segunda-feira

9

novembro 2015

COMMENTS

#AgoraÉQueSãoElas, por Jade Monte Lima

Written by , Posted in Urbanidades

foto da Tatiana Ruediger
foto: Tatiana Ruediger

Quarto post da série ‪#‎AgoraÉQueSãoElas, movimento convocado pela Manoela Miklos. Após a repercussão da série de posts femininos #MeuPrimeiroAssédio, Manoela propôs que homens cedessem seus espaços editoriais para que mulheres ocupassem e pudessem propagar o próprio discurso.

Agora a Jade Monte Lima fala hoje:

—-

Não porque não, não
por Jade Monte Lima

Minha mãe me educou na base do diálogo, nunca da violência. “Não porque não” nunca fez parte do nosso dialeto. Quando eu fazia alguma coisa que ela julgava errado, me colocava para pensar na Poltrona do Pensamento. Lá eu ficava, o tempo que precisasse, refletindo sobre minhas ações. Quando chegava a alguma conclusão, seja lá qual fosse, levantava e ia contar a minha mãe, que me ouvia, e a partir dali, ou eu convencia ela de que estava certa e ela que ia refletir, ou eu reconhecia meu erro. Nas duas possíveis situações, alguma de nós duas mudava. Muito prático, muito eficiente.

Dito isso, venho aqui chamar atenção para esse movimento feminino lindo que esta gritando forte e colocando todo mundo de castigo, sentado na Poltrona do Pensamento, refletindo sobre o que estamos fazendo, sobre as nossas condutas na sociedade, sobre nossos posicionamentos e culturas. E como tem sido bom isso, porque o segundo passo desse castigo é o diálogo e a escuta.

Desde que começou a campanha do #primeiroassedio, não só a minha timeline do Facebook se encheu de vozes femininas, mas nas mesas de bares, dentro de casa, nos jantares de família, nas ruas e em todos os lugares o assunto era a igualdade de gênero. Diálogo. Homens e mulheres falando e escutando, de verdade, repensando, refletindo. Finalmente, mulheres falando, tendo mais espaço, tirando pesos. O #AgoraÉQueSãoElas veio pra dar microfone a esse grito feminino.

Chega de violência. Chega de aceitar que só os homens falem. Chega de assédio. Chega de alguém ditando o que pode e não pode no corpo da mulher. Chega de mulher ter menos espaço que homem. Chega de desigualdade. Chega de violência. Chega de violência. Precisamos de diálogo. Se a sociedade é machista e se a cultura que vivemos é essa violenta, tem muita coisa errada. Se a sociedade e a cultura são construídas e constituídas por nós, seres humanos, então tem alguma coisa errada conosco.

Essa força não pode acabar. Essa união feminina não pode se perder, ela é poderosíssima. mesmo que a poeira abaixe, mesmo que outro assunto tome conta das mídias, das mesas de bares e dos jantares de família. Que essa reflexão, diálogo e escuta resultem na parte mais fundamental do castigo: a mudança.

Anúncios

Anúncios