internet Archive

quarta-feira

14

abril 2021

0

COMMENTS

MIT Tech Review (abril 2021)

Written by , Posted in Digital

Artigo sobre o futuro da internet que escrevi pra MIT Tech Review Brasil.

O futuro será cada vez mais digitalizado. Isso não é uma premissa, é simplesmente a realidade. De muitas formas, esse futuro já chegou. Transformações tecnológicas são uma constante e a descentralização da internet por meio da criptografia é a próxima grande revolução digital. Há 15 anos, quando se falava que estaríamos hiperconectados, enviando vídeos de qualquer lugar do mundo e que o celular substituiria os computadores pessoais, muita gente duvidava. O processo de descentralização da internet já está em curso.

Acreditar ou não no impacto dessas transformações está diretamente ligado a resposta a uma pergunta bem simples: o mundo vai se tornar mais ou menos digital nos próximos anos? A resposta parece óbvia.

Siga lendo no site da MIT Tech Review.

Muito além do NFT: metaversos, Web3 e o futuro digital

A explosão do mercado da cripto arte é apenas a ponta visível de uma completa transformação da internet através da criptografia e da descentralização.

O futuro será cada vez mais digitalizado. Isso não é uma premissa, é simplesmente a realidade. De muitas formas, esse futuro já chegou. Transformações tecnológicas são uma constante e a descentralização da internet por meio da criptografia é a próxima grande revolução digital. Há 15 anos, quando se falava que estaríamos hiperconectados, enviando vídeos de qualquer lugar do mundo e que o celular substituiria os computadores pessoais, muita gente duvidava. O processo de descentralização da internet já está em curso.

Acreditar ou não no impacto dessas transformações está diretamente ligado a resposta a uma pergunta bem simples: o mundo vai se tornar mais ou menos digital nos próximos anos? A resposta parece óbvia.

Passamos grande parte do último ano online e diversas mudanças foram aceleradas. O cenário de pandemia apressou comportamentos esperados para se manifestar daqui cinco anos ou mais. De uma hora para outra o trabalho remoto, comunicação assíncrona, compras online, convivência digital tornaram-se uma realidade que chegou para ficar. Se quase todas nossas interações acontecerem online, fará cada vez mais sentido gastar dinheiro em bens virtuais.

O próximo passo para viabilizar essa transformação é a descentralização da internet. O surgimento das Organizações Autônomas Descentralizadas (DAO, Decentralized Autonomous Organization), com regras especificadas por contratos inteligentes executados e validados no Blockchain, criará entidades auto-governadas. O primeiro exemplo bem sucedido foi o Bitcoin, agora surgiram os NFTs (tokens não fungíveis, non fungible tokens), mas tudo isso é apenas a ponta visível de um processo muito mais amplo.

Por isso, ainda que os criptoativos como o NFT possam estar inflados pelo hype, não se trata de uma bolha, ao menos no sentido clássico. Estamos assistindo à estrutura central dessa mudança sendo montada e começando a ser utilizada (ou notada) por pessoas além da comunidade de usuários pioneiros.

Fases da web

A internet nasceu descentralizada e foi construída sobre protocolos abertos, como HTTP, SMTP, SMS, FTP E IRC para sites, e-mail, mensagens, transferências de arquivos e bate papo. Qualquer pessoa podia construir aplicações e um site, por exemplo, podia ser diretamente acessado por um usuário, sem intermediários.

Em meados dos anos 2000 veio a primeira grande mudança da Internet. Conhecida como Web 2.0, essa nova internet possibilitou a construção de interfaces simplificadas e facilitaram o caminho para que qualquer pessoa pudesse ter uma presença online, com o surgimento primeiro de blogs e depois de redes sociais que tornaram incrivelmente fácil publicar qualquer coisa online, sem necessidade de saber uma linha de código sequer.

Para tornar essas interações possíveis e customizar a experiência, era preciso coletar dados dos usuários. Com o passar do tempo, a capacidade de coletar dados cresceu, assim como a possibilidade de capturar valor, até esse aspecto se tornar o foco principal dessas plataformas.

Essa é a internet que temos hoje: plataformizada e centralizada. Apesar dos inegáveis avanços que essa evolução possibilitou (auto publicação, facilidade de agregação, democratização do alcance, pluralidade de vozes, a lista é imensa), as mudanças provocadas pela plataformização nos afastaram da proposta original da internet, descentralizada e livre.

Hoje as plataformas como Facebook, Twitter, Google, Spotify etc, são as verdadeiras donas do conteúdo e, principalmente, das comunidades que criamos. Algoritmos pouco transparentes decidem o que reverbera mais ou menos. Através de termos de uso igualmente opacos, as plataformas decidem quem pode ou não utilizá-las. E se por algum motivo decidirem encerrar seu perfil, você não pode levar seu conteúdo, muito menos seus seguidores para outro lugar.

Web3: descentralização

A próxima era da Internet já começou com a promessa de corrigir e aperfeiçoar alguns desses aspectos. A Web3 está sendo construída sobre redes criptoeconômicas, como Bitcoin e Ethereum. Combinando as melhores características das duas primeiras eras da Internet, a Web3 será formada por redes descentralizadas e governadas pela própria comunidade, com uma capacidade de gerir recursos maiores do que os serviços centralizados de agora. Junto com essas melhoras, por serem redes criptografadas e sem um responsável único, também veremos novas questões e desafios se apresentarem.

A ideia central da Web3 gira ao redor do consenso, com o aspecto financeiro embutido. Sai o conceito de um órgão centralizador para validar as ações (por exemplo, uma rede social que determina o que pode ou não ser publicado) e entra um mecanismo de consenso e validação distribuído em milhões de nós de uma rede.

Outro aspecto crucial é a interoperabilidade. O protocolo descentralizado SMTP da internet original permite que se envie um e-mail de um provedor para outro (de um Gmail para um Hotmail) sem atrito. Já na Web 2.0, centralizada, não é possível enviar uma mensagem do Twitter diretamente para o Facebook. As redes descentralizadas da web3 permitirão a interoperabilidade entre praticamente tudo, revolucionando todas as indústrias.

A tecnologia que permite isso é chamada blockchain, que nada mais é do que uma lista de registros (os blocos, block), ligados uns aos outros de forma criptografada, listados numa espécie de livro-razão digital (a corrente, chain). Como esses registros são sequenciais e validados através do consenso entre diferentes nós da rede, eles não podem ser modificados retroativamente.

Esse protocolo é a base do Bitcoin, a criptomoeda pioneira que inaugurou e popularizou esse conceito. As chamadas finanças descentralizadas (DeFi, decentralized finance) querem construir um novo sistema financeiro, sem instituições centrais, onde será possível construir aplicações complementarem uma sobre as outras, como Legos de dinheiro.

O discurso da descentralização soa anárquico e anticapitalista, porém ao eliminar os atravessadores e intermediários, a busca é por agregar valor através de uma conexão direta entre fornecedores e consumidores, um capitalismo radical. Não é sobre tirar dinheiro do sistema, mas sim de mudar o sistema, transferindo o dinheiro para quem cria e quem consome e para quem trabalha para manter e aperfeiçoar essa rede

A importância da portabilidade

Na Web 2.0 vivemos numa economia de aluguel. Os ativos digitais que produzimos e utilizamos todos os dias, sejam textos, fotos e vídeos que publicamos, músicas e vídeos que consumimos ou roupas e objetos que adquirimos em games, não nos pertencem, mesmo que tenhamos pago por eles.

Na Web3, os dados ficarão atrelados diretamente às pessoas, a mesma coisa acontece com valores financeiros. O usuário pode levá-los para onde quiser, tendo controle total sobre eles. É a portabilidade. Cria-se uma identidade digital soberana, permitindo a interoperabilidade, com todos os dados e dinheiro embutidos diretamente nos protocolos da Web3.

A partir da hora que tudo que você publicar na internet for registrado no blockchain de forma nativa, em formato de NFT, o autor passará a ter controle total sobre sua criação. Em vez de publicar um arquivo no servidor de uma rede social, por exemplo, ao criar um post você estará apenas apontando para o arquivo em si, hospedado na blockchain e atrelado a sua identidade digital. Nesse formato, os próximos (ou a evolução do) Instagram, Twitter ou Youtube servirão apenas como uma vitrine para exibir as criações dos usuários.

Além de ter sua autoria sempre atrelada a obra, o usuário também terá o poder de autorizar qualquer uso dela. Essa mecânica vai tornar muito difícil para alguém publicar algo sem autorização (da mesma forma que alguém não pode simplesmente imprimir pôsteres de um artista como Banksy para vender sem ter os direitos autorais para isso).

Hoje, os arquivos propriamente ditos não ficam gravados na blockchain, apenas o código referente a ele, apontando para onde encontrá-lo. Para essa transformação de fato acontecer, os arquivos precisarão estar gravados direto na blockchain,

A Web3 nos leva em direção a propriedade de fato. Não apenas você poderá levar esses ativos para outras partes da rede com você, como também poderá vendê-los. É uma vantagem econômica real da Web3 sobre a Web 2.0.

Para replicar as transações e propriedades do mundo físico, a Web3 precisa de uma forma de comprovar a propriedade, origem e escassez desses ativos digitais únicos. Nessa evolução descentralizada da internet, os NFTs fazem a ponte entre a Web3 e a economia virtual do Metaverso.

O que vemos agora com a ascensão dos NFTs é um caso de estudo prático, um pontapé inicial que popularizará os conceitos da Web3.

Tokens não fungíveis e chaves digitais

Non Fungible Token, mais conhecidos pela sigla NFT, são ativos não fungíveis. Fungível é tudo aquilo que pode ser substituído por outro igual, sem perda de valor. Um quilo de feijão pode ser trocado por outro quilo de feijão, uma nota de 10 reais tem o mesmo valor que outra nota de 10 reais, duas moedas de Bitcoin têm valor igual.

Ativos não fungíveis, por sua vez, são insubstituíveis ou não podem ser trocados de maneira direta. Não é possível trocar um quadro do Picasso por um do Da Vinci pois, mesmo que ambos sejam valiosos, seus valores não têm uma relação direta. Nem mesmo dois quadros do mesmo artista têm necessariamente o mesmo valor.

Os NFTs são códigos gravados no blockchain atrelados a ativos digitais que comprovam sua origem, autenticidade e escassez. Através deles, criadores podem assegurar a propriedade sobre suas obras, mesmo que sejam digitais e sem limitar sua divulgação livre na internet. A maior parte dos NFTs estão no blockchain Ethereum, que além de uma criptomoeda própria, o Ether, também oferece os chamados contratos inteligentes, acordos eletrônicos auto executáveis que hospedam o NFT e todas as regras sobre seu uso.

Todos nós somos criadores digitais, todo dia publicamos em diferentes formatos e em diferentes redes, mas quase nenhum de nós tem controle ou mesmo propriedade dessas criações. Toda vez que publicamos algo, transferimos uma cópia do nosso dispositivo para os servidores dessas redes sociais. De acordo com os termos de serviço de várias dessas plataformas, ao fazer isso, compartilhamos também a propriedade desses arquivos.

Os modelos de monetização atuais quase nunca estão alinhados com os interesses dos criadores. As plataformas colhem a maior parte do valor desses conteúdos. O NFT permite que esses arquivos digitais sejam verificáveis e que os criadores detenham propriedade sobre eles. Inverte completamente o jogo.

As aplicações transbordam para o mundo físico. A Nike, por exemplo, patenteou um sistema para atrelar NFTs aos seus tênis, de maneira individual. O chamado CryptoKicks protegerá o consumidor de falsificações, pois apenas os originais terão o código verificável no blockchain.

Valor percebido

A descentralização, portabilidade e propriedade possibilitadas pela Web3 potencializa toda cadeia de valor. Porém, uma das perguntas mais recorrentes é: qual valor de algo digital e facilmente replicável? A resposta é bem simples. É o mesmo valor de ter uma obra original em vez de uma cópia, seja de um quadro ou de um tênis. Seja a coleção de monstrinhos do Pokemon Go, seja roupas e armas do Fortnite, esses bens digitais carregam também um valor percebido e emocional.

Os Pokémon caçados no jogo existem apenas em formato digital, mas nem por isso são menos valiosos para seus colecionadores. Cada coleção é única e, apesar de gratuitos, existe valor social em exibir seus Pokémon para outros jogadores. O mesmo vale para os acessórios comprados no Fortnite ou até mesmo para um comentário deixado num post no Instagram (algo fácil de forjar e que só tem valor se for possível comprovar que o autor é de fato quem diz ser.). O conceito por trás do valor percebido dos NFTs, portanto, já está bem difundido através de nossas diferentes interações online.

No caso das obras de arte digitais, a questão da cópia é ainda menos importante. Quanto mais circula livremente online, quanto mais é compartilhada e vista, maior é o valor cultural dessa obra, tornando a original, canônica, verificável pelo NFT, ainda mais valiosa. A Mona Lisa ou as Marylin Monroe do Warhol originais não são menos valiosas por estarem replicadas em posters, canecas, mousepads ou capas de cadernos. Muito pelo contrário.

Para os artistas, ainda existe a vantagem de por meio dos contratos inteligentes continuarem eternamente ligados às suas obras, podendo receber uma porcentagem das revendas futuras, de maneira automática. É o oposto do que acontece com as criações digitais na Web 2.0, onde uma criação rapidamente perde a ligação com seu criador, perdendo junto sua autoralidade. Para os colecionadores, os NFTs abrem a oportunidade de lucrar com a valorização de suas aquisições dos artistas que decidirem apoiar.

Uma moeda social

No meio da música é muito comum um fã se vangloriar de conhecer determinado artista desde o início de sua carreira, antes de todo mundo. Acontece que por ser muito difícil comprovar esse fato, na prática isso significa muito pouco. No fim das contas, na maior parte das vezes esse fã assiste ao show no mesmo espaço que outro que pode estar conhecendo o artista naquele momento. Isso pode ser diferente se o fã inicial for recompensado pelo artista. Por seu apoio inicial, esse fã pode receber um token fungível que funciona como uma moeda social deste artista. Vamos chamar esse token de $ARTISTA e supor que sejam emitidos apenas 100 unidades.

O token $ARTISTA pode ser oferecido aos fãs de graça, pode ser vendido ou conquistado através de tarefas, como ajudar na divulgação e promoção do artista, e pode dar acesso a experiências exclusivas. Pense em compras prioritárias de ingressos, uma área especial no show, acesso ao camarim, conteúdo exclusivo ou uma interação anual online com a artista.

Agora, imagine se esse artista em início de carreira se transformasse numa Beyoncé, Billie Eilish ou Taylor Swift. Quanto valeria esse $ARTISTA após a fama que alcançaram, tanto em valor sentimental, quanto financeiro? Tanto o artista, quanto os fãs, podem lucrar com a valorização desse token.

Por terem origem, autenticidade e escassez comprováveis, NFTs ou outros tipos de token gravados no blockchain podem servir como chave de acesso para uma infinidade de opções que podem ser exploradas pelo artista ou outros desenvolvedores em diferentes ambientes digitais. As possibilidades são infinitas.

Aplicações no metaverso

Metaversos são mundos virtuais que replicam o mundo físico através de dispositivos digitais. Esses espaços geram experiências coletivas e podem utilizar diferentes camadas, como a realidade virtual e realidade aumentada, servindo como espaços de convívio e de trocas. O formato de metaverso mais popular hoje são os videogames, mas também vivenciamos isso nos encontros no Zoom, nos papos no Clubhouse ou nas compras na Amazon. A Web3 e os NFTs podem conectar esses diferentes mundos.

Na Web 2.0 os metaversos seguem a lógica comercial do aluguel das propriedades digitais. Como não existe portabilidade, o que você compra num metaverso não pode ser retirado de lá. Você não pode comprar uma roupa no Fortnite e vestir seu avatar no Animal Crossing com ela.

Na realidade, sem identidade digital soberana e interoperabilidade, não podemos ser nem a mesma pessoa nesses diferentes ambientes, sendo necessário criar diferentes perfis em cada um deles. Terminamos com múltiplas personalidades, num esquema esquizofrênico. Uma das vantagens da Web3 é equacionar tudo isso. As vantagens econômicas da Internet descentralizada e criptografada terão um papel importante na evolução dos metaversos. Os desenvolvedores poderão construir sobre estruturas sem permissão, numa economia com direito de propriedade muito mais parecida com a do mundo físico.

Com mais contexto para utilização dos NFTs, haverá mais incentivo para os criadores produzirem e para os colecionadores flexibilizarem os direitos sobre suas propriedades. Os usuários terão um leque de experiências mais ricas e também vão querer aumentar a quantidade dos itens que possuem. Isso tudo considerando que a maior parte da nossa experiência ainda é mediada por telas de formatos muito limitados, retângulos sobre a mesa, pendurados na parede ou na palma da mão. Já temos experiências interativas com gadgets de áudio, porém com o avanço do 5G e da Internet das Coisas, muitas outras possibilidades vão se abrir. Questões como “por que comprar uma arte digital se não posso pendurar na minha parede?” não farão sentido algum quando surgirem novos suportes e ambientes para esses bens digitais.

Um dos maiores obstáculos para a realização desse cenário é um metaverso fechado, controlado por uma ou mais grandes empresas, sem interoperabilidade, tornar-se dominante. Pense no Facebook e seu Oculus como vencedor e imagine um metaverso operado com a mesma lógica do império de Mark Zuckerberg. Por isso há uma torcida para que o metaverso aberto na Web3 saia vencedor, obrigando as big tech a se adequar a essa realidade, não o contrário.

O futuro digital

Os NFTs estão demonstrando que existe um mercado para itens digitais, sem valores mediados por uma plataforma central e que possam ser exibidos em qualquer espaço virtual que se escolha. Há estudos que mostram que jogadores gastariam 63% mais em ativos digitais se eles tivessem valor no mundo físico.

Se jogadores já gastam, e muito, em ativos digitais que perdem quando param de jogar aquele game, dá pra imaginar o aumento desse consumo quando esses itens tiverem valor de revenda. Deixa de ser gasto e se transforma em investimento. Os NFTs podem ser a primeira criptografia desvinculada do sucesso do Bitcoin. Eles têm potencial de seguir como realidade mesmo que o Bitcoin perca todo seu valor e podem influenciar todos os softwares.

Essa, porém, ainda não é a realidade da Web3. As interfaces ainda são complicadas, pouco amigáveis para o usuário médio. Em breve, termos como blockchain ou NFT serão absorvidos e serão compreendidos de maneira direta. Ninguém precisa explicar os detalhes de funcionamento quando fala em e-mail hoje em dia. Mas lá no início, era necessário explicar.

Os processos serão internalizados, ficarão invisíveis, serão parte integrante da rede que nos conecta. Será tudo igual, mas completamente diferente. O futuro da internet está chegando. De novo.


Bruno Natal é apresentador do podcast RESUMIDO e sócio-fundador da Colectah, plataforma de NFTs com lançamento previsto para maio de 2021.

quarta-feira

4

setembro 2019

0

COMMENTS

RESUMIDO #29 — Manda um zap (21.97969-5848)

Written by , Posted in Digital, Urbanidades

No RESUMIDO #29:  armas sônicas, como tapear as câmeras de segurança e dificultar coleta de dados, baby shark, internet no brasil, o estado do jornalismo, bloqueio nas redes sociais, humor e censura, despacito nos samples, drama de aeroporto, inteligência artificial compondo discos e mais um bocado de coisas!

Abaixo, todos os links comentados nessa edição. O podcast está disponível em todas as plataformas, incluindo Spotify e Apple Podcasts.

Colabore com o RESUMIDO

RESUMIDO
Link to RESUMIDO

RESUMIDO

Assine e colabore diretamente para realização do RESUMIDO!

ENTREVISTA

bruno natal, a profile
Link to bruno natal, a profile

bruno natal, a profile

a longform on one of the biggest “internet culture authorities” around

JORNALISMO

Xamãs do Instagram: a invasão das ‘influencers’ da pseudociência
Link to Xamãs do Instagram: a invasão das ‘influencers’ da pseudociência

Xamãs do Instagram: a invasão das ‘influencers’ da pseudociência

Uma legião de jovens estilosas combina a narrativa do ‘empoderamento feminino’ com o negócio da pseudociência. As discípulas do ‘wellness’ criam um novo gênero de curandeiras que se alimenta do ativismo mesclado com feitiços ou pedras ‘curativas’

Cinco dos dez canais que explodiram no ranking do YouTube durante as eleições são de extrema direita
Link to Cinco dos dez canais que explodiram no ranking do YouTube durante as eleições são de extrema direita

Cinco dos dez canais que explodiram no ranking do YouTube durante as eleições são de extrema direita

Análise inédita mostra que algoritmo do Google ajudou bolsonaristas irrelevantes a bombarem durante as eleições.

DIGITAL

When cities weaponize sound
Link to When cities weaponize sound

When cities weaponize sound

Cities have long used hostile architecture to deter unwanted behavior, but now they have a new weapon: sound.

Sonic Warfare
Link to Sonic Warfare

Sonic Warfare

An exploration of the production, transmission, and mutation of affective tonality–when sound helps produce a bad vibe. Sound can be de…

How I Hid From Facial Recognition Surveillance Systems
Link to How I Hid From Facial Recognition Surveillance Systems

How I Hid From Facial Recognition Surveillance Systems

In a world of increasingly sophisticated facial-recognition technology, a drastic technique can throw the machines off your trail.

This Hat Can Fool a Face Recognition System Into Thinking You're Moby
Link to This Hat Can Fool a Face Recognition System Into Thinking You’re Moby

This Hat Can Fool a Face Recognition System Into Thinking You’re Moby

Researchers created an infrared light device that obscures your face from detection software and can even project someone else’s face onto your own.

Ring: "We don't use facial recognition"; also Ring: "We have a head of facial recognition research"
Link to Ring: “We don’t use facial recognition”; also Ring: “We have a head of facial recognition research”

Ring: “We don’t use facial recognition”; also Ring: “We have a head of facial recognition research”

One of the most obvious facts I’ve learned in covering the unfolding scandal of the secret deals between Amazon’s Ring surveillance doorbell group and hundreds of US police departments …

A new clothing line confuses automated license plate readers
Link to A new clothing line confuses automated license plate readers

A new clothing line confuses automated license plate readers

Garments from Adversarial Fashion feed junk data into surveillance cameras, in an effort to make their databases less effective.The news: Hacker and designer Kate Rose unveiled the new range of clothing at the DefCon cybersecurity conference in Las Vegas.

Uso da internet no Brasil cresce, e 70% da população está conectada
Link to Uso da internet no Brasil cresce, e 70% da população está conectada

Uso da internet no Brasil cresce, e 70% da população está conectada

Segundo pesquisa TIC Domicílios, 126,9 milhões de pessoas usaram a rede regularmente em 2018. Metade da população rural e das classes D e E agora têm acesso à internet.

Twitter won’t autoban neo-Nazis because the filters may ban GOP politicians
Link to Twitter won’t autoban neo-Nazis because the filters may ban GOP politicians

Twitter won’t autoban neo-Nazis because the filters may ban GOP politicians

Motherboard releases report on what (and who) the algorithmic content filters would ban.

Twitter thinks the word vagina is “vulgar, obscene and distasteful”, according to this thread
Link to Twitter thinks the word vagina is “vulgar, obscene and distasteful”, according to this thread

Twitter thinks the word vagina is “vulgar, obscene and distasteful”, according to this thread

It’s 2019 and women still need to explain that vagina is not a dirty word

CULTURA

How YACHT fed their old music to the machine and got a killer new album
Link to How YACHT fed their old music to the machine and got a killer new album

How YACHT fed their old music to the machine and got a killer new album

“I don’t know if we could’ve written it ourselves—it took a risk maybe we aren’t willing to.”

Chain Tripping, by YACHT
Link to Chain Tripping, by YACHT

Chain Tripping, by YACHT

10 track album

How the producers of Despacito use samples to create global hits
Link to How the producers of Despacito use samples to create global hits

How the producers of Despacito use samples to create global hits

The Future of Music season 2, episode 3

O funk e a criminalização da cultura periférica jovem no Brasil
Link to O funk e a criminalização da cultura periférica jovem no Brasil

O funk e a criminalização da cultura periférica jovem no Brasil

A prisão do DJ Rennan da Penha é uma nova face da história de repressão às manifestações populares do país.

Version Museum: A Visual History of Your Favorite Technology
Link to Version Museum: A Visual History of Your Favorite Technology

Version Museum: A Visual History of Your Favorite Technology

See the design evolution of your favorite websites, operating systems, and games over time. A comprehensive gallery with dozens of images per article.

RESUMIDO Tracks

Playlist semanal do RESUMIDO, atualizada a cada edição (se gostou muito de alguma música, salva!)

quarta-feira

24

abril 2019

0

COMMENTS

RESUMIDO #10 – Quanto custa a internet?
(convidados: Alexandre Matias e Bruno Torturra)

Written by , Posted in Digital, Urbanidades

Na edição de número 10 do RESUMIDO convidei os jornalistas Alexandre Matias e Bruno Torturra para conversar sobre os custos da internet. Muito além do aspecto financeiro, debatemos sobre o custo mental, social e político da rede em nossas vidas.

Abaixo, todos os links comentados no programa. O podcast está disponível em todas as plataformas, incluindo Spotify e Apple Podcasts.

Tecnologia

Influencers are flocking to a surprising new kind of social media
Link to Influencers are flocking to a surprising new kind of social media

Influencers are flocking to a surprising new kind of social media

350+ influencers with a collective audience of 3.5 billion people are flocking to a platform called Escapex, which gives them their own apps. It’s part of the next wave of social media focused on smaller, more private groups.

AI’s white guy problem isn’t going away
Link to AI’s white guy problem isn’t going away

AI’s white guy problem isn’t going away

A new report says current initiatives to fix the field’s diversity crisis are too narrow and shallow to be effective.

US facial recognition will cover 97 percent of departing airline passengers within four years
Link to US facial recognition will cover 97 percent of departing airline passengers within four years

US facial recognition will cover 97 percent of departing airline passengers within four years

Biometric Exit is already used at 15 US airports

The real reason why LUSH is deleting its social media accounts
Link to The real reason why LUSH is deleting its social media accounts

The real reason why LUSH is deleting its social media accounts

“We are tired of fighting with algorithms, and we do not want to pay to appear in your newsfeed.”

Amazon and Google Are Making Music Free — And That Could Be a Big Headache for Spotify
Link to Amazon and Google Are Making Music Free — And That Could Be a Big Headache for Spotify

Amazon and Google Are Making Music Free — And That Could Be a Big Headache for Spotify

Why more free streaming music options on your smart speaker at home spell trouble for Spotify

Variadas

Vencedora do prêmio 'Educador Nota 10' é atacada a tiros em Rondônia
Link to Vencedora do prêmio ‘Educador Nota 10’ é atacada a tiros em Rondônia

Vencedora do prêmio ‘Educador Nota 10’ é atacada a tiros em Rondônia

Além de ser uma dos 10 vencedores do prêmio, professora também ganhou na categoria Educador do Ano. Elisângela estava com marido a caminho de aldeia; ninguém se feriu.

Brazil’s Ancine Freezes Incentives, Threatening Film-TV Industry Paralysis
Link to Brazil’s Ancine Freezes Incentives, Threatening Film-TV Industry Paralysis

Brazil’s Ancine Freezes Incentives, Threatening Film-TV Industry Paralysis

Brazil’s Ancine agency, its foremost public-sector source of film funding, has frozen all of its incentive programs, potentially near paralyzing new production in Latin America’s biggest film-TV in…

Alexandria Ocasio-Cortez on Twitter
Link to Alexandria Ocasio-Cortez on Twitter

Alexandria Ocasio-Cortez on Twitter

“Climate change is here + we’ve got a deadline: 12 years left to cut emissions in half. A #GreenNewDeal is our plan for a world and a future worth fighting for. How did we get here? What is at stake? And where are we going? Please watch & share widely ⬇️ https://t.co/IMCtS86VXG”

NowThis on Twitter
Link to NowThis on Twitter

NowThis on Twitter

“CBD jelly beans are here from the man who created Jelly Belly https://t.co/WaTEImRtuL”

Drauzio Dichava #1 | Era uma vez uma planta
Link to Drauzio Dichava #1 | Era uma vez uma planta

Drauzio Dichava #1 | Era uma vez uma planta

A Marcha da Maconha começou discreta e foi alvo de forte repressão até se tornar um dos maiores movimentos pró-legalização do Brasil. Sua trajetória encontra…

INSIDER on Twitter
Link to INSIDER on Twitter

INSIDER on Twitter

“See why fish skin is being used as an alternative to treat burns in Brazil https://t.co/sHHuHG0ktQ”

Cultura

Endless Stories
Link to Endless Stories

Endless Stories

An interactive film based on a true story made with Getty Images’ photos and videos.

The Unlikely Rise of the Pastel de Nata, and Why It’s Suddenly Everywhere
Link to The Unlikely Rise of the Pastel de Nata, and Why It’s Suddenly Everywhere

The Unlikely Rise of the Pastel de Nata, and Why It’s Suddenly Everywhere

The centuries-old Portuguese treat has become a global brand, and a very modern marketing machine is pushing it.

RESUMIDO Tracks

Playlist semanal do RESUMIDO e atualizada todas as quartas (se gostou muito de alguma música, salva!)

quarta-feira

24

abril 2019

0

COMMENTS

RESUMIDO #10 – Quanto custa a internet? (convidados: Alexandre Matias e Bruno Torturra)

Written by , Posted in Digital, Urbanidades

Na edição de número 10 do RESUMIDO convidei os jornalistas Alexandre Matias e Bruno Torturra para conversar sobre os custos da internet. Muito além do aspecto financeiro, debatemos sobre o custo mental, social e político da rede em nossas vidas.

Abaixo, todos os links comentados no programa. O podcast está disponível em todas as plataformas, incluindo Spotify e Apple Podcasts.

Tecnologia

Influencers are flocking to a surprising new kind of social media
Link to Influencers are flocking to a surprising new kind of social media

Influencers are flocking to a surprising new kind of social media

350+ influencers with a collective audience of 3.5 billion people are flocking to a platform called Escapex, which gives them their own apps. It’s part of the next wave of social media focused on smaller, more private groups.

AI’s white guy problem isn’t going away
Link to AI’s white guy problem isn’t going away

AI’s white guy problem isn’t going away

A new report says current initiatives to fix the field’s diversity crisis are too narrow and shallow to be effective.

US facial recognition will cover 97 percent of departing airline passengers within four years
Link to US facial recognition will cover 97 percent of departing airline passengers within four years

US facial recognition will cover 97 percent of departing airline passengers within four years

Biometric Exit is already used at 15 US airports

The real reason why LUSH is deleting its social media accounts
Link to The real reason why LUSH is deleting its social media accounts

The real reason why LUSH is deleting its social media accounts

“We are tired of fighting with algorithms, and we do not want to pay to appear in your newsfeed.”

Amazon and Google Are Making Music Free — And That Could Be a Big Headache for Spotify
Link to Amazon and Google Are Making Music Free — And That Could Be a Big Headache for Spotify

Amazon and Google Are Making Music Free — And That Could Be a Big Headache for Spotify

Why more free streaming music options on your smart speaker at home spell trouble for Spotify

Variadas

Vencedora do prêmio 'Educador Nota 10' é atacada a tiros em Rondônia
Link to Vencedora do prêmio ‘Educador Nota 10’ é atacada a tiros em Rondônia

Vencedora do prêmio ‘Educador Nota 10’ é atacada a tiros em Rondônia

Além de ser uma dos 10 vencedores do prêmio, professora também ganhou na categoria Educador do Ano. Elisângela estava com marido a caminho de aldeia; ninguém se feriu.

Brazil’s Ancine Freezes Incentives, Threatening Film-TV Industry Paralysis
Link to Brazil’s Ancine Freezes Incentives, Threatening Film-TV Industry Paralysis

Brazil’s Ancine Freezes Incentives, Threatening Film-TV Industry Paralysis

Brazil’s Ancine agency, its foremost public-sector source of film funding, has frozen all of its incentive programs, potentially near paralyzing new production in Latin America’s biggest film-TV in…

Alexandria Ocasio-Cortez on Twitter
Link to Alexandria Ocasio-Cortez on Twitter

Alexandria Ocasio-Cortez on Twitter

“Climate change is here + we’ve got a deadline: 12 years left to cut emissions in half. A #GreenNewDeal is our plan for a world and a future worth fighting for. How did we get here? What is at stake? And where are we going? Please watch & share widely ⬇️ https://t.co/IMCtS86VXG”

NowThis on Twitter
Link to NowThis on Twitter

NowThis on Twitter

“CBD jelly beans are here from the man who created Jelly Belly https://t.co/WaTEImRtuL”

Drauzio Dichava #1 | Era uma vez uma planta
Link to Drauzio Dichava #1 | Era uma vez uma planta

Drauzio Dichava #1 | Era uma vez uma planta

A Marcha da Maconha começou discreta e foi alvo de forte repressão até se tornar um dos maiores movimentos pró-legalização do Brasil. Sua trajetória encontra…

INSIDER on Twitter
Link to INSIDER on Twitter

INSIDER on Twitter

“See why fish skin is being used as an alternative to treat burns in Brazil https://t.co/sHHuHG0ktQ”

Cultura

Endless Stories
Link to Endless Stories

Endless Stories

An interactive film based on a true story made with Getty Images’ photos and videos.

The Unlikely Rise of the Pastel de Nata, and Why It’s Suddenly Everywhere
Link to The Unlikely Rise of the Pastel de Nata, and Why It’s Suddenly Everywhere

The Unlikely Rise of the Pastel de Nata, and Why It’s Suddenly Everywhere

The centuries-old Portuguese treat has become a global brand, and a very modern marketing machine is pushing it.

RESUMIDO Tracks

Playlist semanal do RESUMIDO e atualizada todas as quartas (se gostou muito de alguma música, salva!)

segunda-feira

5

setembro 2016

0

COMMENTS

Como a China está mudando sua internet

Written by , Posted in Digital

China Internet URBe

Um vídeo feito pelo jornal The New York Times mostra como a China, antes tida como uma simples imitadora de sites e aplicativos, devido a restrição da internet, imposta pelo governo ditador, se tornou referência para os países ocidentais na criação de novos modelos e ideias tecnológicas. O que o WeChat faz é espantoso.

%d blogueiros gostam disto: