cgi Archive

quarta-feira

25

setembro 2019

0

COMMENTS

RESUMIDO #32 — 3,5%

Written by , Posted in Digital, Urbanidades

No RESUMIDO #32: o poder da mobilização, discursos na ONU, clima pesado, ferramentas de fake news, blogueiragem, vc é um produto, música de protesto, parasita, frango elétrico, Castelo e muito mais.

Abaixo, todos os links comentados nessa edição. O podcast está disponível em todas as plataformas, incluindo Spotify e Apple Podcasts.

Colabore com o RESUMIDO

RESUMIDO
Link to RESUMIDO

RESUMIDO

Assine e colabore diretamente para realização do RESUMIDO!

ATIVISMO

The '3.5% rule': How a small minority can change the world
Link to The ‘3.5% rule’: How a small minority can change the world

The ‘3.5% rule’: How a small minority can change the world

Nonviolent protests are twice as likely to succeed as armed conflicts – and those engaging a threshold of 3.5% of the population have never failed to bring about change.

Link to Ágatha ausente: a PM do Rio não respeita nem morte de criança – VICE

Ágatha ausente: a PM do Rio não respeita nem morte de criança – VICE

O clima de verão fora de época da semana passada foi quebrado por um fim de semana chuvoso e sombrio. Na noite de sexta dia 20, Ágatha Vitória Sales Felix, 8, deixou o plano terreno para entrar nas estatísticas. Ela é a quinta criança morta por bala perdida este ano, e a décima-sexta baleada segundo o levantamento da plataforma Fogo Cruzado. Dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) apontam 1249 mortes por intervenção de agentes do estado de janeiro a agosto. De família religiosa, Ágatha estava a bordo de uma Kombi quando foi alvejada por tiros disparados por policiais militares. Segundo relatos de moradores, os PMs teriam atirado contra motocliclistas que julgaram estar armados e erraram o tiro, acertando a menina de oito anos e indo embora sem prestar socorro. O fim de semana foi marcado por protestos, também por descaso do poder público e também provocações de uma parte da PM.Entre pai e tio da vítima, mãe carrega a boneca favorita de Ágatha. Entre pai e…

DIGITAL

100,000 free AI-generated headshots put stock photo companies on notice
Link to 100,000 free AI-generated headshots put stock photo companies on notice

100,000 free AI-generated headshots put stock photo companies on notice

For all your royalty-free photo needs

ThisPersonDoesNotExist.com uses AI to generate endless fake faces
Link to ThisPersonDoesNotExist.com uses AI to generate endless fake faces

ThisPersonDoesNotExist.com uses AI to generate endless fake faces

Hit refresh to lock eyes with another imaginary stranger

Blogueira cobrará R$ 14,90 para seguidores assistirem a seus stories no Instagram
Link to Blogueira cobrará R$ 14,90 para seguidores assistirem a seus stories no Instagram

Blogueira cobrará R$ 14,90 para seguidores assistirem a seus stories no Instagram

Virginia Fonseca tem 4,7 milhões de seguidores na rede social

Opinion | Jaron Lanier Fixes the Internet
Link to Opinion | Jaron Lanier Fixes the Internet

Opinion | Jaron Lanier Fixes the Internet

The Silicon Valley maverick has a radical vision for how we can all earn money from our data.

Jaron Lanier, pioneiro da internet, quer que você largue as redes sociais
Link to Jaron Lanier, pioneiro da internet, quer que você largue as redes sociais

Jaron Lanier, pioneiro da internet, quer que você largue as redes sociais

Em novo livro, argumenta que as redes estão acabando com a empatia e são ameaça à liberdade

Watch Free TV & Movies Online | Stream Full Length Videos | Tubi
Link to Watch Free TV & Movies Online | Stream Full Length Videos | Tubi

Watch Free TV & Movies Online | Stream Full Length Videos | Tubi

Watch free movies and TV shows online in HD on any device. Tubi – streaming movies and TV free.

VARIADAS

'Most political in years': critics hail Mercury prize's return to protest music
Link to ‘Most political in years’: critics hail Mercury prize’s return to protest music

‘Most political in years’: critics hail Mercury prize’s return to protest music

Artists including Little Simz and slowthai tackle climate crisis, austerity and racism

Artistas rebatem declaração de Milton de que 'música brasileira está uma merda'
Link to Artistas rebatem declaração de Milton de que ‘música brasileira está uma merda’

Artistas rebatem declaração de Milton de que ‘música brasileira está uma merda’

‘Não fazemos merda. Fazemos música’, escreveu a cantora Anelis Assumpção no Instagram

RESUMIDO Tracks

Playlist semanal do RESUMIDO, atualizada a cada edição (se gostou muito de alguma música, salva!)

terça-feira

11

outubro 2011

1

COMMENTS

terça-feira

20

julho 2010

1

COMMENTS

A pós-produção de "Avatar"

Written by , Posted in Urbanidades

Direto da sede da Microsoft em Seattle, onde trabalha, Rodrigo Hermann escreveu pra contar como foi uma palestra sobre a pós-produção de “Avatar” e de como o Gaia, programa criado em parceria, ajudou a administrar a tonelada de Petabytes gerado pelo filme:

Cerca de duas semana atrás, aqui mesmo no URBe, apareceu um texto sobre o Fernando Meirelles e seus problemas com os meios digitais por conta do exagero de material gerado e a trabalheira/grana gasta na pós producao. Eis que do nada eu tenho a chance de assistir uma palestra com quatro dos diretores artisticos do “Avatar” sobre as tecnologias criadas pro filme e como dar conta da quantidade de material gerada. Coincidências da vida e óbvio presença obrigatória.

De cara, o vencedor dor Oscar Richard Baneham disse que o fluxo de produção mudou, e se antes a montagem só rolava na pós producao, agora ela era feita na hora. O resultado é que o grosso da cena fica pronto ali mesmo, e a pós producao fica mais responsável por fazer o refinamento.

Outra mudança assustadora foi saber que enquanto antigamente toda a parte de efeitos especiais entrava depois da atuação, agora isso também passou a ser feito em paralelo. Jim Cameron filma, vê na hora o resultado com o efeitos aplicados (uma versão, crua mas suficiente), tendo a liberdade de desde refilmar a cena até opinar na arte dos efeitos, como colocar um chifre na criatura ou tirar uma árvore que andava atrapalhando o enquadramento desejado.

Com essa resposta em tempo real, a câmera virtual se torna algo tão palpável que é possivel controlá-la no mundo real. Tente imaginar o diretor segurando um monitor com localização espacial no mundo virtual, e a cada passo a frente que o diretor dá a cena projetada no monitor também avança. Pronto, você tem uma janela pro seu mundo virtual sendo usada como câmera.

Agora, imagine que esse mapeamento real/virtual não precisa ter um relacionamento um pra um, ou seja, se o diretor treme muito a câmera pode digitalmente suavizar o movimento, se o diretor anda um metro pra trás a câmera pode multiplicar esse metro por dez, um efeito de grua pode ser gerado sem colocar o diretor à metros de altura, enfim, as vantagens de se ter acesso imediato do resultado final são tão absurdas que torna no mínimo cômico imaginar como antigamente o resultado só poderia ser visto semanas depois.

Claro que todo esse material precisa ser catalogado, armazenado, replicado, seguro e principalmente ser de fácil acesso. A quantidade de dados é absurda, afinal não são só as cenas que entram na conta, considere também os modelos daquele mundo virtual gigantesco, milhoes de texturas em dezenas de resolucoes, animações para cada uma das criaturas, trocentas outras coisas que vc nem imagina e você logo logo se vê tendo que arranjar um jeito de organizar cerca de um petabyte de
dados. O que o Fernando Meireles reclama em relação a quantidade de material é pinto perto do que os produtores do Avatar encontraram pela frente.

A solução encontrada foi criar um produto em conjunto com a Microsoft responsável só pra isso. Foram necessários cerca de oito meses pra se chegar numa versao usável do Gaia, e durante todo o desenvolvimento do filme o produto continuou tendo funcionalidades adicionadas a medida que novos problemas surgiam.

A conclusão óbvia é que se nao fosse esse avanço tecnológico “Avatar” não teria conseguido sair do papel. Agora, o mais importante disso tudo e talvez não tão óbvio assim, é que foi mostrado um novo caminho a ser seguido, um novo pipeline na produção. E se não há dúvida que “Avatar” foi um sucesso de público, também não resta dúvida que esse novo processo vai revolucionar a forma de se fazer cinema daqui pra frente.

%d blogueiros gostam disto: