domenico lancelotti Archive

quarta-feira

27

dezembro 2017

0

COMMENTS

Os bons discos de 2017

Written by , Posted in Música

A cada ano as muitas listas de melhores discos tem ficado cada vez menos homogêneas. E isso é muito bom.

O volume de lançamentos atual – e o fácil acesso a praticamente todos eles – torna impossivel dar conta de tudo.

Cada um entra numa viagem pessoal nas diversas plataformas de streaming, 3′ que um disco te leva a outro e a cada curva nesse emaranhado de gravações torna a experiência úmica.

Sim, as unanimidades seguem surgindo e e por mais que alguns discos pareçam onipresentes, isso vai se tornando cada vez mais a excessão do que a regra.

Como venho fazendo há alguns anos, em vez de “melhores”, temos os “bons discos de 2017. Esse ano juntei no mesmo post os brasileiros e de outros lugares do mundo (até onde consegui acompanhar).

Num universo cada vez mais voltado aos singles e repleto de bandas de uma música só, ouvir um disco inteiro é cada vez mais uma experiência especial.

E para o ouvinte, inundado de opções, essas listas talvez sirvam mais como um guia, iluminando o que possa ter passado batido – inclusive discaços de bandas que as vezes parecem de uma música só.

Vamos a turma de 2017. Em cada bloco, destaque para o mais importante na lista, o restante segue sem nenhum ordem especial.

Abaixo, uma playlist com uma música de cada disco escolhido pra facilitar chgar a cada um deles.

Segue a lista!

Brasil

Lucas Santtana, “Modo Avião”

O baiano Lucas inovou em seu sétimo disco. “Modo Avião” é um áudio-filme, termo cunhado por ele para definir a combinação de músicas e literatura em que um formato alimenta o outro para contar uma história. O disco físico é acompanhado de um livro de ilustrações, mas a melhor forma de acompanhar a história é de olhos fechados. Como o título deixa explícito, o disco é um convite a se desplugar e praticar um hábito que parece perdido: parar tudo e ouvir um disco, do início ao fim. Se a proposta soa ousada, quase um desafio nos tempos atuais, torna o bom resultado musical final ainda mais relevante, quase um manifesto.

Rincon Sapiência, “Galanga”

Felipe S, “Cabeça de Felipe”

Domenico Lancelotti, “Serra dos Órgãos”

Castello Branco, “Sintoma”

Mari Romano, “Romance Modelo”

Chico Buarque, “Caravanas”

Baco Exú do Blues, “Esú”

Letrux, “Em Noite de Climão”

Otto, “Ottomatopeia”

Cícero, “Cícero & Albatroz”

Mundo

Kendrick Lamar, “DAMN.”

Kendrick segue dominando o cenário hip hop mesmo quando faz “concessões” em prol de um disco “mais pop” (na definição dlee próprio). Letras, temas, bases, clipes e técnica de divisão e abrangência vocal impresionantes (antes, com uma banda ao vivo, ainda entregava um showzão) colocam Kendrick no topo, mesmo sem liderar a corrida de hits em que se transformou a cena.

Cosmo Pyke, “Just Cosmo”

Thundercat, “Drunk”

Mount Kimbie, “Love What Survives”

War on Drugs, “A deeper understanding”

Chastity Belt, “I Used to Spend So Much Time Alone”

Curtis Harding, “Face Your Fear”

Sampha, “Process”

Moses Sumney, “Aromanticism”

SZA, “Ctrl”

Mac DeMarco, “This Old Dog”

Anúncios

quinta-feira

30

outubro 2014

2

COMMENTS

quarta-feira

7

agosto 2013

1

COMMENTS

Transcultura #119: Trio Eterno // SL-700

Written by , Posted in Imprensa, Música

trioeterno

Texto na da semana passada da “Transcultura”, coluna que publico todas as sextas no jornal O Globo:

Integrantes do Mombojó e do Bonsucesso Samba Clube formam nova banda
Trio Eterno lança disco coalhado de convidados
por Bruno Natal

A extensa lista de participações de “Suíte Pistache”, estreia do Trio Eterno — projeto de Felipe S (Mombojó), André Édipo (Bonsucesso Samba Clube) e Missionário José — dá uma boa ideia do que se esperar em termos de sonoridade. Lá estão Dengue (Nação Zumbi), Júlio Epifany (Stella Viva), Vicente Machado, Marcelo Machado e Chiquinho (Mombojó), Domenico Lancellotti (+2, Orquestra Imperial), Alberto Continentino (+2) e Renato da Mata. Prensado apenas em formato vinil, o disco, foi gravado entre 2011 e 2012 e produzido por Arthur Joly.

— O Trio Eterno começou comigo e com o André. O Missionário entrou na banda depois do disco pronto — explica Felipe, o vocalista do grupo. — Mesmo morando em Madri, o André continua na banda, até porque nossa principal vontade é compor novas músicas, e isso podemos fazer de qualquer lugar hoje em dia. O Missionário foi o técnico de gravação das bases do primeiro álbum do Mombojó. Já toquei com o André em vários projetos diferentes, então temos um entrosamento natural. Ainda estamos nos tornando uma banda.

O projeto surgiu de um convite de Joly, dono do selo paulista Reco-Head, para gravar algo inédito nas horas vagas do estúdio. Felipe não tenta disfarçar os ecos da sonoridade do Mombojó no Trio Eterno.

— Com o tempo, juntei várias músicas que não foram usadas pelo Mombojó e que eu sentia necessidade de gravar. Este disco teve um processo criativo diferente, mesmo que o resultado fique parecido, já que tem a minha voz — explica Felipe. — Não fiz nenhuma letra sozinho, busquei parceiros para todas as músicas, e esse processo foi muito divertido. O André tem referências muito diferentes do Mombojó, e temos em comum o fato de sermos fãs do Pixies.

Projetos paralelos não são novidade para os integrantes do Mombojó. Além do Del Rey, banda de covers de Roberto Carlos da qual vários deles participam, o tecladista Chiquinho está gravando o primeiro disco do Diatron, e Felipe ainda participa do Coisinha, projeto infantil capitaneado pelo cantor China.

— Estamos gravando repertório novo com o Mombojó. Vejo nossos projetos paralelos como algo saudável, para não ficarmos muito tempo tocando do mesmo jeito e sairmos da zona de conforto — diz o vocalista.
Nem bem lançou o seu primeiro disco e o Trio Eterno já tem outro em mente.

— O foco principal do trio é exercitar o ato de criar. Já estamos fazendo um segundo disco, que se chamará “Olinda 2031” — adianta Felipe. — Ano que vem queremos estar com ele pronto.

Tchequirau

biz_zps20dfdb59

Após anos de especulação, finalmente um protótipo de um toca-discos de 45 polegadas (aqueles pequenos, geralmente com uma música de cada lado) apareceu em ação. O rapper Biz Markie utilizou um par do Technics SL-700 quando tocou num evento em Nova York semana passada e as fotos fizeram a festa dos colecionadores de vinil.

quarta-feira

16

Janeiro 2013

2

COMMENTS

terça-feira

8

Janeiro 2013

0

COMMENTS

Anúncios