daniel ferro Archive

segunda-feira

14

agosto 2017

0

COMMENTS

Elza Soares e Pitty, “Na Pele”

Written by , Posted in Música

Diretor do clipe, Daniel Ferro falou um pouco da experiência de gravar com Elza Soares:

“Foi uma experiência surreal. A música é um soco no estômago. A responsabilidade que eu senti ao montar esse clipe, que ao mesmo tempo revisita um passado e celebra o presente de Elza, mexeu comigo de uma forma intensa. Fiquei com a adrenalina alta, sem dormir, um nó na garganta que ficou lá mesmo depois de terminar e receber os parabéns de Pitty e Elza. É, sem dúvidas, o meu clipe mais poderoso”

Assista:

segunda-feira

8

julho 2013

0

COMMENTS

Transcultura #117: Emo doc // BBNG

Written by , Posted in Imprensa, Música

Texto na da semana passada da “Transcultura”, coluna que publico todas as sextas no jornal O Globo:

Emos em momento revival
Diretor Daniel Ferro revisita confusa história do emo em documentário. Filme traz traz entrevistas com bandas como CPM22, Garage Fuzz, NXZero, Forfun, Fresno e Hateen
por Bruno Natal

Há bem pouco tempo, quando estava no auge, o emo era um dos estilos musicais mais repudiados do Brasil. Curiosamente, não havia exatamente uma definição clara do que era um som emo, e nessa, bandas tão diversas quanto Dead Fish, Fresno e Cine ganharam o mesmo rótulo.

O sucesso comercial passou, o sertanejo e o funknejo tomaram conta das paradas, e agora o diretor Daniel Ferro revisita essa confusa história no documentário “Do underground ao emo”, que estreou dia 2 no canal Biz e será exibido novamente amanhã (às 19h30m), domingo e segunda (às 15h30m). Ele traz entrevistas com bandas como CPM22, Garage Fuzz, NXZero, Forfun, Fresno e Hateen.

— A cena de hardcore melódico do Brasil surgiu em meados dos anos 1990, com bandas influenciadas pelo som californiano de grupos como Bad Religion e NOFX — explica o diretor. — As bandas tinham todas o conceito do “faça você mesmo”, e com isso se criou uma cena, com bandas trocando demos, fazendo shows onde pudessem montar seus amplificadores.

Com a abertura do Hangar 110, casa paulistana de shows punks, em 1998, o movimento teve seu epicentro em SP, fortalecendo essa cena. Com a quantidade de bandas crescendo exponencialmente, o emo, subgênero do hardcore melódico, foi o que mais cresceu, mesmo que nenhuma banda se chamasse assim naquela época.

— O emo nada mais era do que bandas com um som menos rápido e mais compassado, com letras introspectivas. O emo faz parte do punk rock, da mesma forma como o thrash faz parte do metal. Não existe transição, apenas bandas que se diferenciam dentro da mesma cena. Uma banda emo pode ser punk rock também — garante Ferro.

Para ele, o grande problema foi quando, no meio da década de 2000, a influência do punk pop de bandas como Blink-182 e My Chemical Romance fez o rótulo pegar, generalizando o termo.

— O emo vendido por aí se referia muito mais a uma moda comportamental do jovem “bunda-mole de condomínio que fazia beicinho e deixou crescer a franjinha”, como disse um dos entrevistados, do que ao som.

Apesar do preconceito, o diretor fala que o sentimento de quem participou daquela cena — da qual ele próprio fez parte, como baterista da banda Emo., contemporânea de Hill Valleys e Ack no Rio — é de orgulho.

— O bacana é ver a mobilização nas redes sociais por causa do filme, gente que se emocionou ao relembrar essa época, que foi uma aula de força de vontade. Foi um movimento no qual as bandas se organizaram de maneira 100% independente, lotando shows com oito mil pessoas. É uma história de vitória, mas com um sabor agridoce.

Tchequirau

O trio de hip hop instrumental BadBadNotGood fez fama online com suas versões jazz das músicas do Odd Future, foram banda de apoio do Frank Ocean no Coachella em 2012 e agora preparam seu novo disco. Por enquanto, apenas uma música foi lançada, “Hedron”.

segunda-feira

26

dezembro 2011

5

COMMENTS

Rock Estrada, “Rodolfo Abrantes”

Written by , Posted in Música

Bem legal o Rock Estrada do Rodolfo. Respeito total pela opção do ex-Raimundos, porém o material que ele produziu na transição entre os dois momentos de vida, quando as letras eram menos diretas, como “Quem Tem Coragem Não Finge”, poderiam ter chegado a mais gente.

http://youtu.be/fxaHIHJR7oE

quinta-feira

10

novembro 2011

4

COMMENTS

O vídeo oficial do Eu Quero Festival

Written by , Posted in Música

Resumo dos dois dias (feito pelo videomaker das estrelas e melhor editor de imagens de música do Brasil, Daniel Ferro), com entrevistas e trechos de show do Toro Y Moi, Broken Social Scene em sua derradeira apresentação, Beady Eye, Baleia, Holger, Driving Music, Bombay Bicycle Club… Foi demais. Muito feliz que deu tudo tão certo. E quem participou da mobilização do Queremos! ainda viu isso tudo de graça.

sexta-feira

28

outubro 2011

1

COMMENTS

Reel Big Fish, Goldfinger e os 90 voltando no Circo Voador

Written by , Posted in Música, Resenhas

O Daniel Ferro conferiu o show das duas bandas no Circo Voador e mandou seu relato:

“Lembra da febre Ska Californiano que bombou na MTV em 1998 com Rancid, Mighty Mighty Bosstones, Suicide Machines e companhia? Com quase 15 anos de atraso, Goldfinger e Reel Big Fish, dois representantes dessa onda, se apresentaram ontem no Circo Voador.

“Com a casa cheia (surpreendente para uma 4a feira de futebol ao vivo), público 90% masculino, o que se viu foram dois bons shows regado a muito ska com direito a naipe de metal, dancinha, pogo e até um stage dive por parte do vocalista do Goldfinger John Feldman, que escorregou no pulo e teve que tomar alguns pontos na perna antes de voltar pro bis.

“Os pontos altos, além dos hits de cada banda, foram os covers clássicos (The Cure, A-Ha, Specials e Van Morrison) em ritmo ska acelerado e uma mesma música do set do Reel Big Fish tocada em 4 versões diferentes – punk, disco, country hillbilly e metal – que valeu o ingresso.

“O ponto positivo é ver que o cenário “punk rock MTV” surgido no meio dos anos 90 continua firme e forte por aqui, já que em menos de um mês vimos o Bad Religion, MxPx, Goldfinger e Reel Big Fish em shows energéticos com boa resposta do público. Os contratantes agradecem.”

Os anos 90 estão voltando.

%d blogueiros gostam disto: