atlântico negro Archive

quarta-feira

23

dezembro 2009

34

COMMENTS

10 melhores discos nacionais de 2009

Written by , Posted in Música

Listinha difícil de fazer esse ano, viu… Normalmente a briga é boa, dessa vez achei até bem tranquila. Os 10 são muito bons, porém normalmente pelo menos outros 10 candidatos ficam de fora. Esse ano não. Abaixo, a lista de melhores discos nacionais de 2009 do URBe.

10.

Otto, “Certa Manhã Acordei De Sonhos Intranquilos”

9.

Wado, “Atlântico Negro”

8.

Lulina, “Cristalina”

7.

Céu, “Vagarosa”

6.

Letuce, “Plano De Fuga Pra Cima Dos Outros e De Mim”

5.

Emicida, “Pra Quem Já Mordeu Um Cachorro Por Comida, Até Que Eu Cheguei Longe”

4.

Mallu Magalhães, “Mallu Magalhães”

3.

Arnaldo Antunes, “Iê, Iê, Iê”

2.

Cidadão Intigado, “Uhuuu!”

1.

Lucas Santtana, “Sem Nostalgia”

sexta-feira

9

outubro 2009

0

COMMENTS

terça-feira

21

julho 2009

1

COMMENTS

quarta-feira

11

fevereiro 2009

14

COMMENTS

Wado e o “Atlântico Negro”

Written by , Posted in Música


foto: Maurício Vianna

Preparando seu novo disco, “Atlântico Negro” (seu quinto), Wado, um dos favoritos da casa, enviou uma demo de uma das músicas e liberou para ser compartilhar aqui no URBe.

É uma versão de uma música das Baianas de Santa Luzia do Norte, chamada “Boa tarde povo” – já gravada pelo Botecoeletro, como apontado nos comentários.


Wado“Boa tarde povo”

Na Gazeta de Alagoas, Wado fala sobre o disco, viabilizado com um patrocínio da Funarte e comtemplado no Projeto Pixinguinha — o que significa que o disco sai em formato físico e haverá uma turnê:

No meio do processo de criação, Wado vai gravando as músicas. Algumas certamente estarão no seu próximo CD, outras podem não entrar. Até o momento, ele arrisca dizer que o disco tem “uma metade bem festeira e uma metade mais triste, meio A Farsa do Samba Nublado”. O flerte com os ritmos e as expressões categorizadas como de países de terceiro mundo continua. “Este disco tem se mostrado até agora bem mergulhado no afoxé. Ele trata da diáspora negra e dos ritmos que isso gerou pelo mundo. Tem mais violão e guitarra. Não sei se quem vai mixar vai preservar isso, mas é um disco mais orgânico do que o anterior”, explica.
Bônus: aos poucos, com paciência, Wado construiu e fortaleceu uma carreira em nível local e nacional. Artista solo desde 2000, ele permanece na estrada e vira na reta que leva ao quinto disco. As gravações começaram no final de 2007. Com a comodidade dos estúdios caseiros, ele vai formatando sua obra como deseja. Quando precisa utilizar um estúdio mais caro, mete a mão no bolso. Ao lado de Tup e Dinho Zampier, vai moldando sua nova empreitada, acompanhado de Rodrigo Peixe (bateria) e Bruno Cavalcanti (baixo), sem esquecer dos “compositores de bairros distantes”. Com o prêmio do projeto Pixinguinha, vai bancar mixagem e masterização em nível profissional. Modesto, não cria expectativas sobre a nova obra e acredita que ela “não vai reverberar muito além do que os outros trabalhos tiveram, caso eu continue morando por aqui”.

Está programado para sair em julho de 2009.

%d blogueiros gostam disto: