josé padilha Archive

segunda-feira

31

agosto 2015

0

COMMENTS

Música inédita do Rodrigo Amarante na abertura de “Narcos”

Written by , Posted in Música

narcos-5

Série produzida por José Padilha para o Netflix e estrelando Wagner Moura como o traficante Pablo Escobar, “Narcos” conta com música inédita de Rodrigo Amarante na abertura. Assista os créditos e ouça “Tuyo” abaixo:

segunda-feira

11

novembro 2013

0

COMMENTS

terça-feira

10

julho 2012

0

COMMENTS

quarta-feira

20

outubro 2010

0

COMMENTS

A tropa, a elite e o sistema

Written by , Posted in Urbanidades

Ótimo texto de Antonio Engelke, publicado no Globo na última terça (atenção: SPOILERS, de leve):

O primeiro ‘Tropa’ veio saciar os anseios de uma população amedrontada, sedenta por vingança. Em 2007, capitão Nascimento vingou as classes média e alta carioca, fazendo o que elas gostariam de fazer, se pudessem: matar bandidos. O público respondeu com aplausos entusiasmados, e se identificou com o oficial do Bope. Tal identificação é retomada logo no início do ‘Tropa 2’, quando Nascimento ridiculariza Fraga. Mas o personagem interpretado por Wagner Moura sofre uma transformação, sai de sua trajetória natural de ‘Caveira’. Se o público chegar ao final do filme ainda se identificando com Nascimento – alguém que denuncia a ineficiência da política de segurança pública baseada no confronto, que diz com todas as letras que a sociedade é coautora dos crimes cometidos por policiais e bandidos -, então ‘Tropa 2’ terá servido a um propósito maior do que o mero entretenimento. É preciso ser muito, mas muito fascista, para sair do filme e continuar ridicularizando a perspectiva e o trabalho de pessoas como Fraga (Marcelo Freixo na vida real, deputado federal pelo PSOL).”

Continue lendo no saite do jornal.

Para complementar, leia a entrevista que fiz com o diretor José Padilha sobre o filme e suas questões e também algumas reflexões de Rodrigo Cássio sobre o título de herói fascista.

quinta-feira

14

outubro 2010

7

COMMENTS

Entrevista – José Padilha (Revista Monet, Out/2010)

Written by , Posted in Imprensa, Urbanidades


foto: Alexandre Lima

Íntegra da entrevista que fiz com o diretor José Padilha sobre “Tropa de Elite 2” para a revista de programação da na Net, Monet. A conversa foi há dois meses, infelizmente antes de ter assistido o filme.

Bruno Natal – Passados três anos do lançamento do 1º filme, qual é a avaliação do “caso Tropa”? De lá para cá…

José Padilha – Qual dos casos? Tem quinhentos casos, cara…

BN – Do filme mesmo, como experiência mesmo. Da hora que começou, como repercutiu, etc.

JP – Olha, vou fazer um digressão aqui então… Quando fui fazer o primeiro filme eu só tinha filmado documentário. Nossa produtora não faz comercial, o que significa que eu saí de um set de quatro pessoas, três… De um set de documentário, para um set de 100 pessoas, com luz, com um monte de coisa, que era o “Tropa de Elite” – acho que era o maior filme daquele ano, em termos de orçamento – sem ter nenhuma experiência com set grande. O que é uma certa irresponsabilidade, vamos dizer assim, né? Uma porralouquice. Então, para mim, a experiência de filmar o “Tropa” foi muito legal. Porque irresponsabilidade não é uma coisa que falte aqui na nossa produtora. Então, a gente entrou tranquilo, com todo nosso cacife de irresponsabilidade e fez o filme que a gente queria fazer, né? Aí teve… Por isso eu perguntei qual dos casos, né? Bom, aconteceram uma série de coisas estranhas com o filme “Tropa de Elite.”

BN – A pirataria, por exemplo.

JP – A pirataria fez uma diferença brutal na historia do filme e não dá para avaliar o filme, sem avaliar a pirataria. Qual foi a principal diferença? Quando o filme foi lançado nos cinemas ele já estava lançado. Já tinha sido visto, segundo a Folha de S.Paulo, por 11,5 milhões de brasileiros. Depois a gente contratou o Ibope para fazer uma pesquisa e era isso mesmo. Acima de 16 anos, mais de 11 milhões de pessoas já tinha visto o filme antes de ele abrir no cinema. E já tinham escrito críticas sobre o filme antes de ele abrir no cinema. De forma que a recepção do filme não passou pela crítica. O público disse o que achava do filme antes da crítica se manifestar. As críticas que foram escritas antes de abrir no cinema, foram em cima do que o público tava falando. Foi uma experiência única, que não vai se repetir, eu acho, na história do cinema. Pelo menos na minha história eu acho muito difícil que se repita.

BN – Acha ou espera?

JP – Eu espero, né? Trabalho que nem um louco para isso não acontecer! É engraçado, porque você me perguntou qual a avaliação. A avaliação foi anterior ao lançamento do filme. Agora, não existe uma avaliação, né? Existe essa ficção, “qual a avaliação do público sobre o seu filme?” Como se o público fosse uma massa uniforme que tivesse uma só opinião. E não é assim que funciona. Dentro do público você tem milhares de pessoas diferentes. Cada um com sua opinião. Eu não me preocupo muito com isso…

Não fico lendo o que as pessoas escreveram. Eu não entro nessa linha. Eu faço meu filme do jeito que eu gosto, com as pessoas com quem eu tô fazendo. O Wagner Moura, Bráulio Mantovani, Dani Resende, Lula Carvalho, Marcos Prado e tal… Os outros atores. A gente olha pro filme, gostamos do filme e tal. Botamos o filme no festival, botamos o filme no cinema. E vamos em frente, tá certo? Eu não fico voltando sobre o projeto e analisando o projeto com base na opinião das pessoas. Porque isso seria uma receita para eu ficar maluco! Tem um milhão de opiniões diferentes sobre o “Tropa de Elite” publicadas. E sobre qualquer filme que eu tenha feito. Com o “Ônibus 174” foi a mesma coisa.

Então para resumir, qual é a avaliação? A avaliação é que a gente tinha uma produtora pequenininha fazendo um filme irresponsável, porque o tamanho do filme era muito maior do que o tamanho da produtora. E a gente lançou o filme e o filme funcionou para caramba. A avaliação é que o cinema contempla essa possibilidade, né? De um cara sair de uma posição super pequena pra fazer um filme que vira grande. Foi o que aconteceu com a gente.

BN – E a internet, que impacto teve no filme? Você avalia de uma maneira positiva ou negativa? Aposto que seja ambígua, né? Teve um fator positivo nisso, uma maior divulgação.

JP – Por internet, eu vou entender pirataria. Porque eu acho que no caso do “Tropa de Elite”, talvez 90% da pirataria não tenha sido via internet.

BN – Tem razão. Foi banquinha?

JP – Tenha sido via DVD. Eu, por exemplo, vi… Me ligaram, me falaram o que tava acontecendo e eu fui ver pessoalmente. Eu vi, na barca de Niterói, uma televisão com 10 ou 15 cadeiras, pessoas sentadas esperando a barca, vendo o filme. Pagaram um ingresso de dois Reais. Ou seja, foi pirateado o cinema, não foi só o filme. O cara pirateou o cinema inteiro. Fez um cinema pirata. Foi um fenômeno sociológico, não sei explicar. Porque o filme não teve mídia nenhuma no seu lançamento. Vazou um DVD e esse DVD foi copiado, começou a ser vendido, caiu no gosto das pessoas e se espalhou pelo Brasil inteiro. Não só pelo Brasil, tinham pessoas que me ligavam: “Tô aqui em Bali vendo seu filme!”, “Tô aqui não sei aonde vendo seu filme”. “Tô aqui em Portugal”, “em Angola”…S e espalhou pelo mundo, né? Foi um fenômeno sociocultural o que aconteceu com o filme.

Uma parte desse fenômeno depende da internet, outra parte – que é a maior no Brasil – não depende da internet, né? Depende das redes de piratarias de DVD que estão estabelecidas aí. É bom, é legal para um cineasta que seu filme comunique dessa forma, espontaneamente? É, é muito legal que o filme comunique, eu fico feliz que o filme tenha comunicado com as pessoas. O que não significa dizer que pirataria é bom. Não, pirataria é péssimo. Pirataria é sonegação de imposto, pirataria é corrupção policial… Eu mesmo fiz imagens de policiais andando na frente sãs banquinhas enquanto o camelô estava vendendo o DVD. Bom, certamente não é de graça esse passeio policial ali. O policial não está prendendo o camelô por algum motivo, né?

Pirataria é competição desleal. O sujeito que está lá na sua loja de DVD, fazendo seu filme, vendendo seus filmes, alugando e pagando imposto está competindo com o cara que não paga imposto, tá certo? Pirataria é ruim, ponto. Então, é bom ter um filme popular? Muito bom. É bom ter um filme pirateado? Não, muito ruim. É isso.

BN – Você acha que isso afetou o desempenho do filme nos cinemas para baixo ou para cima?

JP – Eu acho que a pirataria aumentou o público do filme como um todo. Ou seja, se você somar todo mundo que viu na pirataria, mais todo mundo que viu no cinema, mais todo mundo que viu na televisão, mais todo mundo que viu no cabo, no Brasil, se você fizer essa soma… Se você tirasse a pirataria, se o filme fosse lançado sem pirataria, esse número agregado seria menor. Mas, o cinema perdeu muito para a pirataria, né?

Como eu te falei, a gente contratou o Ibope para fazer uma pesquisa depois do filme lançado. E o número que o Ibope deu para gente, foi que o filme perdeu 2/3 da sua renda de cinema. Ou seja, se o filme fez 2 milhões e 300 mil [ingressos], podia ter feito seis [milhões]. Perdeu. Significa que a gente teve uma perda financeira grande. Não existe mágica, tá certo? Se alguém pegou o seu filme e distribuiu ele antes da janela de cinema e ele foi visto, evidentemente que você perdeu gente no cinema. Não tem como escapar. Por isso que todos os contratos, de todas as distribuidoras no mundo têm janela, entendeu? O cara não pode lançar em DVD antes do cinema, porque já está auferido pelo mercado, na sua história, que você perde público no cinema se você furar a janela.

BN – É que há quem diga que no caso da música – onde já há alguns estudos mais precisos disso – que muito desse público talvez não fosse ver o filme e viram porque estava disponível dessa maneira.

JP – Por isso que o valor agregado, o número agregado, quando você soma a pirataria, é maior. Mais pessoas viram o filme, eu acho, mas o número do cinema caiu. O sujeito que bota dinheiro pra fazer um filme não tá interessado num número agregado, ele tá interessado no dinheiro que volta para pagar o filme, tá certo?

BN – Bom, então tá. Passado esse período do primeiro para o segundo filme, algumas mudanças estão acontecendo na política de segurança pública do Rio. O filme continua relevante nos assuntos que estão ali?

JP – Qual filme continua relevante?

BN – O “Tropa 1”.

JP – Totalmente. O assunto principal do “Tropa de Elite 1”… Vamos fazer aqui uma pequena digressão. Eu fiz dois filmes sobre violência urbana: Fiz o “Ônibus 174”, que conta a história da violência urbana do ponto de vista de um marginal, né? E que se pergunta como que esse marginal se formou. E conta a história da vida da pessoa para explicar o comportamento dele dentro daquele ônibus. Grosso modo é isso. E o que você descobre quando olha a vida daquele marginal? Que também se chama Nascimento, não por acaso. Você descobre que ele foi maltratado, sobretudo pelo Estado. O Sandro vira menino de rua e menino de rua é responsabilidade do Estado. E o que acontece com ele quanto ele é menino de rua? Primeiro o Estado não pega ele, não ensina ele, não educa ele. Ele fica na rua, ele apanha da polícia, ele é achacado por policial, ele fica jogado na Candelária… Ele vê seus amigos serem assassinados na Candelária… Quando é preso ele vai para o Padre Severino, e o Padre Severino é uma escola de criminalidade, etc. Na medida que você olha para o filme, você se dá conta que quem produz o lado marginal do Sandro é o Estado. Nós mesmos, com o dinheiro do nosso imposto, vamos dizer assim né?

O “Tropa de Elite” é a mesma coisa ao contrário. Quem produz o Capitão Nascimento? Quem produz o policial violento? Quem transforma o Matias numa pessoa capaz de dar um tiro de Calibre 12 na cara do traficante? O Estado. O Estado é que mantém e tem uma organização corrupta e violenta como a Polícia Militar do Rio de Janeiro, né? Faz parte da cultura organizacional da PMERJ esse tipo de comportamento. Está arraigado na cultura. Não da cultura formal, pois se você pegar o formalismo da PM, não tem lá esses comportamentos, mas todo mundo sabe que as organizações têm culturas formais e culturas informais. E que no final das contas, a cultura informal vale mais. Isso é o tema do “Tropa de Elite I”.

Agora eu pergunto para você ou para o telespectador: A PM não corrompe mais? A PM não mata mais? O “Tropa de Elite” está ultrapassado? Não está, né?

BN – O que motiva o “Tropa de Elite II”? É uma continuação desse assunto?

JP – Uma das coisas que eu não vou fazer é contar para você o filme.

BN – Sim, sim. O que te motiva a fazer um segundo filme sobre o mesmo tema?

JP – Um terceiro filme.

BN – Um terceiro filme sobre o mesmo tema. Mas, no caso, um segundo com os mesmos personagens.

JP – Então, o que me motiva a fazer um filme qualquer sobre um tema qualquer? E isso faz parte do estilo dos meus filmes, é tentar dar alguma compreensão – como se fosse uma crônica social – ao público sobre esse tema. E colocar essa compreensão numa estrutura dramática que funcione como cinema.

Então, eu vou dar um exemplo de novo indo para o documentário. Quando eu conto a história do Sandro… A história do Sandro aconteceu de maneira linear no tempo, tá certo? Começou com ele pequeno, foi crescendo… Como qualquer história no mundo real. No documentário eu começo ele no ônibus. Faço um flash forward, né? Por que eu faço isso? Porque eu achei que o flash forward era melhor pra dramaturgia do filme.

Em outras palavras, qualquer filme, inclusive documentários – principalmente documentários – tem duas dimensões: tem uma dimensão epistemológica, da relação do filme com a realidade e uma dimensão dramatúrgica, que é inerente ao filme, para fazer o filme funcionar como cinema. O quê eu me interesso por fazer? Filmes que tenham essas duas dimensões, mesmo na ficção. Um documentário necessariamente vai ter isso, né? Na ficção não necessariamente. “Star Wars” não tem uma dimensão epistemológica, porque “Star Wars” é sobre um universo que não existe, né?

Nos três filmes que eu fiz sobre a violência até agora, “Tropa I”, “Tropa II” e “Ônibus 174”, eu tentei criar uma estrutura de dramaturgia que refletisse aspectos do mundo real. De modo a usar a dramaturgia do filme para gerar debates que eu considero relevantes. Pode chamar isso de cinema político, cinema engajado, como você quiser.

Nos três filmes eu não me preocupei em dar para o público, tempo de reflexão dentro do filme. Nunca me preocupei com isso. Eu não compro a ideia de que eu tenho que afastar o público da história, ou da dramaturgia para o público pensar, numa sequência lenta e arrastada e etc durante o filme. Eu acho que é melhor pegar o público pela emoção e dar todo impacto da história e deixar o público pensar em casa. Tem gente que não gosta disso. Tem 15mil comentários aos meus filmes nesse sentido, “não tem tempo de reflexão dentro do filme”, como se a pessoa não pudesse pensar depois sobre o filme. Como se fosse vedado o pensamento pós-crédito, tá certo? Eu fiz a mesma coisa nos três filmes.

O “Tropa de Elite 2” lida com assuntos que eu não lidei no “Tropa de Elite I” e nem no “Ônibus 174”. Que assuntos são esses você vai ver quando você vir o filme. Eu não faria o filme se não fosse para falar sobre outra coisa. Eu não me interesso em fazer o filme, é muito trabalho, muito tempo, muita ralação, muito risco fazer um filme. Eu, particularmente, não me interesso em fazer um filme que seja só de entretenimento. Nada contra quem faz isso. Não tenho nada contra isso, mas eu não tenho, vamos dizer, paciência para fazer.

Então a gente fez a mesma coisa: Pesquisa… Pesquisamos durante dois ou três anos o tema sobre o qual a gente vai falar, que é milícia, tem a ver com milícia. Não tá falado nem no primeiro filme, nem no segundo filme. Olhamos horas e horas de material da CPI das milícias, transcrevemos todo esse material, estudamos a história da CPI das milícias que teve no Rio de Janeiro agora para entender como que a milícia funciona.

Fizemos uma pesquisa enorme e dessa pesquisa entramos da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado – que é a DRACO – que prendeu os milicianos todos que foram presos. Estudamos os processos todos da DRACO, entrevistamos as pessoas, quer dizer, fizemos um trabalho longo e árduo para fazer um filme que fale sobre um assunto que é muito atual – e que não está sendo lidado direito na minha opinião – no Rio de Janeiro.

Você pode, por exemplo, você perguntou com relação ao que mudou na segurança pública. O que mudou na segurança pública foram essencialmente, na minha opinião, duas coisas: a primeira coisa foi a despolitização das delegacias e dos batalhões. Ou seja, o Governador – antigamente por exemplo, na época da Rosinha Garotinho e do Garotinho – indicava, ou dava para algum vereador, o direito de indicar tal delegado, tal policial militar, etc. O que gerava parte da corrupção que a gente vê na polícia. Parte, não toda. O Sérgio Cabral teve o mérito de acabar com isso. Ele acabou com isso e foi fundamental na segurança pública.

A segunda coisa que mudou na segurança pública não foram as UPPs, foram três coisas que mudaram. A segunda coisa foi essencialmente feita por um cara, Marcelo Freixo, do PSOL, que conseguiu emplacar duas CPIs importantíssimas na ALERJ. Uma não foi nem um CPI, foi o processo de cassação do Álvaro Lins, ex-chefe de policia, com uma série de denúncias de corrupção e Deputado Estadual. O Marcelo conseguiu cassar o Álvaro Lins, apesar de ele não ter partido. Isso mudou, mandou um recado: “Olha só, a impunidade não é total”. E a segunda CPI que o Marcelo fez, foi a CPI das milícias, que prendeu uma série de pessoas, cassou Deputados Estaduais, etc, e que revelou uma conexão que existia, muito forte, entre a milícia e a política. A milícia elegia pessoas, a milícia tomava uma favela, não só fazia dinheiro como caixa de campanha, como pegava o voto daquela favela e alocava no processo político. Isso não está dito em nenhum filme que eu fiz e em nenhum filme que ninguém fez, que eu conheça, até hoje.

E a terceira coisa que mudou, foram as UPPs. As UPPs provaram… As UPPs não são processos…Tem que entender direito o que é uma UPP. Uma UPP não é uma luta contra o tráfico, não resolve o problema do tráfico. O tráfico de drogas continua. E ele nem se propõe a resolver o problema do tráfico. O que ela faz é: tirar um traficante armado de uma favela e ocupar com a polícia. O tráfico continua. Você continua comprando drogas no Rio de Janeiro. Não acabou tráfico de drogas. O que ela faz é mostrar que o tráfico de drogas no Rio de Janeiro não precisa necessariamente ser violento. Por exemplo, existe tráfico de drogas na Inglaterra e as pessoas não se matam na rua. Não é isso? A UPP faz isso. E recupera o território que um grupo armado tinha tomado – frupo armado era um grupo de traficantes que tomou normalmente uma favela- e recupera a dignidade das pessoas que moram ali, que não mais controladas, ou administradas por aquele grupo armado.

A UPP é muito boa nesse sentido e eu acho que no curto prazo e no médio prazo, a UPP só vai ser positiva, só vai melhorar os índices de violência no Rio de Janeiro. Sou a favor da UPP, porém, no longo prazo, quem está ocupando a favela no lugar do traficante? É a polícia. Como que funciona a nossa polícia? No longo prazo, se não reformar a polícia, pode ser que a UPP não seja tão boa assim.

BN – Porque até circular… vai cair na milícia de novo. O que é de certa maneira isso, né? UPPs independentes.

JP – Então, você acabou de concluir, por si mesmo, qual é a relevância do filme “Tropa de Elite II”.

BN – Você falou do projeto de pesquisa ser importante e como seu trabalho como documentarista influencia seu trabalho como cineasta de ficção. Seu primeiro filme sobre o tema é um documentário. O “Tropa I” foi feito baseado na pesquisa do livro “Elite da Tropa”, né? Foi o que inspirou?

JP – Na verdade não, foi ao contrário. A gente fez a pesquisa toda do filme. Eu fiz com o Rodrigo Pimentel, ex-capitão do BOPE, agora jornalista. Com o André Batista e com vários policiais que eu entrevistei. Aí eu escrevi um roteiro com o Pimentel, do filme. Quando eu estava lá no sétimo tratamento, eu chamei o Luiz Eduardo Soares e falei: “Olha, tem um milhão de histórias aqui, eu não consigo contar todas. Faz um livro sobre isso”. Nosso roteiro é um roteiro original, não-adaptado, o livro é que nasceu do filme. Só que o livro foi lançado antes.

BN – E agora “Tropa II”, como você disse, também nasce de uma pesquisa grande, você foi atrás de casos reais. Então é uma pesquisa.

JP – Eu não tenho nenhuma imaginação, né? Tenho que buscar as coisas na realidade… (risos)

BN – Pois é. E ao mesmo tempo é um documentário. Você acha que isso é uma característica do seu trabalho, que permanece?

JP – É, permanece no “Tropa III”. Eu nunca fiz um filme que não seja sobre um assunto real, então eu sou obrigado a dizer que isso é uma característica do meu trabalho. Não quer dizer que eu não vá fazer outra coisa amanhã, mas até agora é isso aí.

BN – Então vai ter “Tropa III”, é certo?

JP – Eu falei “Tropa III”, mas é “Tropa II”. Se tiver um “Tropa III”, vai ser “Tropa 3D”! (risos)

BN – Você vê essa nova realidade que você descreveu, esse cenário que vem se desenhando das UPPs, como uma possibilidade de um abordagem para um novo filme? Você tem interesse?

JP – Olha só, o processo das UPPs está no comecinho. O Rio de Janeiro tem mais de 1.700 favelas. Quantas favelas foram ocupadas? Quinze, né? E não é um processo que está dado. Isso não é uma história que acabou, tá certo? É um ótimo projeto, é um bom começo e é o óbvio ululante. A UPP coloca uma pergunta. A UPP não tá mostrando que é facílimo recuperar as favelas? Quantas trocas de tiros tiveram? Né? Nenhuma e tal, estamos aí retomando e tal… A pergunta que eu faço é a seguinte: Então por que não fez isso antes?

Não é obrigação da polícia fazer isso? Não é fácil fazer? Por que foi necessário um programa de governo, um nome UPP, o apoio da mídia para fazer o que a polícia tinha que ter feito há quinhentos anos atrás? Essa é uma pergunta que eu estou colocando não para jogar lama na UPP, porque eu sou a favor da UPP. Mas é uma pergunta que revela alguma coisa. E revela o quê? Revela que a polícia não tinha interesse na UPP. Nunca teve, está certo?

Se a polícia não tinha interesse na UPP e teve que vir de cima para baixo, faz você pensar: “Que polícia é essa?” Porque é essa polícia que está ocupando a favela. Está certo? Porque se você olhar com calma para a UPP, você vai ver o seguinte: Qual policial que a Polícia Militar coloca nas operações de UPP? Entra primeiro o BOPE, o traficante corre. Avisa na mídia que vai ter a invasão, o traficante corre. Porque está totalmente certo. Totalmente certo, na minha opinião. O traficante corre, a polícia entra. Aí quem fica lá na ocupação? Primeiro é o BOPE, que é uma polícia que não é corrompida igual à outra. Aí o BOPE sai, aí entram os aspirantes, os caras que acabaram de se formar na PM. Por que eles não mandam o policial antigo pra UPP? É uma pergunta que eu não preciso nem colocar a resposta.

Aí você faz uma conta: Quantos policiais novos a gente tem? Não têm muitos. Quantas favelas a gente tem? 1.700 Então a UPP é um projeto de longuíssimo prazo, não é um projeto instantâneo.

BN – O que é bom, né?

JP – É ótimo! Você tem que ir formando os policiais, novos, e colocando na UPP. Mas aí tem uma pergunta. O que acontece com o policial novo depois que ele fica velho? Porque ele é um policial que ganha o mesmo salário do policial antigo e que opera na mesma organização. O que a organização faz com o policial? Bom, esse é o tema do “Tropa de Elite I”, você já viu, né? Então é o seguinte: A UPP é meio projeto. É metade do projeto.

Ocupação territorial das áreas que estão com tráfico? Ótimo! Sou totalmente favorável. Agora cadê a outra metade? Porque a outra metade é a reforma da polícia. Se não tiver a outra metade a gente corre o risco de estar substituindo o tráfico por máfia. Máfia mata mais do que tráfico? Não, mata menos. Os números da violência vão cair.

Mas, máfia tem outros problemas. Quantas armas da milícia o BOPE já apreendeu? Zero. A polícia vira quase inútil para enfrentar a milícia, tá certo? Milícia é um nome brasileiro para máfia, no fundo é máfia. Então, o que eu estou falando? Cuidado! Faz a UPP? É claro que tem que fazer, mas cadê a reforma da polícia? Porque senão daqui a pouco a gente pode estar fazendo uma coisa ruim.

BN – Você tem vontade de fazer um terceiro filme abordando esses novos temas?

JP – Já fiz. Isso está no “Tropa II”. O que eu estou falando com você agora é um discussão que o “Tropa II”coloca.

BN – Tem UPP no “Tropa II” então?

JP – Não vou te contar o filme! (risos) Mas eu te digo o seguinte: Eu posso colocar essa discussão sem usar o nome UPP.

Olha só, eu ocupei uma favela, tirei os traficantes de lá. A favela mudou de nome? UPP é Unidade de Polícia Pacificadora. Quer dizer que a outra polícia que está nas outras favelas, que não é UPP, não é pacificadora? É o quê então?

Vou repetir, eu acho UPP um projeto maravilhoso. Uma coisa que a UPP mostra, na minha opinião, é que o tráfico tem um componente cultural. O tráfico tal qual ele existe no Rio de Janeiro. O tráfico que anda com AR-15 e dá tiro, tem um componente cultural. É um negócio que passa de geração em geração dentro da favela. O garoto lá… A criança nasce e quando tem problema familiar e uma série de motivos, vê aquele cara armado e “pô, o cara armado manda em todo mundo”. Tem um componente de reprodução cultural. Isso está demonstrado em quinhentas mil teses sociológicas… Desde a tese da Alba Zaluar …Pois é, tá demonstrado. Em suma, quando você coloca a UPP lá, se ficar por algum tempo, ela quebra a transmissão dessa cultura. Ela não acaba com o tráfico, mas o tráfico não fica violento. O que é muito melhor. Então a UPP é joia, é nota dez.

Por exemplo, no “Tropa de Elite II” não tem nenhuma crítica a UPP. Você não vai encontrar. Tem só um alerta: “Olha só, cadê a outra parte do projeto?” Porque se não botar a outra parte do projeto funcionando, o projeto tende a dar errado. E quanto tempo você tem para fazer a segunda parte do projeto? Você calcula. É fácil calcular. Quantas favelas você tem que ocupar, qual a ordem de ocupação, quantos policias novos por ano, quando é que vão acabar os policiais novos, tá certo? Quando é que os novos vão ficar velhos… Você calcula esse prazo. Eu acho que tem aí uns dois, três anos pra fazer isso, se não fizer vai começar e ter problema.

BN – E foi essa nova realidade que te inspirou a fazer o “Tropa II”? Foi isso que deu a coceirinha: “Tá na hora de fazer de novo.”?

JP – Foi. A gente conversou, assim. O “Tropa” é um filme de “patota”, vamos dizer assim, né? Para usar um termo velho, né? Então é uma coisa que eu fui conversando com o Wagner, com o Marcos, com o Bráulio, com o Dani Resende, com o Lula Carvalho, e tudo mais… “Pô, será que a gente faz esse filme? Tem um monte de gente que está falando pra gente fazer”.

Mas pô, a gente claramente só queria fazer se a gente achasse que era relevante fazer. E eu criei uma série de conexões com o mundo da Segurança Pública, através dos meus filmes. E a medida que eu ia conversando com o Wagner, e tal, eu ia também conversando com algumas pessoas que eu conhecia que estavam nesse mundo e que começaram a me falar esse tipo de coisa que eu tô te falando aqui. “Pô, olha só: UPP é legal, mas tem um problema aqui. Olha o que tá acontecendo com o Rio de Janeiro. Olha como foi a CPI das milícias. Dá uma olhada, porque a CPI das milícias prendeu os milicianos, mas não acabou com as milícias. A milícia fragmentou , mas ela continua.

O Marcelo Freixo, por exemplo, foi o cara que fez a CPI das milícias, né? O Marcelo Freixo não pode fazer campanha na Zona Oeste. Ele morre. Ele não pode. Já está avisado: “Se você fizer campanha aqui na Zona Oeste…”. As pessoas das favelas da Zona Oeste não podem ter um “santinho” do Marcelo Freixo. Isso é seriíssimo, não é brincadeira. A milícia tá aí.

BN – E qual foi a diferença do processo de filmagem do “Tropa I” e do “Tropa II”, no sentido em quê no primeiro o filme foi ganhar atenção com aquele caso do roubo das armas lá no Babilônia. Quando teve aquele “troço” que todo mundo pensou “ppa, tá fazendo um filme sobre isso?”. O pessoal do meio sabia, mas fora não sabia direito. Agora no “Tropa II” já muda tudo. Isso torna a coisa mais fácil ou mais difícil?

JP – Mais fácil, na média é mais fácil. No primeiro filme a gente só tinha feito documentários. Tava fazendo um projeto de, sei lá, 10 milhões de Reais. A gente nunca tinha feito um projeto de mais de 700 mil. Como que levanta esse dinheiro? É difícil. Depois a gente tinha feito o “Ônibus 174”, que é bastante agressivo com a polícia e com o governo Garotinho em particular. Então quando eu ia filmar o “Tropa de Elite I”, a Governadora era a Rosinha, então a gente não tinha acesso, não conseguia autorização, a polícia queria ler o roteiro… Uma coisa maluca, que deu um trabalho grande para conseguir. Se não fosse o Fernando Pelegrino, um amigo meu, explicar pro Governo Garotinho que não se pode censurar cinema, a gente não tinha conseguido. A gente conseguiu, mas deu muito trabalho.

No segundo filme foi muito mais fácil. As autorizações saíram rápido, ninguém pediu pra ver roteiro, a polícia colaborou para caramba. O atual comandante da PMERJ é uma pessoa honesta, séria. Ele ajudou a gente porque ele entendeu que é bom para a polícia haver crítica, então deixou a gente filmar dentro do 3º Batalhão, a gente filmou no Palácio do Governador, dentro do BOPE. Foi infinitamente mais fácil. E como o segundo filme não fala muito, fala um pouco, mas não fala muito, sobre tráfico, eu não filmei em favelas que estavam ocupadas pelo tráfico como eu fiz no primeiro filme. Você falou, no Babilônia, Prazeres, etc. Então, foi muito mais fácil.

BN – Você creditaria isso a uma mudança já de mentalidade ajudada pelo Tropa I”?

JP – Eu acho que sim. Com certeza. Foi mais fácil levantar dinheiro também.

O “Tropa de Elite I” não é inimigo da polícia ou do policial honesto. Não é. Por que seria? Tá dizendo “olha, policial não recebe dinheiro, a policia tá jogada as traças, isso gera corrupção dentro da polícia”. Para lidar com uma polícia tão corrupta, que não consegue operar direito, o Governo teve que fazer uma polícia, é… maluca.

Para você isolar o policial especial, o BOPE, da corrupção que campeia uma organização policial, você tem que aquartelar ele num lugar diferente. Você tem que doutrinar ele do jeito que ele é doutrinado, senão ele vai virar igual ao outro. Aí a polícia ao invés de acabar com o problema da corrupção, fez isso. Gerou um batalhão que tortura, mata, se considera superior aos outros, etc. que é o BOPE. O filme fala isso. Nada disso é bom. Então falar isso, alertar para isso é a favor da polícia. Ou será que a gente quer uma polícia corrompida e violenta? Não quer. Então algumas pessoas – e por sorte o Mário Sérgio, por exemplo – entendem isso dentro da polícia.

Não vou dizer que a polícia inteira concorda com isso. Não concorda, tanto assim que o “Tropa de Elite I” gerou um número enorme de ações na Justiça, de policiais. Os oficiais do BOPE processaram o filme, uma série de policiais convencionas processaram o filme e etc. A polícia como um todo, não concorda, mas essa chefia da polícia que está aqui, concorda hoje. Pode ser sorte. E também é mais fácil levantar dinheiro para o “Tropa de Elite II” do que para o “Tropa I”, porque já existia o “Tropa I”, né?

BN – E teve alguma coisa parecida com esse incidente das armas no Babilônia ou foi mais tranqüilo dessa vez?

JP – Foi muito mais tranqüilo. Ah, bom, teve algumas coisas, sempre tem. Por exemplo, a gente estava filmando uma cena na Zona Oeste, da execução de uma testemunha contra as milícias. A cena era essa. A gente tava lá, 2 da manhã, preparando pra rodar o 1º take quando chegaram 20 carros de polícia, pararam, encostaram… Só que eles não vieram na filmagem, eles viraram numa ruazinha perto, à direita e tal… Aí o cara da segurança da nossa filmagem foi ver o que era… Era uma execução da milícia. A milícia tinha executado um cara num botequim a dois metros da filmagem que a gente ia fazer, que era sobre o mesmo assunto. Quer dizer, a filmagem é no Rio de Janeiro. As coisas que acontecem no Rio de Janeiro

Olha só, não vamos imaginar que acabou a violência no Rio de Janeiro porque a gente fez dez UPPs. Quantos autos de resistência têm no Rio de Janeiro? Antes das UPPs, ainda na vigência do Sérgio Cabral, teve mais de mil autos de resistência. O que é um auto de resistência? É um policial que matou alguém que estava resistindo à prisão. Teoricamente. O policial declara que foi isso que aconteceu. A gente tem que entender que número é esse. Nos Estados Unidos a policia mata 200 pessoas por ano, em uma população de 300 milhões. No Rio de Janeiro, a polícia matou mil pessoas em um ano, numa população de 11 milhões, né? Não é brincadeira isso. Não vamos imaginar que a Segurança Pública está resolvida com a questão da UPP. Não está. É um passo ótimo para resolver, mas se não reformar a polícia, não vai resolver.

BN – E que filme você gostaria de fazer? Que realidade você gostaria que existisse para te inspirar a filmar?

JP – Problema social, meu amigo, vai existir. Existe desde o primeiro minuto da história da humanidade e vai existir sempre, tá certo? Eu não imagino e não acredito na Utopia, tá certo? Então, se o meu problema fosse “pô, eu só faço filme sobre problema social, o que eu faria se acabassem os problemas sociais? É isso que você está me perguntando? É uma pergunta meramente retórica, porque os problemas sociais não vão acabar, infelizmente.

Tem uma série de filmes que eu me interesso por fazer. Eu, por exemplo, fiz um filme agora que não fala diretamente de problema social. Fiz um documentário chamado “Segredos da Tribo”, que abriu no Sundance esse ano. Que fala sobre a filosofia da ciência, sobre epistemologia, sobre a incapacidade de um determinado grupo social – no caso os antropólogos – de produzir conhecimento confiável. E por que isso acontece, etc. Que é um outro assunto completamente diferente de segurança pública. Eu fiz um outro filme, que é o “Garapa”. Que é um outro documentário que teve em Berlin ano passado. Que fala sobre como uma família lida com falta de alimento. Eu faço uma série de filmes que não são sobre segurança pública, agora todos eles são sobre assuntos reais. Porque como eu te disse, a minha imaginação é curta.

BN – Agora, para fechar, uma pergunta pedida pela revista. Como o diretor vê no Brasil a questão de patrocínio através de leis de incentivo à cultura?

JP – Bom, eu acho que o cinema brasileiro, o teatro brasileiro e uma boa parte da música brasileira não existiria sem o incentivo à cultura. Isso é um fato, por vários motivos. De modo que, como eu gosto da cultura, eu gosto de ver show de música, eu gosto de ir ao teatro e gosto de ir ao cinema, eu sou a favor do incentivo.

Essa realidade da impossibilidade econômica de uma atividade – no caso a cultura – em determinado lugar, não é uma realidade única do Brasil. A cultura, o cinema, por exemplo, é incentivado na França, é incentivado na Inglaterra. Ele é incentivado no mundo inteiro, com exceção dos Estados Unidos e da Índia. O mundo inteiro, ou a maior parte dos países que têm cinema, têm cinema porque fez uma opção pelo incentivo fiscal. Eu sou favorável ao Brasil ter cinema. Acho que é importante para o Brasil ter cinema. Acho que o cinema faz mais do que gerar emprego. O cinema catalisa, ou pode catalisar, discussões importantes na sociedade. O cinema é entretenimento, que é importante. E o cinema exporta uma cultura, né? Cinema é mais do que parece. Eu acho importante o Brasil ter cinema. Acho que o Brasil não está pronto para ter cinema sem (a lei do) Audiovisual. Acho que não consegue fazer isso. Não é possível fazer isso. Então assim, a Lei do Audiovisual tem que continuar.

Qual é o modelo correto para o incentivo fiscal? Eu não acho que o modelo que está aí seja ruim. Pelo contrário, eu acho até que ele tem grandes méritos. Por exemplo, a ANCINE, que é a agência de cinema, avalia os projetos do ponto de vista orçamentário, do ponto de vista jurídico. Ela faz um trabalho que eu acho fundamental, que é analisar se o sujeito prestou contas. Se usou o incentivo fiscal direito ou não. Porque a gente tem aí na história do cinema brasileiro desvios nesse sentido. Ela empresta seriedade no processo. Então, isso é bacana. E ela não analisa o conteúdo do projeto. A ANCINE não reprova o projeto porque ele está falando A, ou B, ou C. O que é muito bom, muito bom! Porque o cineasta faz e se exprime da forma como ele quiser, né? O cinema brasileiro é verdadeiramente independente.

Eu vou a muitos festivais no mundo inteiro. Eu já participei de alguns painéis de festivais. Participei em um painel em Sundance sobre o cinema independente americano. Quando eu expliquei lá como é que funcionava o cinema brasileiro, felicidade geral. A felicidade das pessoas foi absurda, “Vocês são muito felizes, porque eu para fazer um documentário eu tenho que discutir com o canal que está financiando, eu tenho que fazer no modelo deles, eu não posso dizer isso, eu não posso dizer aquilo”. Ou seja, o Brasil tem um modelo muito para o cinema independente. Eu gosto.

Existem ajustes possíveis a serem feitos nesse modelo, para tornar ele melhor? Existem. É possível melhorar, mas é perigoso também mexer. Por exemplo, uma ideia do tipo: “Vamos concentrar o incentivo fiscal numa entidade pública e ela vai decidir que filme é feito?” eu acho péssimo. Eu prefiro que o empresário, que tem imposto a pagar, decida o filme a ser feito, do que, sei lá, a Embrafilme, entre-aspas, certo? Porque aí vira uma questão de a cultura que é feita é a cultura que o Estado decide que deve ser feita. O que é péssimo. Todas as sugestões que são feitas no sentido de melhorar o Audiovisual, que passem por um controle Estatal do conteúdo, para mim são piores do que agora.

%d blogueiros gostam disto: