quarta-feira

10

novembro 2010

0

COMMENTS

Transcultura #026 (O Globo): Caribou, Gregory Isaacs

Written by , Posted in Imprensa

Texto da semana retrasada da coluna “Transcultura” que publico todas as sextas no jornal O Globo:

Caribou ao vivo em até 140 caracteres
por Bruno Natal de São Paulo, via @URBe

@URBe No Clash Club, SP, pra assistir Gold Panda e Caribou. Como queria um lugar desses no Rio. 2 mil pessoas, som bonzão.

@URBe Peguei só um pedacinho do Gold Panda, bem bom. Camadas de ruído pulsando com vocais mântricos.

@URBe Enquanto o Caribou não comeca aqui em LondreSP, “Bitte Orca”, do Dirty Projectors, inteiro tocando.

@URBe Começa Caribou. Batera, baixo, guitarras e um teclado, por enquanto quieto. Indie desde 1900 e Manitoba.

@URBe Folktronica, eletronica, shoegaze, psicodélico, do que não foi chamado Daniel Snaith e seu Caribou?

@URBe O teclado chegou e disse pros dedos do Caribou: “Insomnia! Tan tan tch tan tan…”

@URBe Teclado e bateria na frente, baixo e guitarra atrás. A disposição do Caribou no palco também desenha o som, um pouco reto demais.

@URBe Enquanto o Caribou não pousa, Diogo 1 x 1 Ronaldo, é isso?

@URBe Snaith manda um alô pro Four Tet, vai se distanciando do experimentalismo e reconduz o show para o lado mais “pop” do disco “Swim”.

@URBe Distorcao, guitarras cheias de efeito, ruídos, o Caribou pede pra avisar: os anos 90 tão em cima.

@URBe Entao blz: a volta da eletrônica anos 90 será o retorno de estacatos de cordas synth. Os hip hops de academia estão entupido disso tbm.

@URBe Pensei que tinha me distraído no show do Field Day, mas ao vivo Caribou é dispersivo mesmo. Bastante gente já partiu.

@URBe Pra encerrar o show, “Sun”. A galera gostou. Solta o freio de mão, Caribou!

@URBe Caribou: nota dos presentes: @tcompagnoni 7,5; @pedroseiler 6,5; @fcontinentino 7; xarope 7. Dou 6,5, lugar muito melhor que o show.

Tchequirau

A semana começou muito mal, com a notícia de que Gregory Isaacs foi cantar pra Jah. Aproveite o final de semana para ouvir a discografia do Cool Ruler, ou apenas o clássico “Night Nurse”, de de 1982.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: