em caixas de papelão e o teste com a renda básica universal.

Boechat

Cultura

Afro, o hub de música africana do Spotify
A polêmica dos documentários sobre o… polêmico Fyre Festival
Como nasce um hit

Queremos! Festival

 


quinta-feira

14

fevereiro 2013

3

COMMENTS

O poster do Oscar 85, por Olly Moss

Written by , Posted in Imagem


clique na imagem para ampliar

A Academia convidou o artista Olly Moss (Matias publica um monte de coisas dele no Sujo), conhecido por suas re-interpretações de posters do cinema, para fazer o cartaz da edição 85 do Oscar. Grande acerto.

Olly optou por um tributo, dando a cara de cada um dos premiados como melhor filme para estatueta. Você pode ver as homenagens individualmente na página do evento. Se quiser brincar de adivinhação, clique na imagem para vê-la maior e, se estiver na dúvida, a Wikipedia te ajuda.

segunda-feira

9

maio 2011

0

COMMENTS

Transcultura #045 (O Globo): Kids & Explosions, Combo Percussivo

Written by , Posted in Imprensa, Música

Texto da semana passada da coluna “Transcultura”, que publico todas as sextas no jornal O Globo:

Mashup Psicodélico
Cineasta indicado ao Oscar troca os filmes por projeto musical

por Bruno Natal

Na página do Kids & Explosions, o artista descreve a si próprio como “um garoto que faz música roubando música dos outros e tornando-as piores”. Sobre a parte visual do projeto, feita pelo colega de apartamento Justin Broadbent, diz que é formada “basicamente por gatos e pornografias, assim como o disco”, estimulando a audição das faixas “enquanto se navega por uma grande variedade de imagens ofensivas”.

A auto-ironia encaixa bem no projeto de mashups com pegada glitch e seus ruídos digitais. O disco de estreia, “Shit Computer”, lançado em novembro passado e baixado no esquema “pague quanto quiser”, popularizado pelo Radiohead em “In Rainbows”.

– O disco foi baixado mais de 10 mil vezes diretamente da minha página. Um terço das pessoas pagou, uma média de 3 dólares. A variação foi muito grande, alguns pagaram 20 dólares, outros um centavo. Fico lisonjeado e encantado quando alguém pagar a quantia que seja – explica o canadense Josh Raskin, canadense, indicado ao oscar pelo curta de animação “I Met The Walrus”, feita em cima do áudio de uma entrevista de John Lennon.

Se num mashup usual identificar as músicas sampleadas por vezes é complicado, nas composições do Kids & Explosions a tarefa é dificultada pelo método de desconstrução e reconstrução dos trechos, criando uma charada dentro da charada. Em vez de “simplesmente” contrapor dois ou mais hits, Josh picota as músicas, em muitos casos rearranjando as notas, evitando modificar o andamento ou o ritmo para facilitar os encaixes.

A primeira audição não é macia, o cérebro frita com a quantidade de referências embaralhadas. Em “Everything”, as letras de “Lose Yourself” (Eminem) encontram as de Biggie, ambas totalmente alteradas, com palavras fora de lugar, a base montada com trechos da introdução de “Sweet Child O’Mine” (Guns N Roses) com as notas da guitarra em outra ordem, mas ainda assim facilmente reconhecíveis. “Swear Words” é construída utilizando apenas palavrões ditos em diversas músicas, numa base feita em cima de samples de “Such Great Heights” do Iron & Wine. Como o nome do projeto sugere, a abordagem lembra uma criança brincando de explodir coisas: mais preocupada com o resultado plástico do que com as consequências.

– Começo cortando as melhores partes de músicas que amo. Depois ataco esses pedaços num teclado MIDI até encontrar algo que funcione. Você sabe que está funcionando quando sente vontade de chorar ao mesmo tempo que quer engravar as coisas – explica Josh.

Os sons que fazem Josh querer “engravidar coisas”, o que quer que isso signifique, são encontrados nos pianos do Radiohead, riffs The Strokes, Cindy Lauper, Feist, 2Pac, Iron & Wine, M.I.A., Sigur Rós, Destiny’s Child, MGMT, Massive Attack, entre outros. Com tanta coisa junta, dançar fica meio difícil.

– As pessoas dão um jeito de dançar qualquer coisa. Dependendo da música, as vezes parece mais que estão se segurando para não mijar do que dançando mas quando as pessoas gostam de uma música, elas tendem a se mover pelo espaço. Ainda não toquei essas músicas ao vivo, então vou saber em algumas semanas.

A sonoridade do Kids & Explosions está mais para Kid Koala do que Girl Talk, comparação insistente e da qual Josh não foge, embora não veja o que faz exatamente como mashups:

– Penso em mashups como juntar duas músicas sem afetar muito nenhuma das duas. Não é exatamente o que eu faço. Acho que meu som está mais próxmo de gente como DJ Shadow e Prefuse 73 do que do 2ManyDJs ou Girl Talk. O Girl Talk é demais, é como um DJ de festa com mil braços. Perfeito para levar uma pista de dança ao orgasmo. Mas o que fazemos é bem diferente. Ele sampleia músicsa para fazer as pessoas se acabarem nas festa. Eu sampleio porque não sei cantar.

Já prometendo um novo disco, Josh não abandonou os filmes. As necessidades de cada ideia determinam o caminho a seguir.

– Ainda quero fazer filmes, mas não animações especificamente. Gosto de usar o formato que melhor servir a ideia. Por agora tem sido roubar música dos outros e fazer algo novo a partir delas. A indicação ao Oscar provavelmente vai ajudar muito algum projeto de filme quando a hora certa chegar. Não quero me apressar a fazer algo até encontrar algo que realmente me excite. Só sou bom em alguma coisa quando fico obcecado por elas. Senão, só faço besteira.

O fato de vender o disco, transformando a atividade artística em atividade comercial com ganho financeiro, pode complicar o cenário numa eventual ação de um dos detentores dos direitos autorias. Josh não se preocupa.

– As pessoas sempre criaram roubando coisas dos outros e as combinando para criar algo novo. Eventualmente as leis de direito autoral vão aceitar esse fato como parte essencial da criação de qualquer coisa. Não acho que ninguém se importe de ter suas coisas roubadas, a não ser que você esteja faturando milhões de dólares com isso. E se isso um dia acontecer, estarei ocupado demais substituindo partes do meu corpo por diamantes para me preocupar com processos.

Enquanto os mashups evoluem no universo musical, no áudio-visual o formato ainda engatinha, tendo ido muito pouco além das colagens rítmicas vistas no trabalho de VJs como o AddictiveTV ou as apresentações áudio visuais do Coldcut, DJ Yoda ou Mike Relm, em que o som é mais importante do que as imagens. A tarefa não é fácil. Um dos expoentes da não-linearidade, o beatnik William S. Burroughs tentou aplicar a técnica dadaísta de cut-ups utilizada em seus textos (literalmente cortando e colando trechos aleatórios) ao vídeo, sem o mesmo sucesso. Vindo do cinema, Josh enxerga alguns diretores buscando novos caminhos.

– Filmes são feito de coisas que as pessoas conseguem se relacionar: lugares, relações, histórias… No momento que você retira essas coisas, as pessoas perdem o interesse. Música, pra começar, é algo totalmente abstrato, é mais fácil forçar os limites sem assustar as pessoas. Não importa o quanto você bagunçar, ainda vai ser apenas ar se movendo. Nomes como Charlie Kaufmann e Paul Thomas Anderson estão empurrando o cinema numa direção boa. Eles estão fazendo coisas que nunca haviam sido feitas, mas dentro do contexto narrativo, então as pessoas não querem esfaquear os próprios olhos quando assistem seus filmes. Essa é a direção que gostaria de seguir.

Tchequirau

Acostumado a fazer intervenções vocais no show das sua Nação Zumbi, o percussionista Gilmar Bola 8 assume o microfone de vez no seu novo projeto, Combo Percussivo.

quinta-feira

11

março 2010

1

COMMENTS

Logos, mashup, Oscar e exposição

Written by , Posted in Urbanidades


“Capitalimos Selvagem”


“Claude Monet De Chapéu Vermelho”

Desde que apareceu na rede, sabia que “Logorama”, melhor curta de animação do Oscar 2010, parecia familiar. Não tinha o frescor de uma novidade.


“Logorama”

Com uma execução trabalhosa de doer, o conceito é muito próximo daquelas batidas camisetas das barraquinhas de Camden Town com logos famosos transformados em mensagens subversivas (McDonalds x Marijuana, Puma x Pimp, etc), campeãs de vendas desde mil novecentos e minha vó de saia.

Em termos de inovação, o vencedor da mesma categoria em 2009 , “I Met The Walrus”, esbarrou na mesma questão. A animação feita em cima de uma entrevista inédita em áudio John Lennon utiliza uma linguagem tipográfica pra lá de batida — embora tenha sido muito bem aplicada no filme, o que faz relevar o “problema”.


“Free Gells”

Voltando ao “Logorama”, além das camisetas de Camden, sabia que já tinha visto um trabalho muito parecido em algum lugar. E não foi muito longe. Em 2008, o brasileiro Fernando Levi havia deixado nos comentários um link para seus trabalhos e as colagens com logos foram publicadas aqui no URBe. Hoje ele mandou mais uma leva, que são essas imagens que ilustram esse texto.

Muito próximo tanto conceitualmente quando visualmente, o trabalho do cineasta argentino Nicolas Schmerkin e do Fernando tem relação. Ambos emprestam novos significados a marcas conhecidas, combinando uma ou várias delas de maneira criativa.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: