domingo

19

fevereiro 2006

10

COMMENTS

A marcha dos pinguins

Written by , Posted in Resenhas

rollingstones_ivogonzalez.jpg
foto: Ivo Gonzalez (O Globo)

1 milhão e 200 mil pessoas se espremeram na praia de Copacabana para assistir o maior show de rock da história. Fora os outros milhões que viram pela televisão mundo afora e os outros milhares que ainda vão conferir nos cinemas e em DVD, até o final do ano.

De graça não foi. Além do patrocínio de uma empresa telefônica, a prefeitura do Rio desembolsou R$ 1.600.000, fato bastante questionado na imprensa. Cada um dos presentes pagou, via impostos, cerca de R$1,33 pelo show, barato até. E um bom investimento, considerando-se o retorno de imagem conseguido pela Cidade Maravilhosa.

O caos aguardado (ansiosamente por alguns), não veio. Cheguei faltando uns 30 minutos para o show e consegui ficar relativamente bem posicionado, junto a primeira torre de som. O que não significa que chegar até ali tenha sido fácil.

Depois de ser convidado a sair do táxi ainda na Lagoa (“amigão, daqui pra frente é melhor você ir andando”), caminhei pela orla da Rodrigo de Freitas e cruzei a praia de Copacabana praticamente de ponta-a-ponta. Como os pinguins do documentário francês, milhares de pessoas faziam caminho igual, indo na mesma direção quase que instintivamente.

Faltava encontrar os amigos. Pra você ter uma idéia do clima que imperava, enquanto estava concentrado no celular, mandando torpedos para diversas pessoas na esperança de encontrar alguém, fui interrompido pelo seguinte diálogo:

— Cumpadi, você é daqui?

— Sou.

— Você conhece esse cara de gola laranja, atrás de você?

— Qual?

— Esse aí. Ele tá contigo?

— Não.

— Então se liga que ele tá te marcando.

— Opa, valeu.

Camaradagem total. Show que é bom, deu pra ver pouco. As caixas ao meu lado não funcionavam e, tirando a hora que o palco deslizou para frente, a boca de cena estava encoberta por estruturas metálicas de som, luz e TV. O lance era entrar no clima, jogar cerveja pro alto, gritar rolitóne!, essas coisas.

Ao final da apresentação, a meia-noite, o público literalmente voltou no tempo. Não aos anos 70, como queriam fazer crer a tonelada de reportagens no estilo freak show (idosos, um deles alcóolatra, fazem show de rock em Copacabana, você não pode perder!) que precederam o show. Foi só o fim do horário de verão, obrigando os relógios serem atrasados em uma hora.

Apenas rock and roll, e eu gosto. Não dava pra perder.

Anúncios

Deixe uma resposta

10 Comments

  1. Carol *
  2. Antonio
  3. Joca
  4. Rod
  5. Rodrigo Hermann

Deixe uma resposta

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: