coletânea Archive

sexta-feira

30

julho 2010

0

COMMENTS

Chernobyl featuring Praga – "Balança"

Written by , Posted in Música

Parte da recém-lançada coletânea “Oi! Mais Um Discos”, Chernobyl mandou o kuduro “Balança”. Trata-se de um disco duplo apresentando novos nomes da música brasileira, bem escolhidos. Só não ficou claro se a interjeição antes do título tem algo a ver com a operadora de celular.

terça-feira

27

julho 2010

1

COMMENTS

quinta-feira

22

julho 2010

3

COMMENTS

terça-feira

25

maio 2010

0

COMMENTS

Bloody Pop Apresenta: "Ao Futuro"

Written by , Posted in Música

Dando um passo adiante ao trabalho que fazem de mapear os lançamentos nacionais independentes previstos para o ano, o pessoal do Bloody Pop organizou a coletânea “Ao Futuro”. Seguindo a mesma premissa, eles conseguiram que alguns artistas soltassem uma prévia dos seus trabalhos. É só baixar.

Bloody Pop apresenta: “Ao Futuro”:

01. Do Amor – “Chalé”
02. Supercordas – “Índico De Estrelas”
03. Inverness – “Cutting The Wind With A Knife”
04. L.A.B. – “Pornwave”
05. stella-viva – “Aeromoça”
06. Bazar Pamplona – “O Gringo”
07. Tulipa Ruiz – “Efêmera”
08. Forgotten Boys – “You Draw The Line”
09. Burro Morto – “Foda Do Futuro”
10. Cérebro Eletrônico – “Decência”

sexta-feira

14

maio 2010

1

COMMENTS

"OViolão" se espalha

Written by , Posted in Urbanidades


clique na imagem pra ampliar

O Leo Lichote fez uma matéria bacana sobre coletâneas online de novos artistas para o Segundo Caderno do jornal O Globo e falou da nossa “OViolão”, organizada por mim e pelo Matias e lançada aqui no OEsquema.

Abaixo está a íntegra do papo que ele bateu com a gente por e-mail.

Por que fazer um projeto como “OViolão”? E por que só voz e violão?

Bruno Natal: Não tinha muita pretensão, era mais pra juntar num mesmo projeto artistas independentes que fazem parte do dia-a-dia das notícias dos nossos blogues. A idéia do voz e violão é o batido “valorizar a composição”. Alguns desses artistas tem trabalhos experimentais, o que as vezes dificulta o entendimento por um público menos paciente.

Alexandre Matias: Queríamos também registrar essa geração como tal – não é um “movimento” ou uma “cena”, mas uma safra de compositores que nasceram na mesma época, aprenderam a gostar de música de um jeito parecido e teve que aprender como lidar com a música pós-MP3. A própria natureza do projeto – das gravações informais ao fato de ter sido lançado em dois blogs, sem dinheiro envolvido – acaba abordando esse ponto também.

Qual a importância (documental, cultural) de um projeto desse tipo?

BN: Apresentar esses artistas de uma maneira mais intimista, o que raramente eles fazem, é interessante.

AM: E mostrar que não importa se um é DJ, o outro é do rock ou da MPB. É tudo música.

Há o desejo de lançá-la fisicamente?

BN: A coletânea não foi feita com essa intenção, sequer foi masterizada apropriadamente. Poderia ser legal até, porém acho que o público de um projeto desses é forte online mesmo.

AM: O apelo é imediatista, é quase uma polaróide, enquanto registro…

Quantas composições são inéditas, quantas são novas versões?

BN: Todas são versões inéditas de músicas já compostas e gravadas com outros arranjos.

Vocês se inspiraram em outras iniciativas do tipo? Aliás, quais são as outras iniciativas do tipo (gringas e daqui)?

BN: Esse formato acústico não é exatamente uma novidade, mas também não tivemos essa preocupação. Foi mais pela curtição mesmo, pra ver no que dava. Uma iniciativa parecida, só que em vídeo, muito bacana são os “Les Concerts A Emporte”, do blogue francês La Blogoteque. Tem também o Música de Bolso, de São Paulo e o Pitchfork promove algumas coisas inéditas em vídeo.

AM: Estamos testando esses formatos não como uma gravadora ou um selo, mas como jornalistas mesmo. Jornalistas podem lançar discos? Outro dia o New York Times botou o disco do National inteiro pra ser ouvido no site do jornal – não era widget de gravadora nem embed do MySpace, tava hospedado no jornal. Tá tudo mudando, né? Não dá pra ficar parado, esperando o que vai acontecer…

Que critérios vocês usaram para escolher os artistas?

BN: Gosto pessoal e relevância artística em sua geração.

AM: E a amizade. Somos amigos de quase todos os envolvidos – um abraço a eles, aliás.

Conversamos sobre a proximidade que há entre esse tipo de projeto (canções lançadas sozinhas, sem um álbum a uni-las) e os antigos compactos. Mas a lógica não é exatamente a mesma, não? Que diferenças e semelhanças você vê entre um projeto como “OViolão” e, os singles atuais e os velhos compactos de vinil?

BN: No caso do “OViolão”, apesar de todos os artistas terem contribuído com músicas avulsas, todos obedeceram o mesmo critério, de experimentar e brincar com arranjos mais crus para suas canções.

AM: Acho que também nenhuma música se propõe “single” no sentido “música de trabalho”. São músicas que cairiam bem no meio do disco, numa roda de violão, no meio do show.

%d blogueiros gostam disto: