quarta-feira

24

março 2010

32

COMMENTS

Daime… paciência: jornalismo, sensacionalismo e (des)informação

Written by , Posted in Urbanidades

A diferença já começa pelas capas: a foto as cores, as chamadas, a (falta de) isenção.

Com o assassinato do cartunista Glauco, o assunto Santo Daime voltou com força `a pauta da grande imprensa. É uma pena que raramente assuntos importantes sejam discutidos sem que para isso seja necessário uma tragédia para as pessoas prestarem atenção.

Tenho uma relação pessoal com o Santo Daime, através de familiares. Já participei e presenciei cultos, sérios e organizados, longe dos grandes centros urbanos onde, parece, a doutrina sofre para manter seus principais fundamentos. É uma experiência intensa e nem de longe recreativa, como alguns textos fazem parecer.

Como era de se esperar, Veja e Época, as duas principais revistas semanais do Brasil, estamparam o Santo Daime em suas capas. E como, de novo, era de se esperar, quem lê a matéria da Veja encontra um festival de desinformação. A Época foi mais equilibada.

Em meio a histeria, os termos “droga”, “alucinógeno” e “seita” têm sido utilizado com frequência. Isso é perigoso, pois exclui da equação um elemento importante, que é a transdendência, o efeito do transe provocado pelo próprio culto e pela auto-sugestão.

É normal, e já presenciei pessoalmente, gente que tomou todas as doses do culto e afirmar que não sentiu nada. Isso ressalta a importância da crença para sentir os efeitos do chá. Uma comparação possível seria com o poder dos placebos, sem com isso querer dizer que o Daime não tenha substâncias psicoativas.

Voltando as revistas, a matéria da Veja chama-se “Alucinação Assassina” e na capa lê-se:

“O psicótico e o Daime – até que ponto se justifica a tolerância com uma dorga alucinógena usada em rituais de uma seita?”

Mesmo poucos dias após o crime, cometido em circusntâncias tão complexas, envolvendo um viciado em drogas com distúrbios psiquícos, Veja não precisou de muito tempo para ser taxativa. Dentro da revista, repetiu o título da capa, adicionando:

“Tomar o chá alucinógeno da seita Santo Daime quando se tem um transtorno psíquico, afirmam especialistas, é o mesmo que jogar gasolina sobre um incêndio. Tudo indica que foi o caso de Cadu, o assassino do cartunista Glauco e de seu filho Raoni.”

Enquanto isso, a Época foi mais responsável. Com o título de “O Doido, o Daime & o crime”, a reportagem questiona mais do que afirma. Na capa, trazia o sub-título, com uma pergunta:

“O Daime provocou o crime? A morte do cartunista Glauco reacende o debate sobre o uso da droga indígena ayahuasca em rituais religiosos”

Preferiu-se “rituais religiosos” no lugar de “seita” e houve inclusive um cuidado de botar o “Doido” antes do “Daime” na hierarquia dos acontecimentos. Poderiam ter ido além e ter colocado o nome do chá após o “crime”, pois nessa história confusa ainda não ficou claro — e talvez nunca fique — qual o grau de importância do consumo do Daime para o que aconteceu.

Muitos outros fatores entram em foco nesse crime e pode-se iluminar qualquer um deles no lugar do chá: “classe média sem limites”, “jovens viciados”, “fácil acesso a armas”, “violência urbana”. A bem da verdade, nas cidades de hoje, infelizmente isso poderia ter acontecido de qualquer jeito, em qualquer outro lugar, como aliás, repetidas vezes acontecem.

Continuando com seus questionamentos — lembre-se que a publicação dessas revista se deu poucos dias após o crime, deixando pouco tempo para apurações mais profundas — a Época abriu a matéria com o seguinte sub-título, novamente uma pergunta:

“Qual a relação enter o consumo religioso da ayahuasca e o comportamenteo psicótico do assassino do cartunista Glauco?”

E ainda destacou:

“A família não internou Cadu mesmo depois de um surto, há três meses”

“O pai de Cadu diz que pediu a Glauco que não desse o chá a seu filho”

Outro semanário relevante, a Istoé havia dado capa para o Daime em fevereiro, quando o seu uso foi regulamentado, e ficou amarrada, sem querer repetir o tema. No saite da revista, encontra-se apenas uma entrevista em vídeo, descontextualizada, com a mãe de um suicida que, segundo ela, participava de rituais do Santo Daime.

Para efeito de comparação, o último parágrafo dos dois textos discutidos aqui servem para ilustrar a enorme diferença de abordagem. Primeiro, o da Veja:

“Na semana passada, uma entidade da Bahia chamada Associação Brasileira de Estudos Sociais do Uso de Psicoativos entrou com uma petição no Supremo Tribunal Federal pedindo a liberação da maconha “para uso terapêutico e religioso”. Caso a petição seja aceita, são grandes as chances de outras drogas entrarem para o rol de “sagradas”. Tolerância em excesso [NE: da família?], combinada com negligência na mesma medida e uma boa dose de vulnerabilidade, física ou emocional das partes envolvidas: eis uma boa receita para construir uma tragédia.”

[NE: os destaques são meus, as chaves também]

Na ânsia de demonizar o Santo Daime, a combinação de fatores proposta pela Veja é tão extensa e específica que dá a impressão de que as chances de algo assim se repetir são pequenas.

Agora, o parágrafo de encerramento da Época:

“É natural que, após a morte em circusntâncias estranhas de alguém tão conhecido como Glauco, surjam dúvidas e suspeitas em relação ao ambiente em que o crime foi formentado. Cadu Nunes podia ser desequilibrado. Mas recebeu abrigo no Céu de Maria, partilhou sua bebida alucinógena e, ali, travou relações com quem viria a matar, Glauco e seu filho mais velho. Não há necessariamente entre esses acontecimentos uma relação direta de causa e efeito. Mas é difícil afirmar que os fatos não guardam nenhum tipo de relação. Tendo emergido da mata e do meio caboclo, o santo-daime encontrou nos centros urbanos uma complexidade de problemas que seus fundadores não poderiam imaginar. Agora regulamentado pelo governo, cercado de regras para impedir abuso, o uso religioso da ayahuasca floresce. Rápido demais, aparentemente. Talvez fosse hora de o mesmo governo que legitimou a droga cuidar melhor da fiscalizaão de seu uso nas igrejas do daime. O Brasil não quer a morte de outros Glaucos nas mãos de outros Cadus.”

Como se vê, as abordagens são totalmente diferentes. É inegável que é necessário regulamentação e fiscalização para evitar tragédias, isso só vai ajudar. Não apenas em relação ao Daime, mas também a diversas outras substâncias disponíveis.

O que não pode acontecer é tomar a parte pelo todo — pior, a parte negativa — e setenciar uma cultura e religião de um século que utiliza um chá milenar (já que para muitos o tempo de existência parece importante na avaliação de uma religião) por conta do descontrole de um indíviduo.

O Estadão publicou uma reportagem e uma entrevista esclarecedora com Henrique Carneiro, professor de História da Universidade de São Paulo (USP) e fundador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos (Neip). Começa assim:

Estadão: Como entender os significados distintos que têm a droga no mundo de hoje?

Henrique: Em primeiro lugar, há um fenômeno contemporâneo de exacerbação do uso não apenas de drogas. É bom destacar: em relação à alimentação, o processo é análogo. Há um mal-estar da cultura contemporânea ligado ao fenômeno da publicidade, à difusão consumista de uma série de produtos, que faz com que drogas, remédios, comida, tudo aquilo que o corpo ingere tenha uma faceta compulsiva. Outro fenômeno é a espiritualização, digamos assim, de um certo consumo de drogas a partir da influência de tradições religiosas indígenas ou ligadas a uma mística oriental – uma herança da contracultura no pós-guerra. Ambas se encontram no caso Glauco.

Estadão: No início deste ano o governo legalizou seu uso. Houve quem dissesse que a medida abre uma brecha ao tráfico. Há esse risco?

Henrique: É o oposto: a manutenção em alguma forma de clandestinidade é que tornaria o tráfico atrativo. O daime e outras religiões ayahuasqueiras são legados em certa medida da tradição dos anos 60, que resistem a essa tendência de uso profano, alienado, destrutivo de drogas. No Acre ele é uma verdadeira instituição e passa por um processo semelhante ao dos cultos afro-brasileiros: há uma assimilação tardia de sua herança indígena pela cultura brasileira. Mas um aspecto para o qual ninguém está chamando a atenção é o uso abusivo de remédios farmacêuticos. O número de farmácias no Brasil é superior ao recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O segundo medicamento mais vendido no País (o número 1 é o contraceptivo Microvlar) é o Rivotril, um benzodiazepínico que só pode ser consumido de forma criteriosa. Alguém perguntou se o rapaz estava sob efeito ou carência de medicação controlada?

[NE: os destaques são meus]

Como se vê, a questão é muito maior, abrangendo muitos outros pontos além do Daime. Tentar reduzir ou simplificar é, no mínimo, uma atitude irresponsável.

Anúncios

Deixe uma resposta

32 Comments

  1. Bruno Natal
  2. Juju
  3. @garotacenoura
  4. zubreu
  5. Edson
  6. HALYSSON
  7. duda
  8. Antonio
  9. Fabiana
  10. Bruno Natal
  11. Marcos Bnelux
  12. bianca
  13. Denison Carneiro
  14. Maíra Fernandes de Melo
  15. Renata Neves
  16. Bruno Natal
  17. Lúcio
  18. Bruno Natal

Deixe uma resposta

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: