segunda-feira

24

fevereiro 2014

13

COMMENTS

O recado de Llewyn Davis para nova geração

Written by , Posted in Destaque, Imagem, Música, Resenhas

LlewynDavis_Alison Rosa ©2012 Long Strange Trip LLC
foto: Alison Rosa ©2012 Long Strange Trip LLC / via página oficial do filme

Protagonista de , “Inside Llewyn Davis”, novo filme dos irmãos Cohen sobre a dura vida de um compositor de folk no início dos anos 60 em NY, a trajetória de Llewyn Davis deixa um recado para atual geração de artistas: não é só porque você sabe fazer música bem que vai viver disso.

Ao contrário do que pode parecer, não se trata de uma obra menor na filmografia dos Cohen – e o gato tem muito a ver com isso (cuidado que ambos os links contém spoilers).

Siga a leitura apenas se você já assistiu o filme ou não se importa em saber detalhes reveladores da trama. Abaixo tem detalhes do interessante uso de um roteiro não-linear. Se alguém quiser opinar ou tiver alguma teoria, compartilhe.

É intrigante tentar entender o significado das duas narrativas paralelas causadas por uma quebra de linearidade na história logo no início do filme. O mesmo Llewyn vive duas histórias diferentes, embora seja difícil entender em que ponto se dá a bifurcação ou reviravolta que levaria a dois destinos diferentes no mesmo filme. Não encontrei nada de relevante escrito a esse respeito por quem entende do riscado.

No resumo simplista das principais cenas do filme abaixo (marquei com um “***” as partes onde se dão as quebras de linearidade e/ou alterações na narrativa no roteiro) dá pra relembrar as duas narrativas apresentadas:

– O filme começa com Llewyn tocando “Hang Me, Oh Hang Me”, encerrando seu show no Gaslight. Ele fala que o público já deve ter ouvido aquela antes, conversa com dono de bar, que o avisa que tem alguém o esperando do lado de fora.

– Llewyn sai do bar e entra na porrada por conta dos gracinhas proferidos da noite anterior.

***

– Fade out/fade in e Lewyn acorda no apartamento dos amigos mais velhos que o ajudam vez ou outra. Ele não tem marcas de socos no rosto, portanto entende-se que houve uma passagem de tempo: um flashback ou um flashforward.

– Llewyn acorda com gato na sua cara, gato pula pra janela

– Ao deixar o apartamento, o gato foge. Ele bate um papo com o ascensorista no elevador

– Llewyn vai na casa do Jim & Jean e Jean conta que está grávida

– Numa noite, Llewyn destrata a mulher do casal de amigos mais velhos que eventualmente o ajuda porque ela começa a cantar junto com ele.

– Llewyn viaja pra Chicago, se dá mal numa audição com um poderoso da indústria e volta pra NY.

– Desiludido com a carreira, Llewyn tenta retomar a carreira na marinha mercante, mas até isso dá errado pois ele perdeu sua carteirinha do sindicato.

– Sem muitas opções, ele volta a casa de Jim & Jean para pedir para deixar suas coisas por lá. Jean conta que conseguiu incluí-lo numa apresentação no Gaslight na noite seguinte, que teria a presença de jornalistas.

– Na noite anterior ao seu show, Llewyn vai ao Gaslight, enche a cara e xinga a mulher que se apresenta.

– Bêbado, ele vai para casa dos amigos mais velhos, pede desculpas pela briga em sua última visita, e dorme lá.


***

– Llewyn acorda com o gato na sua cara, mas dessa vez o bichano sai pelo outro lado da cama. Todo resto da cena é idêntico. Ou seja, a cena do início do filme era mesmo um flashback, por isso Llewyn não tinha as marcas dos socos, pois ainda não havia apanhado.

– Ao sair do apartamento, dessa vez o gato não foge.

– Llewyn passa em frente a um cinema anunciando um filme da Disney estrelando um gato, “The Incredible Journey”.

– Já no Gaslight, Llewyn toca “Hang Me, Oh Hang Me” e faz a mesma piada da cena início do filme sobre já conhecerem aquela música, também com a mesma roupa.

– Só que dessa vez em vez de encerrar o show com “Hang Me, Oh Hang Me”, Llewyn ainda toca “Fare Thee Well”.

– Ele acaba aplaudido, conversa com dono de bar de vermelho que o avisa que tem um amigo aguarando-o do lado de fora.

– Llewyn sai do bar e vemos Bob Dylan começando seu show.

– Do lado de fora do bar, Llewyn apanha. É exatamente a mesma cena do início do filme, mas dessa vez sabemos porque ele está apanhando.

– Fim do filme.

Resumindo: na segunda realidade, quando o gato não foge da casa, todo o resto do filme não acontece. Da saída da casa, vamos direto para as duas noites no Gaslight (quando ele xinga a catora e quando ele apanha).

É aí que esse flashback fica bastante confuso. Por um lado, sugere que ao não perder o gato a vida de Llewyn toma um rumo diferente e bem mais simples (o que faz bastante sentido, ainda mais o gato sendo uma representação tanto dele próprio quanto do sucesso), Porém, independente dele perder ou não o gato, ele chegou aquele dia através da história que acabamos de assistir. Se ele não perde o gato e vamos direto para o Gaslight, onde estava Llewyn antes de dormir na casa dos amigos mais velhos?

Duvido muito que seja um buraco no roteiro, mesmo porque seria muito grosseiro. Difícil é entender onde a história se bifurca. E fica a certeza que os Cohen não dão mole nem quando usam um clichê tão batido quanto um flashback.

Deixe uma resposta

13 Comments

  1. Victor
  2. Ribas
  3. Ribas
  4. Ribas
  5. Ribas

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: