ny Archive

sexta-feira

1

abril 2016

0

COMMENTS

Tributo a David Bowie será realizado hoje em NY

Written by , Posted in Música

themusicofdavidbowie

Um grande tributo a David Bowie será realizado hoje na 12° edição do show “The Music of David Bowie”, no Radio Cty Music Hall, em Nova York. Atrações como Patti Smith, Cat Power, Michael Stipe, Perry Farrell, Blondie, Pixies, Flaming Lips e J Mascis são esperadas no evento, que teve todos os seus 2.800 ingressos esgotados em apenas duas horas.

O show poderá ser asssitido online, ao vivo, com a condição de uma doação mínima de R$12 para as entidades beneficentes envolvidas no projeto, dentre elas The GRAMMY Foundation, Sonic Arts for All! e The Melodic Caring Project.

Sabe quem também homenageou Bowie este ano? A Lorde. Esperemos que hoje a noite seja melhor.

Via Noize.

Anúncios

segunda-feira

21

outubro 2013

1

COMMENTS

quarta-feira

16

outubro 2013

0

COMMENTS

Transcultura #124: Mahmundi & Castello Branco // Banksy

Written by , Posted in Imprensa, Música

castellobranco_mahmundi_oglobo

Texto na da semana passada da “Transcultura”, coluna que publico todas as sextas no jornal O Globo:

Um bate papo entre Mahmundi e Castello Branco
Com discos recém-lançados, os dois jovens artistas conversam sobre motivações, processos de gravação e até religião
por Bruno Natal

Parte da mesma geração de músicos no Rio, Marcela Vale e Lucas Castello Branco tomaram caminhos diferentes. Ex-técnica de palco do Circo Voador, Marcela rebatizou-se de Mahmundi e fez sucesso com sua “Calor de amor”, synthpop oitentista inspirado tanto em Marina quanto em Toro Y Moi, que lhe rendeu o status de “hit do ano” no último prêmio Multishow. Lucas deixou os tempos de rock à frente do R.Sigma pra trás, enveredou pelo violão da MPB e tornou-se apenas Castello Branco. Mahmundi acabou de lançar seu segundo EP, “Setembro”, enquanto Castello Branco botou pra jogo sua estreia solo, “Serviço”. Convidei os dois para trocarem ideias sobre seus discos, motivações, religião.

Castello Branco: O que este EP significa pra você?

Mahmundi: É mais um passo do trabalho que ainda venho tentando estabelecer. Estou procurando filtrar os lados artista, musicista e cantora. São muitas coisas pra fazer, muito trabalho, estudos. Caminhar e aguardar é o melhor a se fazer.

Mahmundi: E como é expor coisas tão íntimas no disco, como essa questão de ter crescido num monastério?

Castello Branco: Quando você esconde o seu íntimo, esconde o que tem de mais precioso. Por muito tempo achei que o melhor seria não me expor, mas com isso fui tendo cada vez mais medo. Hoje sei que o medo não existe no amor.

Castello Branco: Como foi o processo para você neste EP, na composição e gravação?

Mahmundi: Este disco foi mais solto, o primeiro EP foi feito na correria e produzido na velocidade da luz. Este foi mais relaxado. Fui fazendo músicas e juntando boas composições para colocar nelas de maneira mais lenta. No fim, tinha muitas opções, com novas ideias de guitarras e tudo mais.

Mahmundi: Você, assim como eu, é um artista que existe com a força da internet. Como tem sido essa tarefa de gerenciar este momento pós-disco e o trabalho na rede?

Castello Branco: Tenho reservado um tempo só para receber das pessoas o que este disco trouxe a elas. Entender esse “pós-disco” é saber a necessidade do próximo passo.

Castello Branco: Qual é a sua relação com a linguagem eletrônica e a sua companheira de seis cordas, que sei que você ama?

Mahmundi: Quis botar a guitarra na jogada. Gosto muito de synths, aprendi a domá-los e fazer canções com eles, mas gosto de guitarra, fico entusiasmada de tocá-la. É meu segundo instrumento, depois da bateria. Tenho comprado pedais, lido muito mais e testado.

Mahmundi: Você já teve uma banda aclamada pelos indies. Como é recomeçar o processo?

Castello Branco: Não é uma continuação. Diferentemente do que muitos esperavam, não dei um passo à frente no processo. Dei um pra trás, em direção a mim, à minha casa. O “Serviço” é o que se vive lá de onde vim, “Serviço” é o que procuro fazer aqui. Nem sempre consigo, mas é o que procuro.

Castello Branco: Pelo que percebo das suas letras, e até mesmo do clipe “Calor do amor”, rola uma relação profunda com o Rio. É a sua maior influência?

Mahmundi: Amo o Rio. Morei por sete anos no Nordeste e senti muita falta daqui. Os meus EPs circulam dentro deste Rio que visualizo todos os dias e de que gosto de falar. “Setembro” trata deste meu último ano convivendo com pessoas novas, conhecendo gente. Fala do que vi nas pessoas e do que isso gerou em mim. Funciona como inspiração. No seu disco você diz “viver gera necessidade”, e, pra mim, este é um dos versos mais impactantes.

Mahmundi: Somos artistas novos, em movimento, temos muitas coisas pra fazer e perceber. Está preparado para suas necessidades?

Castello Branco: Estamos aqui pra aprender a lidar com nossas necessidades. Temos uns 70, 90 anos pra isso.

Tchequirau

banksy_day-15-detail-sized-private

O artista inglês Banksy, famoso pelos polêmicos grafites de crítica política e social, está realizando uma exposição em NY durante todo mês de outubro em lugares surpresa. Confira as fotos e próximos passos de “Better Out Than In” na página do artista.

quarta-feira

9

outubro 2013

0

COMMENTS

Banksy em NY

Written by , Posted in Destaque, Imagem

Banksy_NY_2013_occupy-day4 Banksy_NY_2103

Chamada de uma “residência a céu aberto em Nova York”, a exposição “Better Out Than In” do artista de rua inglês Banksy está atraindo multidões para ver as instalações anunciadas em sua página e, ao mesmo tempo, sendo analisada em profundidade e tomando cacetadas da crítica especializada.

Do que dá pra ver na página do Banksy, tem boas sacações e muita besteira no estilo piada “Clarice Lispector” de Facebook.

O Colbert também analisou:

quinta-feira

22

agosto 2013

2

COMMENTS

Um rolé de bike por NY

Written by , Posted in Destaque, Urbanidades

Bike_NY

Que o Rio, com todos seus quilômetros de ciclovia (para lazer), ainda engatinha no quesito bicicleta como meio de transporte em relação a outras grandes cidades do mundo não é novidade. Experimentar de perto essa diferença é desalentador.

Enquanto bicicleta ainda é um assunto tratado como menor por aqui. Segundo o prefeito, primeiro tem que haver demanda para aí sim se providenciar os aparelhos corretos, uma lógica totalmente errada, visto que sem segurança e praticidade, poucos vão se arriscar a encarar as ruas pedalando.

CitiBike_NY

Prova disso é o projeto de Nova York. Em cinco anos foram implementados de 450km de ciclovias, incluindo a tranformação de faixas de carros em ciclofaixas em avenidas importantes coma a Broadway. Ainda que o Código Brasileiro de Trânsito estebeleça que toda faixa seja uma ciclofaixa, sem mudanças radicais no trânsito e, sobretudo, na mentalidade local através de campanhas de educação de motoristas e ciclistas e medidas do governo, andar de bicicleta no Rio continuará sendo uma aventura perigosa.

É por isso tudo que é mesmo um choque pedalar por Nova York. Ao contrário do Bike Rio, as bicicletas são feitas para o compartilhamento, robustas e resistentes. Há muitos pontos para retirada e devolução das bicicletas, todos com muitas unidades. Há muitas regras a serem seguidas e tanto ciclistas quanto motoristas tem que segui-las (como seguir o fluxo do trânsito).

Principalmente, há as faixas exclusivas para o trânsito de bicicleta, o que separa o pedal dos motores a maior parte do tempo. O impacto que isso tem não apenas na sensação de segurança do ciclista, mas na segurança propriamente dita, só quem pedala pode avaliar. O que nos traz a questão inicial: nessas condições, todo mundo pedala.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: