sexta-feira

22

fevereiro 2013

0

COMMENTS

Encontrando sem procurar, a busca de “Searching for Sugar Man”

Written by , Posted in Imagem, Música, Resenhas

Não sinta-se desinformado musicalmente se você não conhece Sixtoo Rodriguez. Praticamente ninguém fora da África do Sul conhecia o compositor, nem mesmo na sua terra natal, os EUA, até o lançamento de “Searching for Sugar Man” (algo como “Buscando Sugar Man”, apelido do cantor tirado do título de uma de suas músicas).

Do mesmo produtor de “Man on Wire”, o documentário conta a fantástica histórica de Rodriguez, pedreiro nos EUA, estrela “maior que Elvis Presley” na África do Sul. Depois que seu primeiro disco, totalmente ignorado no resto do mundo, foi parar na África de Sul e serviu de trilha para os protestos contra o apartheid, Rodriguez se tornou uma lenda. Lenda mesmo, já que os relatos oficiais na África do Sul eram de que havia se suicidado ainda jovem.

Até que um jornalista descobre que o compositor está vivo e história desenrola-se. Esse é o argumento do filme, porém o valor de “Searching for Sugar Man” está além da história incrível.

Entre as muitas camadas do filme, tem a história de amor de fãs por um músico. Tem a análise de como a verdade impressa pode assumir o papel de verdade absoluta, mesmo após a abertura de um regime violento, até alguém simplesmente questionar, perguntar. E se por um lado é uma ode a indústria, sempre falando em dinheiro, por outro é uma hino ao compartilhamento de arquivos (físicos, no caso, vinis mesmo), que fizeram Rodriguez, o músico, ainda existir. E novamente ao amor a música, através das simples atitudes e reações do compositor a tudo que acontece.

Como “The Devil and Daniel Johnston” (dá pra assistir online), “Searching for Sugar Man” é um filme que convete o espectador mais desinformado em um fã. O filme repercutiu bastante e, não por acaso, Rodriguez toca no Primavera Sound, no Coachella e em outros festivais esse ano.

Acima de tudo, é uma história que nunca mais deve se repetir. O equivalente musical do jabuti desaparecido por 30 anos. Falar qualquer coisa a mais pode estragar o filme.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: